Comentários da Bíblia Israelita

Comentários da Bíblia Israelita

[1] Gn 1: 1 – “Be-reshit”: Alguns traduziram por “No princípio criou D-us ” ou “Em princípio Elohim criou”

[1] Gn 1: 2 – “Vento de Elohim ”: Outras bíblias traduziram por “Espírito de D-us” ou “sopro de D-us”. A palavra ruach pode ser traduzida por: Espírito, vento, sopro, estado mental, força em ação e folego. Cada tradução deve estar em harmonia com o contexto. O tradutor não deve “engessar” a tradução ou fazê-la conforme sua crença.

No versículo dois (2) de Bereshit capítulo um (1), são usados elementos da natureza; céu, terra e água. O Vento do Elohim entra no contexto como um elemento sobrenatural para mostrar que a terra estava sendo guardada pelo poder do Soberano.

[1] Gn 1: 2 “movia”: מְרַחֶפֶת (Merachefet)– Pairava, movia ou agitava.

[1] Gn 1.4 – “Separação”: Ao separar o dia da noite, fica claro que o mundo ainda não possuía o ciclo de rotação, é nesse momento que o mundo criado entra em movimentação para fazer essa separação.

[1] Gn 1: 6 – “vastidão” ou “expansão”: Em outras a palavra é traduzida como “firmamento”

[1] Gn 1: 7 – “Separou as águas”: O Eterno faz separação entre as águas. Nesse versículo fica claro a ideia de que água doce e água salgada eram uma só. Também podemos notar que Elohim equilibrou o sistema atmosférico.

[1] Gn 1: 7 “vastidão”: רָקִיעַ (Raqya’) – firmamento ou cobertura. Essa palavra é encontrada doze vezes no Tanach. Ela está sempre associada ao firmamento e uma espécie de cobertura majestática.

[1] Gn 1: 8 – “shamayim”: A palavra “Shamayim” é um plural dual, e por que os antigos chamavam o céu com esta palavra em plural ‘Shamayim”? Praticamente nunca aparece está palavra em singular nas Escrituras hebréias, e por quê? Existe várias interpretações a respeito.

A segunda explicação é: A palavra “Shamayim” é composta de duas palavras hebraica, palavra Esh (fogo) com a palavra Mayim (água). Então a combinação desse conceito e não somente das palavras, mas desses conceitos como fogo que é um conceito primitivo original primário, e Mayim que é outro elemento primeiro, então a combinação desses dois conceitos, desses dois elementos primários básico para existência da humanidade, a combinação desses dois conceitos produzem a palavra (Shamayim) que se traduz defeituosamente ao português os “céus” poderia ser traduzido como “O imenso céu”, porém é claro ninguém traduz assim, porque seria como uma paráfrase, porém esse é o sentido “O imenso céu” Shamayim. O que se passa a nós é que, nosso pensamento pequeno quando falamos dessas coisas não temos a mesma mentalidade que tinham os hebreus antigos, porque os hebreus antigos quando queriam ressaltar a imensidade e a grandeza de alguma coisa, eles colocavam assim em plural.

[1] Gn 1.9 – “Ajuntem-se num só lugar”: em outras palavras, Elohim separou o espaço para a terra firme e o espaço para a água marítima.

[1] Gn 1.9 – “apareça a parte seca”: tudo indica que a terra existia no fundo das águas, ambos já haviam sido criados em um princípio.

[1] Gn 1.14 – “para fazerem separação”: O calendário hebreu é luni-solar. Usavam o sol e a lua como base para medição dos dias, meses, estações e anos. Mas o calendário não nos possibilita contar as semanas. Os antigos Sumérios já utilizavam os astros celestes para medir o tempo.

[1] Gn 1.14“dias”: “Yamim”: Literalmente “dias”, essa palavra é usada no hebraico para conotar uma quantidade de anos.

[1] Gn 1.21 – “grandes criaturas aquáticas”: Possivelmente baleias e outros animais gigantescos que viviam nos oceanos.

[1] Gn 1.22 – “reproduzam-se”: O Criador criou nos seres biológicos a capacidade de auto se reproduzirem.

[1] Gn 1.24 – “Produza a terra”: Em muitas passagens encontraremos essa frase “produza a terra”. A maior parte da criação é de origem da terra, ou seja, do solo. A diferença entre o homem e outros seres terrestres é que todos os animais foram criados em um só dia (yom), mas ao homem Elohim dedicou um dia inteiro para a criação de Adam.

[1] Gênesis 1.26 – “forma”: Quando Elohim criou Adam Ele o fez conforme a sua imagem. Isso não significa que Elohim tem aparência física igual a Adam. Porque Elohim não é físico.

Ao ser criado a imagem do Soberano, o homem se tornou o reflexo do seu Elohim em: Sabedoria, e natureza de Santidade. Ao ser criado, Adam possuía a natureza santa (santidade) com a sabedoria.

[1] Gênesis 1.26 – “Semelhança”. O homem obteve: o poder de escolha e inteligência. Ser a imagem e semelhança significa que Adam foi criado com a natureza de santidade e com sabedoria, poder de escolha e inteligência.

[1] Gênesis 1: 29“Sementes”: O Eterno define a alimentação do homem.: As sementes de todas as ervas, exemplo: arroz, feijão, ervilha, lentilha, milho etc. O Altíssimo não criou o homem para alimentar-se de outros seres pensantes. Quando Adão foi criado o Soberano deu a ele uma dieta harmônica com todo o ecossistema. O amoroso Criador não deu vida as lindas criaturas para que o homem matasse, a fim de obter vitaminas. Ele deu ao homem frutas, sementes e água do rio rica em vitamina b12, fundamental para existência humana. A alimentação adâmica era e é perfeita, porque foi Elohê que criou.

[1] Gênesis 1: 29“fruto que dê semente”: Aqui vemos obviamente Elohim definindo as frutas como alimento para o homem, exemplo: maçã, banana, pêssego, uva etc. Todas as frutas que tenham dentro delas sementes.

[1] Gênesis 2:2 – “No 6º dia”: O Eterno criou o mundo em seis dias e não trabalhou no sábado. “No 6º dia”: O Eterno criou o mundo em seis dias e não trabalhou no sábado. Com o 7º dia Ele termina sua obra, coroando a criação com um dia de descanso. Desde o Éden o sábado foi reservado para memória da criação. Nesse dia Elohim não cria, mas institui. A versão em aramaico diz “no 6º dia”. O Eterno conclui a criação do mundo no 6º dia, mas com o sábado Ele finaliza. No sábado Elohim não cria nada, é nesse dia que Ele cessa. Correção com a Peshita aramaica e torah samaritana.

Com o 7º dia Ele termina sua obra, coroando a criação com um dia de descanso. Desde o Éden o shabat foi reservado para memória da criação. Nesse dia Elohim não cria, mas institui. A versão em aramaico diz “no 6º dia”. O Eterno conclui a criação do mundo no 6º dia, mas com o shabat Ele finaliza. No shabat Elohim não cria nada, é nesse dia que Ele cessa.

[1] Gênesis 2: 2“cessou”: Algumas traduções dizem “descansou”. A melhor tradução é “cessou” porque Elohim não cansa, mas cessa de suas obras. “Nem se cansa, nem se fadiga” Isaías 40: 28

[1] Gênesis 2: 3 – “abençoou”: Quando Elohim abençoa ele coloca nesse dia uma marca da benção e todos que descansam nesse dia serão abençoados.

[1] Gênesis 2: 3 – “consagrou/santificou”: O Criador santifica o shabat, em outras palavras ele separa esse dia para Ele. Ao santificar o shabat Elohim nos revelou que esse dia não é igual aos demais. Desde o Éden o Shabat é um diferencial. Muitos dizem que o Sábado foi dado apenas no Sinay, essa compreensão é um erro. A toráh nos diz que o sábado foi dado na Criação do mundo, para benefício do homem criado, desde o Éden esse dia foi: abençoado e consagrado. Antes mesmo do Sinay o povo Israelita já observava o shabat, mas ao passo do tempo eles esqueceram e foi pela bravura de Moshe que Elohim suscitou suas leis (Instruções (תּוֹ)).

[1] Gn 2: 4 – YHWH”: A fonética exata do nome do Elohim é algo difícil de reproduzir, mas existem dois nomes usados hoje em dia, e um dos dois é o que mais se aproxima da pronúncia original, “YeHôVaH” ou “YaHwH”

[1] Gn 2.5 – “não tinha feito chover sobre a terra”: Ainda não existia a chuva na terra. A chuva foi oficialmente inaugurada no grande dilúvio.

[1] Gn 2.8 – “Éden”: Tradução para o português, “deleite” lugar de descanso. A origem do termo “Éden” em hebraico parece derivar da palavra acade edinu, que deriva do sumério E. DIN. Em todas estas línguas a palavra significa planície ou estepe. A Septuaginta traduz do hebraico (gan) “jardim” para palavra grego (pa·rá·dei·sos) paraíso. Devido a isso, temos a associação da palavra portuguesa paraíso com o jardim do Éden.

[1] Gn 2.10 – “braços”: Ou em quatro correntes de rios.

[1] Gn 2.11 – “Pisom”: Píson é uma palavra de origem hebraica que significa “mais espalhado”, este rio flui através do Irã até o Golfo Pérsico.

[1] Gn 2.13 – “Giom”: Flávio Josefo identifica o rio Giom com o rio Nilo. O significado desse nome é: Irromper ou Jorrar.

[1] Gn 2.14 – “Tigre”: O rio Tigre ou Tígris é o mais oriental dos dois grandes cursos de água que delineiam a Mesopotâmia, junto com o Eufrates, que corre desde as montanhas de Anatólia através do Iraque. De fato, o nome “Mesopotâmia” significa terra entre os rios.

O Tigre tem 1 900 km de extensão. Nasce nos montes Tauro da Turquia oriental e corre geralmente para sudeste até unir-se ao rio Eufrates, próximo a Al Qurna no sul do Iraque. Os dois rios formam o canal de Shatt al-Arab, que desemboca no golfo Pérsico. Neste rio desembocam muitos afluentes, como o Diyala e o Zab.

Bagdá, a capital iraquiana, situa-se na margem oeste do Tigre, enquanto a cidade portuária de Baçorá localiza-se junto ao rio Shatt al-Arab. Na antiguidade, muitas das grandes cidades da Mesopotâmia situavam-se junto a algum desses dois rios, ou pelo menos próximas a eles, aproveitando suas águas para irrigar a civilização suméria. Entre as cidades mais importantes do Tigre encontravam-se Nínive, Ctesifonte e Selêucia, enquanto a cidade de Lagash estava irrigada pela água do Tigre através de um canal construído em 2 400 a. C. Tikrit também se encontra junto ao rio, tanto que seu nome está baseado no do próprio rio.

[1] Gn 2.18 – “ajudadora compatível”: Uma mulher para ajudar Adam e compatível a semelhança de Adam. Ou seja. Éva não seria um ser menor que Adam, mas no mesmo nível, cada um com suas diferenças, cada um com suas funções. Adam seria o grande responsável pelo jardim.

[1] Gn 2.20 – “homem deu nomes a todos” O homem deu nome a quase tudo que Elohim criou, menos a si próprio, Elohim deu o nome para que o homem sempre se lembre quem é maior.

[1] Gn 2: 21 – “dormir pesadamente”: Uma espécie de anestesia geral, isso prova que muito antes do pecado o homem tinha a possibilidade de sentir dor.

[1] Gn 2.23 – “meus ossos, e carne da minha carne” Eva foi criada cópia de Adam. O homem foi criado a partir do pó da terra e Eva do homem. Quando um homem se casa com uma mulher, tornam-se de fato uma só carne. Com o tempo eles podem sofrer das mesmas doenças e ter os mesmos desejos. O sangue de ambos passa por pequenas transformações. Os fluídos trocados pelo casal tem influência sobre ambos. Com o nascimento dos filhos, aprofunda-se a união entre eles e enquanto viverem, serão ligados por um forte laço.

É por estes motivos, que o casamento é algo sério e deve ser respeitado. Ao Adão dizer: “osso dos meus ossos, e carne da minha carne” Ele reconhecia que ela era parte dele e não algo a ser menosprezado, a mulher torna se companheira compatível, leal, idônea. O maior presente que Adão recebeu não foi o Éden, mas, foi ver outro ser humano retirado de seu próprio ser. Os homens devem tratar suas esposas como tratariam a si próprio, “amarás o próximo como a ti mesmo”. Cabe ao homem o dever moral, social e espiritual sobre sua esposa. Nunca um homem deve humilhar ou rebaixar sua companheira, ela não é menor do que ele, porque é osso dos seus ossos, e carne da sua carne. Ela deve ser tratada como a mais preciosa de todos os tesouros, amada e respeitada. Mas em contrapartida a mulher não deve pensar ou ter atitudes que insinue ser melhor ou mais hábil do que o homem, afinal ela é osso dos ossos dele, e carne da carne dele, ambos são iguais perante Elohim, mas, com funções e responsabilidades distintas.

O sexo praticado no casamento é a união íntima guardada apenas para eles, esse é um presente dado do Elohim ao casal, os órgãos sensoriais das regiões intimas, os levam ao ápice do prazer entre ambos. O homem não deve negar esse precioso momento de satisfação a sua mulher, ele tem o dever de satisfazê-la.

[1] Gênesis 2.24 – “uma só carne eles serão: De forma física eles tornaram se uma só carne no nascimento do 1º filho. O corpo humano tem mais de um trilhão de células, e cada uma é formada por um núcleo e um citoplasma, cada núcleo tem quarenta e seis cromossomos, vinte e três do pai e vinte e três da mãe, o casal em 1º plano torna-se uma só carne no nascimento do filho. Em segundo plano o casal torna-se uma só carne com a troca de fluidos durante o ato sexual, isso tende a colabora para que o casal tenha o DNA parecido ao longo dos anos. Segundo a Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS) dos EUA, casais se parecem biologicamente ao viverem juntos e trocarem fluidos.

Os pesquisadores da Universidade Colorado-Boulder, nos Estados Unidos, usaram informações genéticas de 825 casais americanos e descobriram que casais são geneticamente parecidos. No experimento, o genoma de cada participante foi comparado ao do seu parceiro e, depois, ao de dois outros indivíduos aleatórios. Ao todo, o estudo analisou cerca de 1,7 milhão de polimorfismos de nucleotídeo único, que são blocos de DNA conhecidos por diferenciar os seres humanos. Os cientistas analisaram os resultados de DNA, eles notaram que a similaridade genética era um terço mais forte do que a educacional.

 

[1] Genesis 3.1 – “a serpente era o mais perspicaz de todos os animais”: Essa expressão pode significar que não se tratava de um animal comum, mas sobrenatural, ela aparentava ter mais conhecimento sobre o fruto do que Adão. Por que a serpente sabia o que aconteceria com o casal? Ela disse: “sereis igual ao Altíssimo, conhecedores do bem e do mal” A serpente já conhecia o bem e o mal, mediante sua fala. A serpente era o diferencial no processo da tentação. Se tivesse apenas a arvore talvez o casal nunca teria comido do fruto.

A pergunta que fica é, seria a serpente parte do plano do Altíssimo, para que o casal fosse realmente livre? Se eles não tivessem como escolher entre a obediência e a rebeldia, seriam eles livres de verdade?

 

[1] Gn 3.1 – “É assim que Elohim disse: ‘Não comereis’”: A fala da serpente nos mostra que ela, já conhecia o mandamento, nos mostra que a serpente era presente quando o Soberano, disse ao casal para não comer do fruto. Mais uma vez a atuação da serpente é sobrenatural. Não se tratava de um animal comum.

 

[1] Gn 3.7 – “Os olhos de ambos foram abertos”: Literalmente seus olhos físicos não estavam fechados, mas os olhos da alma estavam fechados para certas situações. Ao comer do fruto eles tiveram conhecimento do bem e do mal. Ser conhecedor do bem e do mal, não é algo pecaminoso. O Eterno e seus anjos são conhecedores do bem e do mal. Os “olhos” do casal foram abertos para evolução da consciência. O pecado não está nisso, mas a de ter desobedecido a instrução divina.

[1] Gn 3.7 – “conheceram que estavam desnudos”: Qualquer ser humano, até mesmo quem não enxerga, percebe que está nu. Não se trata de nudes física, mas a espiritual. No exato momento que comem do fruto, atingiram a evolução da consciência. De forma espiritual entendemos que o casal tinha a mesma consciência de uma criança, mas ao realizar uma ação proibida, os olhos não físicos de ambos são abertos, ao ponto de verem que tinham sobre si uma cobertura, só então souberam o que era estar nu.

[1] Gn 3.7 – “e fizeram para si aventais”: Simbolicamente, aqui vemos o casal, buscando redenção com suas próprias forças, note que a busca para cobrir a vergonha, se deu antes da redenção dada pelo próprio Criador. O Eterno fez roupas de pele para eles. Isso nos mostra que ao buscar a redenção por esforços humanos, ela será fraca e passageira, mas se a redenção vier do Soberano ela será forte e duradoura. Pele de folha e pele de cordeiro, qual veste dura mais? Nós devemos buscar a redenção que vem do Altíssimo e não a redenção por nossas forças. Nosso esforço será para obedecer aos mandamentos, mas quando errarmos, devemos saber que a redenção vem do Elohim.

A palavra “figueira” aparece nas seguintes passagens: Dt 8:8, Jz 9:10, Jz 9:11, 1Rs 4:25, 2Rs 18:31, Is 34:4, Is 36:16, Jr 5:18, Jr 8:14, Os 2:13, Os 9:11, Yoel 1:7, Yoel 1:12, Yoel 2:22, Amós 4:9, Mq 4:4, Naum 3:12, Hc 3:17, Ag 2:19, Zc 3:10, Sl 105:33, Pr 27:18, Cân 2:13

[1] Gn 3.8 “tardinha”: Todos os dias a presença real (não física) do Elohim era manifesta ao casal. Observe que os sacrifícios também eram realizados a tarde.

[1] Gn 3.9 “Onde estás”: Será que Elohim não sabia onde estava Adam? É logico que Ele sabia, mas o porquê da pergunta? “Onde você está” tem mais a ver com o estado da natureza de santidade de Adam. O Altíssimo perguntou, não para saber a localização, mas a pergunta foi para fazê-lo pensar em seu estado espiritual, observe que Adam não responde com a localização, mas com o relato dos efeitos colaterais da transgressão. Leia “Ouvi a tua voz no jardim e tive medo, porque estava desnudo; e me escondi. ” Gn 3: 10

Quando o homem se afasta da santidade, sua alma sente medo da presença do Elohim, mas esse medo não é de assombro, é de temor pelo resultado de sua transgressão. Ao esconder da presença de Elohim, Adam sabia que Elohim é onipresente, o ato de esconder foi porque sua alma reconheceu o pecado.

[1] Gn 3.14 – “sobre o teu ventre rastejarás”: Essa forma de punição, nos leva a entender que esse animal estranho e diferente, tinha patas e não rastejava. Tudo indica que ela tinha outra aparência da qual estamos acostumados a imaginar.

[1] Gn 3.16 – “e o teu desejo será para o teu marido”: Inevitavelmente as mulheres amam mais os maridos do que os homens, amam suas esposas, elas amam com mais intensidade. Em um casamento a mulher se dedicará mais, ela cuidará não só dos filhos, mas também do seu marido. O homem ama, cuida dos filhos e da esposa, mas sentimentalmente a mulher é mais ligada, sofre mais. Quando Elohim disse: “e o teu desejo será para o teu marido” é um contraponto ao momento em que a mulher desejou o fruto, da mesma forma como Eva voltou o seu desejo para o fruto, ela agora voltaria seu desejo para Adão.

[1] Gn 3.17 – “Uma vez que destes ouvidos à voz de tua mulher”: Aqui percebemos que Adão não foi punido apenas por comer do fruto proibido, mas por dar ouvidos a instrução da mulher ao invés de dar ouvidos a instrução do Soberano. Assim também Eva preferiu seguir a instrução da serpente ao invés de seguir a voz do Soberano. Nenhuma lei humana é maior que uma lei divina, o homem deve ser desobediente as leis que contrapõem as leis do Altíssimo.

[1] Gn 3.17 – “amaldiçoada é a terra por tua causa”: Três seres foram penalizados; a serpente, Eva e Adão, mas o único que levou maldição ao mundo por causa de sua desobediência foi o homem. Isso nos mostra que a responsabilidade dele não era apenas sobre o jardim, mas sobre todo o mundo. Se Adão não tivesse seguido a instrução de Eva, ela seria a única a ser morta.

Os versículos abaixo mostram a condição do homem à terra, ele estaria ligado e dependente da terra, os frutos não seriam como antes, passaria de um simples coletor, para um agricultor e em dor comeria do fruto dela.

[1] Gn 3.18 – “e comerás da relva do campo”: O casal passou a ter uma alimentação vegetariana, com plantas como; alface, repolho e semelhantes após sair do Éden, antes o casal se alimentava de alimentos que não passavam pela morte, exemplo: sementes (cereais) e frutas, tomates, abacates, mamão etc. Agora fora do jardim, eles passariam a se alimentar com a dieta vegetariana e não apenas a fruto-cerealista. Possivelmente Adão nunca se alimentou de carnes. Os primeiros fruto-cerealistas foram Adão e Eva. E tudo indica que no mundo restaurado os habitantes desse mundo não se alimentarão de vidas ativas. Vale lembrar que em nenhuma das vezes que o Altíssimo receita o consumo de animais.

[1] “Havá (Eva)”: Significa: Vida, aquela que é mãe de os seres humanos, porque dela saiu todos.

[1] “Gan Éden”: A origem do termo “Éden” em hebraico parece derivar da palavra acade edinu, que deriva do sumério E. DIN. Em todas estas línguas a palavra significa planície ou estepe. A Septuaginta traduz do hebraico (gan) “jardim” para palavra grego (pa·rá·dei·sos) paraíso.

[1] Gn 4.1 – “Adquiri um homem”: Ao Chavah dizer essas palavras, nós podemos compreender que até aquele momento nenhum homem havia nascido, é bem possível que tenha nascido apenas mulheres e ao nascer um homem ela disse “adquiri um homem”. Na maioria das vezes o nascimento das mulheres não era mencionado.

[1] Gn 4.1 – “com Elohim ”: O que levou Eva a dizer tais palavras? Qual foi a ajuda do Soberano? Alguns acreditam que ela se referia ao Messias aguardado, mas na realidade Eva não estava dizendo que o homem que havia nascido era o Messias. Quando Adão e Eva nasceram, não teve participação humana, apenas a ação do Elohim, mas ao nascer o 1º homem, houve a participação do Divino e o humano. O Soberano não abandonou seus filhos e a todo instante esteve ao lado do casal. Assim como nos tempos antigos, também é hoje, a ação divina trabalha na maioria das vezes com o humano.

Também podemos entender que Chavah tenha dito porque até aquele momento apenas meninas tinham nascido, e com a ajuda do Elohim ela concebeu um menino.

[1] Gn 4.9 – “Não sei; sou eu guardador do meu irmão?”: Kaim finge que não sabia para tentar enganar o Altíssimo. Ele se faz de surpreso, ao mesmo tempo se mostra desumano ao responder com uma pergunta “sou eu guardador do meu irmão?” Essa mesma reposta nós podemos observar nos dias de hoje. O mesmo espírito de Kaim ainda permanece nos que desviam os ouvidos da verdade.

 

[1] Gn 4.15 – “pôs um sinal sobre Kaym”: O Eterno escreveu as iniciais do seu Nome na testa de Kaim e todos os que olhavam, sabiam que ele era o protegido.

[1] Gn 4.16 – “isolado”: Em outras versões, “habitou na terra de Nod”, o significado dessa palavra é, isolado. Kaim não foi habitar em uma cidade, mas vagou por lugares isolados.

[1] GN 5: 1 “rolo”: ספר / Sefer – Significa: Rolo ou livro. Parece que existia um livro que contava a história da genealogia de Adam. Moshe possivelmente copiou de um livro já existente.

[1] Gn 5: 26 – “Metushelach (Matusalém) – מְתוּשָׁלַח”: Aquele que porta a arma.

[1] Gn 5: 29 – “Noach – נֹחַ”: O nome “Noé” como conhecemos em português procede do nome “Noach” e seu significado é: descanso ou repouso.

[1] Gn 5: 32 – “Yafet”: Significa: “aquele que acrescenta”.

[1] Gn 6: 01 – “multiplicar”: Crescimento demográfico. Aumento da população e expansão territorial.

[1] Gn 6: 02 – “Filhos dos poderosos / Filhos do Elohim ”: o Targum de Onkelos traduz o termo como
“ filhos dos nobres”) e na tradução grega de Symmachus (que interpreta “os filhos de reis ou lordes”), mas se todos são homens, não faz sentido o texto mencionar “filhas dos homens”, essa colocação cria uma diferença entre os filhos do Elohim e as filhas dos homens. Portanto o texto mostra claramente que se trata de não humanos comuns.

[1] Gn 6: 3 – “Supro/Ruach”: Espírito, vento, sopro, estado mental e força.

[1] Gn 6: 3 – “não permanecerá por muito tempo”: O sopro do Elohim que nos possibilita a viver. Nesse versículo Elohim delimita um limite de tempo para a vida humana.

 

[1] Gn 6.4 – “nefilim / ְּנְּפִלִים”: Significa, caídos.

[1] Gn 6.4 – “os filhos do Elohim possuíram as filhas de homem”: Não faz nenhuma sentido ser esses “filhos do Elohim ”, humanos comuns. Se eram pessoas comuns e não Mensageiros (anjos), precisaria apenas dizer: “Os filhos do Elohim possuíram as mulheres”, ao trazer a frase “filhas de homem” o escritor estava diferenciando, entre humanos e não humanos. Outra menção a ser analisada é essa: “as quais lhes deram filhos, esses foram valentes na antiguidade, homens de renome”, o escritor mostra claramente que o relacionamento entre os filhos do Elohim com as filhas dos humanos não gerou humanos comuns.

[1] Gn 06: 06 – “Aborreceu”: (arrependeu-se) Nesse versículo encontramos uma tradução fora de sintonia com o restante das Sagradas Escrituras, veja os textos abaixo o que diz o texto sobre Elohim D’us, será que Ele pode arrepender-se?

Gn 6: 6 e 7, Êxodo 32: 12 e 32: 14, Números 23: 19, 2 Samuel 24: 16, Jeremias 26: 19, Salmos 110: 4, 1 Crônicas 21: 15, Hebreus 7: 21, Ezequiel 24: 14, Jeremias 18: 10, Jonas 3: 10, Yoel 2: 14. Faça a sua análise e perceba que a melhor tradução ” D’us se aborreceu” e não “D’us se arrependeu”. Arrependimento é fruto do fracasso ou algo mal planejado. D’us não fracassa, nem faz nada mal planejado

[1] Gn 6: 09 – “Tzadik”: Justo, integro.

[1] Gn 6: 9 – “Perfeito (תָּמִים)”: Em hebraico “Tamim”, essa palavra significa: Perfeito, imaculado, sem manchas, sem erros. Noach foi um homem justo e tamim (perfeito) sem pecado. Essa mesma palavra aparece em Mishelei (provérbios) 11: 5 e mostra de forma clara a natureza dessa palavra (תָּמִים – tamim). Aparece 37 vezes no Tanach.

[1] Gn 6.11 – “A terra também estava corrompida”: Os seres foram corrompidos em idolatria e imoralidade. O planeta terra sofreu graves mudanças, os antediluvianos alcançaram o ápice do conhecimento em manipulação orgânica. O homem corrompeu a terra e isso foi o principal motivo do juízo. Animais, plantas, homens e todos os seres foram corrompidos pelos filhos do Elohim [ver Gn 6.2], os mesmo que se casaram com as filhas dos humanos.

 

[1] Gn 6.11 – “e cheia de violência”: A violência aqui referida não era apenas entre humanos, mas esse comportamento malévolo se estendeu aos animais. Homens maus matavam as criaturas inocentes por puro prazer do paladar ou apenas para ver a morte do animal. Outro tipo de violência era a aplicada a natureza, a raça humana havia desenvolvido a habilidade de amalgamar e destruir a biodiversidade. Quando a torah diz “e cheia de violência” é notório a denúncia, de que a violência havia alcançada todos os níveis possíveis. Quando o Altíssimo aplica sua punição, ela é destinada ao homem e aos nefilim maus, livrando os animais e a biodiversidade. O Criador recria tudo o que havia se perdido pelo aumento da violência humana.

[1] Gn 6.14 – “Faze para ti uma embarcação”: O Eterno poderia salvar Noach sem a necessidade da embarcação, não era necessário, mas por que Elohim pediu para construir? Ao construir aquela grande embarcação, o povo teria a oportunidade de perguntar a Noach o objetivo dela. Era uma forma de Elohim ainda chamar o povo para o arrependimento. Muitos perguntaram: Noach, qual é o objetivo? Ele respondia – Virá uma inundação ao mundo. Mesmo assim, por cento e vinte anos o povo não se converteu. Concluída a arca, o Altíssimo ainda esperou por sete dias, dando ao mundo os últimos dias da benevolência.

[1] “limpos ou puros”: Provavelmente animais usados para sacrifício e posteriormente para alimentação.

[1] “terra ou erets”: Não incluía os animais aquáticos.

[1] “lhe ordenou”: Instrução direta para Noach, fazendo dele um profeta e mashiach em sua época.

 

[1] Gn 7.7 – “Noach entrou na embarcação com seus filhos, sua mulher e as mulheres de seus filhos”: Se Noach era o único homem justo em sua geração, por que seus filhos entram na arca junto com ele? Por que as mulheres também entraram na arca? No momento em que Elohim chama Noach para a missão, ele era mesmo o único homem justo, os filhos, noras e esposa são justificados por causa dele. Por meio de Noach Elohim redimiu mais sete pessoas, sendo elas; quatro mulheres e três homens. A ideia de o pai ser o responsável espiritual pela família é declarada por Yehoshua, ele disse “Eu e minha família serviremos a ”. O homem justo pode sim redimir sua família, mas para isso ele deve guiar sua família ao Criador.

Por meio do justo Noach, o Altíssimo justificou outros. Assim como foi com Moises, Noach foi enviado para salvar, Eliyahu foi enviado para salvar, Shimshon morreu para libertar Israel. Nos últimos dias fomos iluminados pelo testemunho de Yeshua. Assim como Noach Yeshua foi justo e integro.

 

[1] Gn 7.16 – “ o fechou para dentro”: Por que o Soberano fechou a porta e não Noach? Seria ela pesada demais? Ao analisamos a trajetória de clemência de Elohim, entenderemos o porquê Ele a fechou e não Noach. Se Noach houvesse feito seria algo muito natural; um homem fechando uma porta. Mas de forma sobrenatural o Altíssimo fecha. O povo ao redor da arca ficou atônitos com aquele feito, mesmo assim eles não se arrependeram. O Altíssimo fez esse sinal, para mais uma vez mostrar seu amor e longanimidade. Com esse feito o Misericordiador revelou, que só Ele pode fechar a porta de redenção, Ele abre, Ele fecha. Assim como nos tempos de Noach, hoje temos a oportunidade de retorno ao Elohim, mas um dia o portal da redenção será fechado pelo próprio Criador, hoje você está em frente do portal, qual será sua decisão?

[1] Gn 7.18 – “Prevaleceram as águas e aumentaram grandemente sobre a terra”: Quando analisamos essa passagem nos deparamos com algo parecido com a criação de Gn 1.1-2. No 1º capítulo do gênesis, vemos a criação do mundo, mas no capítulo sete vemos a restauração do mundo.

As águas prevaleceram, ou seja, as águas venceram, assim como no princípio ela era abundante, na restauração do mundo ela também dominou. O Criador usa o elemento água para trazer justiça ao mundo, note que nos versos seguintes é dito que a água venceu os montes mais altos, no passado montanhas eram sinais de grandeza e força, por isso é enfatizado que até as montanhas foram vencidas pelo poder do Altíssimo. A água na maioria das passagens bíblicas está relacionada a restauração, o número quarenta (40), é associado com o tempo de mudança, renovação. Da mesma forma que Moshe jejuou por quarenta dias e quarenta noites para promover mudança e restauração, ás águas este viveram acima dos montes por quarenta dias efetivando o processo de restauração do planeta terra.

Na maioria do processo de renovação e purificação a água é o elemento usado como símbolo. Ao entrar no mikv(tanque) um servo se purifica fisicamente e simbolicamente dos seus erros. Veja os versículos relacionados ao número quarenta: Gn 7:4, Gn 7:12, Gn 7:17, Gn 8:6, Gn 50:3, Ex 24:18, Ex 34:28, Nm 13:25, Nm 14:34, Dt 9:9, Dt 9:11, Dt 9:18, Dt 9:25, Dt 10:10, 1Sm 17:16, 1Rs 19:8, Ez 4:7, Jn 3:4

 

[1] Gn 8: 1 – “atenção especial”: Literalmente “recordou-se” ou “trouxe a memória”. Criador não se esquece. As bíblias erram ao traduzir com parâmetros humanos uma característica do Elohim. Ver Isaías 49: 15-16

[1] Gn 8.1 – “ Elohim fez passar um vento sobre a terra, e as águas começaram a diminuir / וַיַּעֲבֵר אֱלֹהִים רוּחַ עַל הָאָרֶץ וַיָּשֹׁכּוּ הַמָּיִם”: Assim como na criação do mundo em Gn 1, um vento (ruach) pairava sobre a superfície das águas da mesma forma na restauração do mundo (Gn 8.1) um vento (ruach) da parte de Elohim, secou o oceano acabando com o caus. Assim como em Gn 1.2 o planeta estava coberto por água e o vento (ruach) do Elohim pairava na superfície do abismo, em Gn 8.1 podemos ver claramente a mesma ação desse vento.

Existe um paralelo claro entre o capítulo um (1) e oito (8) do livro de gênesis; na criação o vento paira sobre o abismo (o oceano) e na restauração do mundo o mesmo ocorreu. Leia as seguintes passagens relacionadas ao vendo da parte do Altíssimo: Gn 1:2, Gn 8:1, Ex 14:21, Nm 11:31.

[1] Gn 8: 2 – “fontes do abismo”: Possivelmente refere-se as águas subterrâneas

[1] Gn 8: 4 – “Ararate”: Uma região montanhosa entre a Turquia a Armênia e o Irã. O significado do nome é: Terra separada.

[1] Gn 8: 8 – “Yonah”: Pomba.

[1] Gn 8: 21 – “recebeu”: Aspirou.

[1] Gn 9: 3 – “Cada animal”: Ou todo animal que se move. Esse texto é comumente usado para afirmar que podemos comer de todos os animais que existem na terra. Tal explicação é de procedência duvidosa. O Eterno não estava liberando a carne de porco ou outros animais impuros, apenas afirmando que o homem poderia comer de todos os animais lícitos. Do contrário Noach não teria colocado na aron 7 pares de animais puros que serviram para o sacrifício de pacificação.

Se podemos comer qualquer tipo de animal que vive na terra, isso também significa que podemos comer todo tipo de planta. Mas sabemos que existem plantas venenosas.

Todas as plantas são possíveis de mastigação, mas nem todas posso comer. Quando D-us disse que podemos comer de todas as plantas, fica evidente que ELE(LS) não se referia as plantas improprias para o consumo. Assim também é para com os animais, quando Elohim disse aos sobreviventes do dilúvio que poderiam comer de todo animal, não estava incluindo os animais impróprios para o consumo. Para aqueles que acreditam que todo animal que se move pode ser consumido, eu fico imaginando o que aconteceria se uma pessoa comece: ratos, baratas, insetos e animais venenosos.

Fica evidente que Elohim não estava se referindo aos animais proibidos que posteriormente Moshe descreveria em Lv 11. O Eterno sabe de todas as coisas e quando ele dá essa permissão de consumo para Noach, ELE já sabia que iria inspirar o profeta Moshe a escrever Levíticos 11. Todo animal e toda planta pura para o consumo.

[1] Gn 9:7 – 212 º Mandamento positivo: Frutificar e multiplicar.

[1] Gn 9: 11 – “meu pacto”: O pacto do Elohim com a terra, está diretamente relacionado a garantia do planeta não ser destruído com água.

[1] Gn 9: 13 – “meu arco”: Algumas bíblias trazem “arco íris”. Porém o nome “íris” não consta no original.

[1] Gn 9: 16 – “dar atenção”: ou “me recordar”. Sabemos que o Criador não esquece de nada, por este motivo vertemos para “dar atenção”.

[1] Gn 9: 16 – “toda a carne”: Isso inclui também os israelitas, porque todos são filhos de Noach, todos estão sob o mesmo pacto. Todas as gerações da terra são bney noach (Filhos de Noé).

[1] Gn 9: 22 – “Kanaan (כְנַעַן)”: o nome Kanaan é alusivo a Cã, filho de Noach, ao qual se atribui a origem dos kenaanitas, conforme relato de Gênesis capítulo 10. Kanaan seria a duodécima geração depois de Adão: Adão > Sete > Enosh > Quenã > Malalel > Yered > Enoque > Matusalém > Lameque > Noé > Cã > Kanaan.

[1] Gn 10: 01 – “Shem”: Significa: “nome”.

[1] Gn 10: 01 – “Cham”: Significa: “Quente ou aquecido”.

[1] Gn 10: 01 – “Yafet”: Significa: “aquele que acrescenta”.

[1] Gn 10: 09 – “Nimrod”: Bisneto de Noach e foi o 1º poderoso da terra, após a inundação. O nome Nimrod deriva do verbo hebraico ma·rádh, que significa “rebelar”. Ele foi chamado por esse nome posteriormente.

[1] Gn 10: 18 – “cananeus”: Os descendentes de Cham filho de Noach. As terras dos kenaanitas foram compradas por Avraham que hoje é a terra de Ysrael.

[1] Gn 11: 4 – “torre”:  Em forma de pirâmide.

A torre de babel, esse nome foi conhecido pela tremenda confusão que se deu após a confusão das línguas.

A foto ao lado retrata a possível forma da torre. Acreditamos que tinha o mesmo formato de uma pirâmide.

O Objetivo da torre era fugir de um novo juízo do Eterno e mostrar a força humana contra Elohim.

(em hebraico: מִגְדַּל בָּבֶל, Migdal Bāḇēl)

 

[1] Gn 11: 5 – “Então desceu  hwhy: Nesse verso temos um antropomorfismo. D-us não precisa “descer”, ele está em todos os lugares é onipresente. Podemos traduzir o texto assim: “Então  hwhy dirigiu sua atenção”. A toráh está cheia de antropomorfismo que é uma linguagem humana usada para descrever D-us e suas ações na terra.

[1] Gn 11: 5 – “O povo é um”: Provavelmente temos nessa passagem a primeira grande organização humana, focada em estabelecer-se como uma potência contra Elohim. A toráh nos mostra um paralelo com os dias atuais. Hoje temos a ONU (Organização das Nações Unidas) que é o mesmo tipo de organização babilônica focada em unir línguas e povos sob o comando do grande “Ninrod”. Assim como a torre de Babel, a ONU foi estabelecida depois de um grande juízo – a segunda guerra mundial. As nações da terra se unirão novamente contra Elohim e seu povo.

 

[1] Gn 11: 10 – “Shem”: Sem ou Shem, foi o pai dos semitas. Shem foi filho de Noach, e dele procedem os judeus, que também são filhos de Noé (Bney Noach).

[1] Gn 12: 2 – “uma grande nação”: A promessa de Elohim foi cumprida. Hoje milhões de pessoas têm descendência abraâmica. Judeus, muçulmanos, cristãos, samaritanos e outras minorias são em sua maioria de origem do pai Avraham. Há filhos de Avraham espalhados em todas essas culturas e religiões. O Criador (louvado seja) prometeu a benção para qualquer que abençoar Avraham. A benção proveniente do Elohim está relacionada para os que confessam a mesma fé do patriarca.

[1] Gn 12: 3 – “Abençoarei aos que te abençoarem”: Abençoar Avraham não é apenas dizer “Seja abençoado o pai Avraham”. Quando uma pessoa reconhece o D-us e as leis guardadas por Avraham permitindo que,  hwhy seja o único D-us em sua vida. Abrir-lhe-á a porta das brachot, que são o resultado da observância dela. O bendito de  hwhy anda sob a tutela de Avraham. Não há como Abençoar Avraham com uma mão, e amaldiçoar com a outra, distanciando o coração das leis e do D-us adorado pelo patriarca.

[1] Gn 12: 10 – “Mitzraim”: Terras baixas, chamada de “Egito”.

[1] Gn 12: 13 – “Peço-te que fale que és minha irmã”: Avraham não estava mentindo sobre Sara ser sua irmã, mas omitiu o fato dela ser sua esposa. O pai de Sara também era o pai de Avraham, ou seja, ela era sua meia irmã. O seu pai Terá, tinha outras esposas. Gênesis 20: 12.

[1] Gn 13: 01 – “Subiu, Avram do Mitzraim”: Por várias vezes encontramos na toráh a menção de “descida” e “subida” do Egito. A mensagem que a toráh nos passa é que toda vez que descuidamos do “pão” espiritual, faltando “água” purificadora, descemos ao Egito para suprir nossas necessidades. Mas tal alimento do Egito não é duradouro, é passageiro e por isso devemos subir para “Kanaan” afim de obter “pão” e “água” que vem do Todo-Poderoso.

Avraham peregrina no Mitzraim para saciar suas necessidades, Jacó e seus filhos descem ao Egito. Mas todos subiram porque tais alimentos não supriam suas vitais necessidades. O “Egito” espiritual está dentro de cada ser humano e é preciso subir para não permitir, que seus “pepinos, cebolas e alhos” nos predam nos mais ardis das tentações humanas. Muitos, mesmo acima do Egito voltaram, porque o sabor de tais alimentos ainda eram perceptíveis em seus paladares. É preciso subir nossa neshama ao nível superior ao “Egito”. Quando D-us (Louvado seja) chamou Moshe para o ministério da libertação, o elevou até o Sinay. Isso representa que precisamos nos elevar. Destrua dentro de você o caminho de volta ao “Egito” e suba em direção a “terra que mana leite e mel”.

[1] Gn 13: 01 – “Negebe”: É uma região com altitudes iguais à Sefelá mas falta de águas a sul das Montanhas de Judá chama-se de Neguebe. O Neguebe é desértico, porque sua altitude não chega a ser boa para captar as nuvens e a umidade que, vinda do Mar Mediterrâneo a ocidente, acabam por resultar em chuvas abundantes, na época do inverno, nesta região do sul da Transjordânia.

 

[1] Gn 13: 16 – “E farei a tua descendência como o pó da terra”: De Ismael surgiram doze tribos, de Isaque mais doze tribos. Além desses dois filhos Abraham teve outros e se multiplicaram na região do mediterrâneo e em todo oriente. Os filhos descritos na toráh, são: Ismael, Isaque, Zinrã, Jocsã, Medã, Midyam, Isbaque e Suá. Na atualidade existem bilhões que são filhos de Avraham, são tão numerosos que não é possível conta-los. Se um teste de DNA fosse feito nos habitantes da terra, o mundo ficaria surpreso com o cumprimento da maior promessa de D-us.

[1] Gn 13: 18 – “Carvalhal de Manre”:  Provavelmente Mamre foi um amorreu, um chefe de uma tribo a quem teria sido dedicado um conjunto de árvores. Fontes judaicas dizem que o local é o mesmo que Beth Ilanim ou Botnah.  Ver Gn 14.24

O lugar exato desse “Carvalho de Manre”, que é mencionado somente em Gênesis, não fica claro a exatidão do lugar. Mas sabemos que foi debaixo de um carvalhal que o Mensageiro de  hwhy apareceu com outros dois mensageiros para Avraham.

 

[1] Gn 14: 18 – “Malkhi-tzdek”: Tradução; Rei justo, o nome é desconhecido, ele é tratado pelos adjetivos, um rei justo temente a D-us. Os autores traduziram por Melqsedeq, essa palavra é uma junção de Melkhi (Rei) e Tzedek (Justo).

[1] Gn 14: 18 – “Salém”: Provavelmente Salém é a mesma cidade que hoje conhecemos por Yerushalaym (Jeru-salém). O mais interessante é que Salém também abrigava um sacerdote (Melqsedeq) tornando-a uma cidade de D-us muito antes do povo Israelita habitar nela. O Nome Salém significa: Paz. Foi em Jerusalém, que nosso pai Avraham avinu, visitou o Rei Justo. Gên 14: 17, 18; 2Sa 18: 18, Sal 76: 2

[1] Gn 14.20 – “Maaser”: Uma parte do fruto das mãos, ou seja, o que é conquistado por obra das suas mão, um décimo.

[1] Gn 14: 22 – “minha mão”: O ato de levantar as mãos, ou mesmo o de usar as mãos para um ritual religioso era comum, veja as passagens bíblicas onde impor as mãos, para um entrelaçamento entre o humano e o espiritual era usado constantemente. Salmos 119: 48, Lamentações 3: 41, Êxodo 17: 11, Deuteronômio 32: 40, Salmos 63: 4, Salmos 28: 2. Impor as mãos sobre um doente, sobre alguém para ungir ou mesmo para orar por alguém é algo puramente aprovado pela toráh.

[1] Gn 14: 24 – “Manré”: Veja o comentário de Gn 13:18

[1] Gn 15: 02 – “Eliézer”: Significa, Meu D-us é ajudador.

[1] Gn 19: 18 –“ Que Elohim o  hwhy não permita”: Em outras bíblias: “Assim não meu Senhor”, dando a ideia que Lot chama o anjo de Adonay. Erro corrigido.

[1] Gn 19:29 – “amentou-se”: Outras bíblias: “lembrou-se”

[1] Gn 22: 2 – “o teu único filho”: Abrão tinha outro filho, Ismael, Mas por que Moisés usou a palavra “único”? Em hebraico a palavra é “Yachid” que tem o sentido qualitativo e não quantitativo, portanto, Moises ao escrever dessa forma estava apontando para a qualidade de Isaque frente a promessa. Portanto a toráh não se contradiz quando diz que Isaque era yachid (único).

Chamar Isaque de único não desqualifica Ismael como filho de Avraham, alias Ismael foi abençoado e teve sua descendência multiplicada sobre a terra. Todos os filhos de Avraham fazem parte da segunda promessa feita por D-us ao patriarca; A promessa de tornar como pó a zerah de Abraham avinu.

[1] “não lhe negaste”: Outra tradução “não me negaste” Porem se trata de uma tradução fora do contexto, porque não foi ao anjo que Avraham estava entregando o filho, mas ao Elohim.

[1] Ex 25:8 – 20º Mandamento: Construir um Templo – ‘…Farão para mim um Santuário…’

[1] Ex 25:30 – 27º Mandamento: As doze chalot que eram chamadas de Pão da Proposição deveriam estar sempre presentes no Templo Sagrado. O número doze vem representar as doze tribos de Israel. O pão era reposto a cada Shabat (sábado), e os Cohanim deveriam comer o pão da semana anterior, que por um milagre permanecia fresco como no dia em que foi assado. – ‘E porás sobre a mesa o pão da proposição diante de Mim, continuamente’

[1] Êx 27:20 – 25º Mandamento: Menorah – A Menorá simboliza a luz constante que irradia a vida que se envolve com seu Elohim, e por isso era mantida acesa continuamente – ‘E tu ordenarás aos filhos de Yisrael que te tragam azeite de oliveira puro, batido, para iluminação, para acender a lâmpada contínua.’

[1] Ex 30:7 – 28º Mandamento: Os Cohanim são ordenados a colocar incenso diariamente, duas vezes por dia, no Altar de Ouro. O incenso era composto por onze especiarias, combinadas numa receita específica que só poderia ser feita no Templo Sagrado. O incenso do Templo Sagrado era de uma fragrância incomparável, justamente porque o cheiro é algo que atrai o sentido da pessoa e faz sentir bem. – ‘Queimará Aharon sobre ele o incenso a cada dia…’ – Ex 30:7.

[1] Ex 30:19 – 24º Mandamento: Os Cohanim deveriam lavar suas mãos no Kiyor antes de prestar seu serviço no Templo Sagrado. Essa é a origem de algumas das leis de Netilat Yadayim (ablução das mãos) que fazemos de manhã, já que, c – ‘Lavarão Aharon e seus filhos…’

[1] Gn 3:22 – “voltou-se”: Em outras versões “lembrou-se”.

[1] Gn 31:53 – “Elohi / Poderoso de Naor”: Possivelmente o texto fala do mesmo Elohai, ou seja, Naor e Avraham tinham o mesmo Poderoso. (בֵינֵינוּ אֱלֹהֵי אֲבִיהֶם).

[1] “Yisrael”: D-us prevalece.

[1] Gn 32.29 – “lutou com um mensageiro”: Correção baseado no aramaico siríaco, outra ocorrência; Bíblia Peshita.

[1] Gn 32.31 – “Mensageiro face a face”: Na realidade ninguém pode ver Elohim porque Elohim é imaterial, Yaacov viu um mensageiro(Anjo) que veio da parte de Elohim  hwhy. A correção desse texto foi baseada no aramaico siríaco. Nos textos samaritanos e judaicos a palavra que aparece é “ Elohim ” e na maioria das vezes essa palavra é traduzida por: Deus. A palavra “ Elohim ” não foi traduzida apenas por “deus” na biblia hebraica, vejam as referências:

A bíblia NVI, traduz elohim por “juízes” em 1ª Samuel 2:25, o targum de Onkelos traduz elohim por “nobre” em Genesis 6:2. Traduzido por “poder”: Gn 31:29, Dt 28:32. Moisés foi chamado de elohim e anjos foram chamados assim.

[1] “Yaacov”: Ya’akov (יעקב), que significa literalmente “aquele que segura pelo calcanhar

[1] Gn 35.4 – “objetos de idolatria”: Literalmente em hebraico “Elohê”, aqui traduzimos para harmonizar com o texto.

[1] “Beit-EL”: Literalmente significa: Casa de D-us

[1] Gn 35:18 – “ao sentir que estava morrendo”: Correção, veja outras bíblias

[1] Gn 43.23 – “o Elohê que vocês e seu pai adoram”: O palavra hebraica “Elohê” que é traduzida por “deus” em outras bíblias, não aparece duas vezes no texto em hebraico, por este motivo preferimos traduzir conforme o original.

[1]  Ex 3.14 – “EHYEH ASHER EHYEH É”: Eu sou Aquele que é.

[1] Ex 4: 10 – “pesado de língua”: Provavelmente Moshe tinha sotaque devido o tempo que passará no deserto de midiã. Não se tratava de gagueira.

[1] Ex 4:16 – “Poderoso para ele”: Do hebraico “elohim”, chamar Moshe de elohim não significa que ele foi posto como um deus, mas destacava a posição de poderoso entre o povo e diante de Arão

[1] Ex 4.24-26 – foram baseados na versão aramaica siríaca (Peshita).

[1] Ex 7: 1 – “Poderoso”: Elohim (אֱלֹהִים) ou deus, significado literal: Poderoso dominador. Veja Torah Rashi 2º volume.
Significados:
1 – Supremo ou supremos.
2 – Deus ou deuses.
3 – Poderoso ou poderosos.

De acordo com o Strong H430, Elohim possui a seguinte incidência na toráh:

 

Elohim, 2.570 vezes;

Eloah, 57 vezes;

El, 226 vezes;

Elim, 9 vezes.

[1] Ex 7.1 – “porta voz / profeta”: Em hebraico, navi. Origem no acadiano, navor. Navi significa: porta voz, ministrar, falar por alguém, instruir o povo ou transmitir uma mensagem real.

[1] animais ferozes”: Em outras bíblias “moscas”

[1] “yvrim”: Hebreus

[1] Ex 12:2 – 153 º Mandamento positivo: Determinar os meses, calculando anos e meses somente em tribunais – ‘Este mês será para vós o 1º dentre os meses…’

[1] Ex 12:6 – 55 º Mandamento positivo: Sacrificar o sacrifício do Pêssach – ‘Degolá-lo-á todo o povo…’

[1] Ex 12: 8 – 56 º Mandamento positivo: Comer o Pêssch assado na noite de 15 do mês de Nissan – ‘Comereis a carne…’

[1] Ex 12: 12 – “poderosos do Mitzraim”: Em outras bíblias “elohim do Egito”, mas como fazer juízo a elohim que não existem? Possivelmente refere-se a poderosos levantados por homens, tanto ídolos humanos quanto fantasias.

[1] Ex 12:15 – 156 º Mandamento positivo: Exterminar o chamêtz (fermento dos cinco cereais) antes da festividade de Pêssach – ‘No 1º dia, exterminareis…’

[1] Ex 12:16 – 159 º Mandamento positivo: Descansar no 1º dia da festividade de pêssach – ‘no 1º dia,…’
Ex 12:16 – 160 º Mandamento positivo: Descansar no 7º dia da festividade de pêssach – ‘…e no dia sétimo,…’

[1] Ex 12:18 – 158 º Mandamento positivo: Comer matzá (pão ázimo) na primeira noite – ‘…ao anoitecer, comereis matzôt…’

[1] Ex 13:8 – 157 º Mandamento positivo: Relatar sobre a saída do Egito na primeira noite de Pêssach – ‘Contarás a teu fiho naquele dia …’

[1] Ex 20:3; Dt 5:7 – 249 º Mandamento negativo: O 1º preceito dentre os preceitos negativos: não pensar que há outro Elohim além do Elohim – ‘…Não terás outros elohim diante de mim!’.
Ex 20:3 – 253
º Mandamento negativo: Não curvar-se perante ídolos, mesmo que não seja o modo de serví-los o curvar-se.

[1] Ex 20:4; Dt 5:8 – 250 º Mandamento negativo: Não fazer imagens de escultura, nem pelas próprias mãos, nem pelas mãos de outrem – ‘Não farás para ti escultura…’.
Ex 20:4 – 254
º Mandamento negativo: Não fazer para ídolos coisas ou atos que sejam a forma de serví-los – ‘…não os servireis…’.

[1] Ex 20:7 – 310 º Mandamento negativo: Não jurar em vão – ‘Não tomareis o Nome do Elohim teu Elohim em vão…’.

[1] Ex 20: 7 – “com falsidade”: Outras bíblias traduziram por “em vão”.

[1] Ex 20:8 – 155 º Mandamento positivo: Santificar o dia de Shabát – ‘Lembra-te do dia de Chabát para o santificar…’

[1] Ex 20:12 – 210 º Mandamento positivo: Honrar pai e mãe – ‘Honra a teu pai e a tua mãe…

[1] Ex 20: 13 – “não assassinarás”: outras bíblias trazem “não matarás”, no hebraico “תִּרְצָח – Tiretsach” que significa claramente: “assassinar” e não “matar”.

[1] Ex 20:23 – 252 º Mandamento negativo: Não fazer imagens nem para embelezamento, mesmo que não sejam para idolatria – ‘…não fareis comigo…’.

[1] Ex 20:25 – 326 º Mandamento negativo: Não construir o Altar com pedras lavradas – ‘…não construirás de pedras lavradas..’.

[1] Ex 20:26 – 327 º Mandamento negativo: Não subir por passos largos ao altar, senão juntando o dedo maior ao calcanhar – ‘…não subirás por degraus a meu Altar…’.

[1] Ex 21:2 – 232 º Mandamento positivo: Julgar o escravo hebreu segundo os pormenores prescritos a seu respeito – ‘Quando adquirires um escravo hebreu…’.

[1] “yvri”: hebreu

[1] Ex 21:8,9 – 233 º Mandamento positivo: Comprometer para casamento a escrava hebréia – ‘…que para si destinou-a…e, se para seu filho…’.
Ex 21:8 – 234
º Mandamento positivo: Redimir a escrava hebréia – ‘…redimi-la-ás…’.

[1] Ex 21:18 – 236 º Mandamento positivo: Pagar o que golpeou outro israelita com dinheiro, de acordo com o que haja feito – ‘…quando contenderem dois homens, e golpear um deles…’.

[1] Ex 21:20 – 226 º Mandamento positivo: Matar o Sanedrin os condenados com ‘Sêif’ – (tipo de espada oriental) – ‘…vingará…’.

[1] Ex 21:33 – 238 º Mandamento positivo: Julgar prejuízos de um buraco aberto, ou do que se assemelhe a isto – ‘Quando alguém cavar um buraco…’.

[1] Ex 21:35 – 237 º Mandamento positivo: Julgar prejuízos de animais, ou do que se assemelhe – ‘…quando o boi de alguém ferir o boi de outro…’.

[1] Ex 21:37; 22:1 – 239 º Mandamento positivo: Condenar o ladrão a pagar (pagamentos variados em casos variados) ou à morte, em casos de seqüestro: ‘Quando roubar…’ – ‘Aquele que sequestrou alguém e o vendeu…’ – Ex 21:16.

[1] Ex 22:4 – 240 º Mandamento positivo: Julgar prejuízos de queima (e seus derivados): ‘Quando alguém incendiar um campo, ou um parral…’.

[1] Ex 22:5 – 241 º Mandamento positivo: Julgar prejuízos do fogo (e derivados) – ‘Quando sair um fogo, e encontrar espinhos…’.

[1] Ex 22:6 – 242 º Mandamento positivo: Julgar o caso de ‘shomer chinam – i.e., alguém sob cuja guardia encontrava-se algo, sem que se fizesse responsável por aquilo deliberadamente – ‘Quando der alguém a outro dinheiro ou utensílios para guardar…’.

[1] Ex 22:8 – 246 º Mandamento positivo: Julgar casos de ‘to’en ve nit’an’ – (ex: ‘- Te emprestei um relógio e um livro!’ – e o outro diz: ‘- Não; emprestaste um livro, unicamente!’) – ‘…Sobre todo caso culposo…’.

[1] Ex 22:9 – 243 º Mandamento positivo: Julgar os casos de ‘shomer sakhar’ (quem guarda algo por pagamento ou se fez responsável por aquilo, comprometendo-se) e ‘sokher’ (quem alugou algo) – ‘Quando der alguém a outro um burro ou um boi…’.

[1] Ex 22:13 – 244 º Mandamento positivo: Julgar o caso do ‘shoel’ – i.e., quem tomou algo de alguém emprestado para uso – ‘Quando alguém pedir de outro…’.

[1] Ex 22:15 – 220 º Mandamento positivo: Condenar o sedutor a pagar 50 sheqalim (shêqel da época da Torá – chamada ‘siclo’ em idioma português), bem como julgá-lo de acordo com os demais pormenores desta toráh.

[1] Ex 22:24 – 197 º Mandamento positivo: Emprestar ao pobre – ‘…se prata emprestares a meu povo…’ – ‘se’ que está dito aqui não é para indicar permissividade, senão obrigatoriedade, conforme Dt 15:8.

[1] Ex 22:27 – 308 º Mandamento negativo: Não amaldiçoar a Elohim – ‘A Elohim não amaldiçoarás…’. – Está escrito sobre seu castigo: ‘Quem amaldiçoar a Elohim, morrerá…’ – Lv 27:16 – e esta é a regra geral: todo lugar onde se encontra pena de ‘carêt’ ou morte por tribunal, trata-se de um mandamento negativo, exceto a circuncisão e o sac.

[1] Ex 23:2 – 175 º Mandamento positivo: Seguir a maioria, caso haja discussão no Sanedrin em algum pormenor de alguma toráh – ‘…após a maioria, para entornar.’

[1] Ex 23:5 – 202 º Mandamento positivo: Tirar a carga de cima de outro israelita, ou de sobre seu animal.

[1] Nm 15:20 – 133 º Mandamento positivo: Separar a ‘halá’ – parte da massa dos cereais – para o cohen – ‘Da primícia de vossa farinha…’

[1] Ex 23:12 – 154 º Mandamento positivo: Descansar no dia de Shabát – ‘…no dia sétimo, descansareis…’

[1] Ex 23:13 262 º Mandamento negativo: Não jurar por nomes de idolatrias para os que nela crêem, nem fazer com que eles jurem por ela – ‘..Nomes de outros elohim não fareis lembrar, não se escutará de sua boca…’. Aqui o sentido de citar um nome de um deus é no contexto da idolatria, não se deve mencionar o nome de um deus em ritual religioso.
Dt Ex 23:13 263 º Mandamento negativo: Não desviar o povo de Israel em geral para idolatria (‘madiach’) – ‘…não se escutará de sua boca…’ – este escrito é também um aviso para o ‘messit’ – o que converte judeus a outros caminhos.

[1] Ex 23:14 – 52 º Mandamento positivo: Festejar nos ‘Regalim’ (as três festividades anuais nas quais costuma-se comparecer no Templo) – ‘Três ‘Regalim’ festejareis para mim…’

[1] Ex 23: 18 – “fartura”: Algumas bíblias traduziram por “gordura”. A palavra “chalev” deve ser traduzida conforme o contexto e a melhora para palavra para esse versículo é: “fartura”.

[1] Ex 23:19 – 125 º Mandamento positivo: Trazer as primícias ao Templo – ‘…primícias do principal do fruto de tua terra…’

[1] Ex 23:33 – 300 º Mandamento negativo: Não deixar idólatras viver em nossa Terra – ‘…Não habitarão em tua terra…’.

[1] Ex 24.11 – contemplaram Elohim ”: Eles não viram de forma física, mas em visão espiritual, leia Êxodo 33.20-23, outras fontes de boas traduções; torah viva, bíblia peshita em inglês, bíblia TEB, bíblia hebraica e bíblia do peregrino. Todas essas bíblias usaram a palavra “contemplar”. Leia mais: ” Elohim não é homem…” (Números 23:19) “…porque eu sou Elohim, e não homem…” (Oséias 11:9)

[1] Ex 25:16 – 332 º Mandamento negativo: Não tirar os panos da Arca – ‘…não serão tirados dela…’.

[1] Ex 28:2 – 33º Mandamento positivo: Vestir os cohanim (kohanim da casta aarônica) para o Serviço Sagrado roupas sacerdotais – ‘… que tenhas roupas de santidade…’

[1] Ex 30:9 – 328 º Mandamento negativo: Não oferecer incenso nem sacrificar no Altar de Ouro – ‘…não fareis subir a ele incenso estranho…’.

[1] Ex 30:32 – 329 º Mandamento negativo: Não fazer segundo a fórmula do óleo de unção – ‘…segundo sua fórmula não fareis…’.
Ex 30:32 – 330 º Mandamento negativo: Não ungir com o óleo de unção ao estranho – ‘sobre a carne de pessoa alguma será derramado…’.

[1] Ex 30:37 – 331 º Mandamento negativo: Não preparar segundo a fórmula do incenso – ‘…segundo sua fórmula não fareis…’.

[1] Ex 29: 40 – “him”: Equivalente a seis litros e dois decilitros.

[1] Ex 30:13 – 171 º Mandamento positivo: Dar a metade de um siclo (‘shêqel’ – dinheiro da época da Torá) a cada ano.

[1] Ex 30:31 – 35º Mandamento positivo: Ungir aos Cohanim Gedolim (lit.: sumos-kohanim) e aos reis com óleo de unção – ‘…óleo de unção santa…’

[1] Ou “festa para D-us”

[1] Ex 34:20 – 81 º Mandamento positivo: Redimir o 1º dentre os nascidos da besta – ‘…redimí-lo-ás com um carneiro…’
Ex 34:20 – 82 º Mandamento positivo: Decapitá-lo, caso não o redima – ‘…se não o redimires, decapitá-lo-ás.’

[1] Ex 34:21 – 135 º Mandamento positivo: Descansar do trabalho da terra – ‘…de arar e colher, descansarás…’

[1] Lv 1:3 – 63 º Mandamento positivo: Feitio do sacrifício” olá’ – ‘Se for seu sacrifício ‘olá…’

[1] Lv 2:1 – 67 º Mandamento positivo: Feitio do sacrifício ‘minchá’ – ‘E a alma que apresentar sacrifício minchá …’

[1] Lv 2:13 – 62 º Mandamento positivo: Salgar todos os sacrifícios – ‘Sobre todo sacrifício, sal…’

[1] Lv 4:13 – 68 º Mandamento positivo: Trazer ao Bet Din um sacrifício, caso hajam cometido um erro na promulgação de alguma toráh – ‘Se todo o povo de Israel errar…’

[1] Lv 5:1 – 69 º Mandamento positivo: Apresentar a pessoa que transgrediu um mandamento negativo sobre o qual incorre em pena de ‘carêt’, caso haja transgredido inconscientemente – ‘quanto à alma que errar…’.
Lv 5:1 – 178 º Mandamento positivo: Testemunhar no tribunal quem tiver testemunho de algo – ‘…e ele é testemunha, ou viu ou soube…’.

[1] Nm 5:2 – 31º Mandamento positivo: Enviar os impuros do meio do acampamento da ‘Shekhiná’, isto é, do Templo – ‘Enviarão do acampamento todo o que tenha ‘tzará’at’ e todo o que tenha fluxo, e todo o que esteja impuro…’

[1] Lv 5:1-11 – 72 º Mandamento positivo: Sacrifício ”olê veiorêd’ – ‘Caso não alcance sua mão…’

[1] Lv 5:17, 18 – 70 º Mandamento positivo: Apresentar a pessoa que tem dúvida se transgrediu um mandamento negativo sobre o qual deveria trazer um sacrifício ‘chatát’, sendo este o chamado ‘asham talúi ‘- ‘E não soube, e achou-se culpado…trará seu sacrifício asham’
Lv 5:17 – 118 º Mandamento positivo: Pagar o que inconscientemente transgrediu o mandamento que proíbe a utilização de coisas santificadas seu valor estabelecido na Torá, acrescendo ao valor sua quinta parte – ‘…o que tirou do que é santificado, pagará…

[1] Lv 6:3 – 30º Mandamento positivo: Levantar o resquício do carvão queimado de sobre o altar – ‘…erguerá a cinza…’

[1] Lv 6:6 – 29º Mandamento positivo: Esh tamid (Fogo contínuo) – ‘Fogo contínuo estará aceso sobre o altar; não se apagará.’ – (Vayikra – Levíticos 6:6). Os Cohanim são ordenados a manter o fogo aceso no altar, todos os dias, constantemente.
Lv 6:6 – 329
º Mandamento negativo: Que não se apague o fogo de sobre o Altar – ‘…fogo perpétuo arderá sobre o Altar, não se apagará…’.

[1] Lv 6:9 – 88 º Mandamento positivo: Comer os cohanim os restojos do sacrifício minchá – ‘Suas sobras comerão Aharon e seus filhos…’

[1] Lv 6:13 – 40 º Mandamento positivo: Apresentar o Cohen Gadol ‘Minchá’ (oferta) a cada dia – ‘…Esta é a oferta de Aharon e de seus filhos…’

[1] Lv 6:18 – 64 º Mandamento positivo: Feitio do sacrifício ‘hatát’ – ‘Esta é a toráh do sacrifício hatát…’

[1] Lv 7:1 – 65 º Mandamento positivo: Feitio do sacrifício ‘acham’ – ‘Esta é a toráh do sacrifício acham…’

[1] Lv 7:17 – 91 º Mandamento positivo: Queimar o resto dos sacrifícios – ‘…o que ficar da carne do sacrifício, no 3º dia queimar-se-á…’

[1] Lv 7:19 – 90 º Mandamento positivo: Incinerar a carne dos sacrifícios que se impurificou – ‘…quanto à carne na qual toque qualquer impuro…’

[1] Lv 7: 23 – “gordura – חֵלֶב”: A palavra “chelev” significa: Gordura, sebo ou fartura. A tradução adequada se dará conforme o contexto. O Eterno proíbe o ser humano fazer da gordura(sebo) animal sua alimentação. Ver Ex. 29: 13. Segundo uma pesquisa feita pela Journal of the American Medical Association (JAMA) Internal Medicine. Afirma que gordura animal, faz mal ao organismo humano.

[1] Lv 10:9-11 – 321 º Mandamento negativo: Que não entre ao Templo nem declare uma resolução legislativa da Torá alguém que haja tomado vinho – ‘…vinho e bebida forte não tomareis ao vir ao Tabernáculo…’ – ‘…e para ensinar aos filhos de Israel…’.

[1] Lv 11:2 – 149 º Mandamento positivo: Verificar sinais dos animais, discernindo entre o puro e o impuro – ‘…esses serão os animais que serão comidos…’

[1]Lv 11:9 – 152 º Mandamento positivo: Verificar sinais dos peixes, discernindo entre o puro e o impuro – ‘Estes comereis, de tudo quanto há nas águas…’

[1] Lv 11:21 – 151 º Mandamento positivo: Verificar sinais dos gafanhotos, discernindo entre o puro e o impuro

[1] Lv 11:29 – 96 º Mandamento positivo: Serem oito os seres impurificadores – ‘Estes serão para vós impuros…’

[1] Lv 11:34 – 97 º Mandamento positivo: Serem os alimentos aptos para receber impureza – ‘…de todo alimento…’

[1] Lv 11:39 – 95 º Mandamento positivo: Ser impuro todo o que tocou em ‘nevelá’ – ‘quando morrer algum animal…’

[1] Lv 12:3 – 215 º Mandamento positivo: Circuncidar o filho – ‘…no dia 8º, cortará a carne de seu prepúcio.’

[1] Lv 12:6 – 77 º Mandamento positivo: Apresentar a parturiente um sacrifício após estar purificada – ‘Ao completar-se os dias de sua purificação…’

[1] Lv 13:45 – 112 º Mandamento positivo: Estar o ‘metzor’á reconhecido por todos através das coisas que estão ditas a seu respeito: suas roupas estarão descosturadas, sua cabeça estará pelada, e deverá cobrir o rosto até o bigode com sua veste, devendo gritar: ‘tamê, tamê! ‘ (‘impuro, impuro!’).

[1] Lv 14:2 – 110 º Mandamento positivo: Ser a purificação da ‘tzará’at’, tanto de seres humanos como de casas, por intermédio de madeira de cedro, hissopo, ‘shani tolá’at’ e dois passarinhos e água viva – ‘Esta é a toráh do ‘metzor’á:…’

[1] Lv 14:9 – 111 º Mandamento positivo: Estar o ‘metzor’á totalmente depilado – ‘Será que no 7º dia, depilar-se-á …’

[1] Lv 14:10 – 76 º Mandamento positivo: Apresentar o ‘metzorá ‘ um sacrifício após estar purificado – ‘…no dia 8º, tomará…’

[1] Lv 15:2 – 316 º Mandamento negativo: Que não entre um cohen ao Santuário em qualquer momento – ‘…não virá a qualquer momento ao Santuário’.

[1] Lv 16:3 – 49 º Mandamento positivo: Realizar trabalho especial no Templo no dia de kipur (expiação) – ‘Com isto virá Aharon ao Santuário: com um novilho…’

[1] Lv 15:13 – 74 º Mandamento positivo: Apresentar o ‘zav’ um sacrifício após estar purificado – ‘Quando estiver purificado o ‘zav’…’

[1] Lv 15:28 – 75 º Mandamento positivo: Apresentar a ‘zavá’ um sacrifício após estar purificada – ‘Se estiver purificada…’

[1] Lv 16:31 – 165 º Mandamento positivo: Descansar no dia deste jejum.

[1] Lv 17:13 – 147 º Mandamento positivo: Cobrir o sangue de animais campestres e da ave com terra, após a degola – ‘…cobrindo-o com terra…’

[1] Vaycra 18.3 – “Não fareis segundo as obras da terra do Mitzraim”: Os servos de Elohim não podem imitar as práticas sexuais do Egito e de outras nações. O Eterno deu ao povo israelita leis para santificar Israel.

[1] Lv 18:21 – 255 º Mandamento negativo: Não fazer passar o filho sobre o fogo para Môlekh – ‘…de tua semente, não dareis a Môlekh.’.

[1] Lv 19:4 – 251 º Mandamento negativo: Não fazer objetos de idolatria, mesmo que seja para outros – ‘…elohim de imagens, não fareis…’.
Lv 19:4 – 258 º Mandamento negativo: Não dirigir-se à idolatria – ‘Não vos dirigireis aos ídolos…’.

[1] Lv 19:15 – 177 º Mandamento positivo: Equiparar os indivíduos a serem julgados em questões pendentes entre si quando se encontrem perante o tribunal – ‘…com justiça julgarás…’

[1] Lv 19:17 – 205 º Mandamento positivo: Amar todos os filhos do pacto – ‘Amarás a teu irmão como a ti mesmo…’
Lv 19:17 – 206 º Mandamento positivo: Exortar ao que erra – ‘…exortarás a teu irmão sem levar sobre ti culpa por ele…’

[1] Lv 19:21 – 257 º Mandamento negativo: Não fazer trabalho de ‘ide’oni’ – ‘…e, aos ‘ide’onim’ …’.

[1] Lv 19:24 – 119 º Mandamento positivo: Ser todo o produto de plantação sagrado em seu quarto ano neta’ revá’i – ‘…será todo seu fruto santidade de louvores…’

[1] Lv 19:26 – 282 º Mandamento negativo: Não adivinhar – ‘…e não adivinhareis’.

[1] “Não cortem o cabelo nas laterais”: לֹא תַקִּפוּ פְּאַת רֹאשְׁכֶם | וְלֹא תַשְׁחִית אֵת פְּאַת זְקָנֶךָ

Lv 19:27 – 292 º Mandamento negativo: Não cortar o cabelo arredondado, tirando as porções que se encontram na parte dianteira às orelhas (‘peôt’), que era o costume dos kohanim idólatras da antiguidade.
Lv 19:27 – 293
º Mandamento negativo: Não tirar toda a barba, conforme faziam os idólatras no passado.

[1] Lv 19:28 – 290 º Mandamento negativo: Não escrever sobre o corpo, conforme fazem os idólatras – ‘…tatuagens, não fareis sobre vós…’.

[1] Lv 19:31 – 256 º Mandamento negativo: Não fazer trabalho de ôv – ‘Não dirigir-te-ás aos ‘ovôt’ …’.

[1] Lv 19:32 – 209 º Mandamento positivo: Honrar aos sábios da Torá – ‘…diante da velhice, levanta-te…’

[1] Lv 20:10 – 227 º Mandamento positivo: Matar o Sanedrin os condenados por enforcamento – ‘…morrerão o adúltero e a adúltera…’.

[1] Lv 20:14 – 228 º Mandamento positivo: Matar o sanedrin por fogo – ‘…em fogo queimarão tanto a ele como a elas…’.

[1] Vaycrá 20.18 – “no tempo da enfermidade dela”: Hemorragia ou outra doença ligado a genitália.

[1] Vaycrá 20.21 – “sem filhos ficarão”: A possível punição era a retirada dos filhos ao nascer.

[1] Vaycrá 20.23 – “não andareis nos costumes dos povos”: Não podemos seguir os costumes das nações, não podemos nos misturar em suas práticas e festas, nada contrário as ordens de Elohim deve ser seguido. Cuidado com as festas de fim de ano.

[1] Vaycrá 20.27 – “consultar os mortos”: Não é porque a torah diz que é proibido consultar os mortos que eles de fato tenham consciência. A proibição é para não imitar os costumes pagãos (Vaycrá 20.23). O Eterno deseja que nós o consultemos e só a ELE e a ninguém mais. Alguns alegam com esse versículo atesta, que os mortos podem ter consciência, porque do contrário Elohim não teria proibido, mas isso é um delírio. Se pensarmos que os mortos podem ter consciência apenas porque Elohim proíbe a necromancia, então os deuses de fato existem fora da imaginação humana, já que Elohim proíbe adoração aos deuses criados na mente humana. Mas sabemos que não existe nenhum deus, só Elohim, ele mesmo disse: “…nenhum outro há senão ele.” Dt 4.35. Os mortos não têm consciência, portanto a proibição não é por isso, mas para não imitar práticas idolatras e pagãs das nações. Você não pode dizer que os deuses de fato existem fora da imaginação humana devido o mandamento de não os adorar. Deuteronômio 4:35, 39.

 

[1] Lv 21:3 – 37º Mandamento positivo: Impurificar-se os cohanim (lit.: kohanim – desc. da casta aarônica) por seus familiares, enlutando-se por eles, assim como os demais filhos de Israel, que são ordenados sobre o luto – ‘…Por ela se impurificará.’

[1] Lv 21:6 – 323 º Mandamento negativo: Que não trabalhe um cohen que haja feito imerso enquanto não haja entrado o sol – ‘…e não profanarão…’.

[1] Lv 21:8 – 32º Mandamento positivo: Honrar aos descendentes de Aharon, dando-lhes o 1º lugar em todo assunto de santidade – ‘Portanto, o santificarás…’

[1] Lv 21:13 – 38º Mandamento positivo: Casar-se o Cohen Gadol (lit.: sumo-sacerdote) somente com virgem – ‘…Ele tomará para si uma moça virgem.’

[1] Lv 21:17 – 318 º Mandamento negativo: Que não trabalhe um cohen defeituoso no Templo – ‘…que tenha algum defeito…’.

[1] Lv 21:18 – 319 º Mandamento negativo: Que não trabalhe no Templo o Cohen que tenha um defeito passageiro – ‘…todo homem que tiver algum defeito não se aproxime…’.

[1] Lv 21:23 – 317 º Mandamento negativo: Que não entre um cohen defeituoso do Altar para dentro – ‘…não virá ao ‘parôkhet’.

[1] Lv 22:2 – 323 º Mandamento negativo: Que não trabalhe um cohen impuro – ‘…se abstenham dos ‘qodashim’ dos filhos de Israel…’.

[1] Lv 22:21 – 61 º Mandamento positivo: Serem todos os animais a serem sacrificados sem defeito – ‘sem defeito serão…

[1] Lv 22:27 – 60 º Mandamento positivo: Serem todos os sacrifícios de animais a partir do 8º dia – ‘Do 8º dia, em diante …’

[1] Lv 22:32 – 9º Mandamento positivo: Kidush HaShem (Santificar Seu nome) – ‘…Santificar-me-ei no meio dos filhos de Israel…’
Lv 22:32 – 311
º Mandamento negativo: Não profanar o nome do Santo, Bendito é Ele – ‘…Não profanareis meu Santo Nome…’.

[1] Lv 23:10 – 44 º Mandamento positivo: Apresentar a ‘minchá’ (oferta) do ‘omer no dia seguinte ao 1º dia do ‘Pêssach’ com um carneiro – ‘…Trareis o ‘omer…’

[1] Lv 23:15 – 161 º Mandamento positivo: Contar desde o 1º dia de colheita do ‘ômer 49 dias – ‘Contareis para vós no dia seguinte…’

[1] Lv 23:17 – 46 º Mandamento positivo: Trazer o pão com os sacrifícios a ser apresentados no dia de ‘atzêret – ‘Desde vossas habitações, trareis…’

[1] Lv 23:21 – 162 º Mandamento positivo: Descansar no quinquagésimo dia após o 1º dia de pessach – ‘…declarareis esse mesmo dia…’

[1] Lv 23:24 – 163 º Mandamento positivo: Descansar no 1º dia do 7º mês (rôsh ha-shaná) – ‘…no 1º do mês, será para vós…’

[1]  Lv 23.27 “afligireis as suas almas”: Para melhor compreensão do que é afligir a alma leia Isaías 58:

Disse hwhy : Vocês sabem qual é o jejum que eu aprecio? Que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as cordas do jugo, E que deixes ir livres os oprimidos, e despedaces todo jugo. 7 É também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desamparados. Que vendo o desnudo, o cubras, e não te escondas da tua carne. 8 Então romperá a tua luz como a alva e a tua cura brotará apressadamente; a tua justiça irá adiante de ti, e a grandeza de  hwhy será a tua retaguarda. 9 Então clamarás, e  hwhy te responderá; gritarás, e ele dirá: Aqui estou. Se tirares do meio de ti o jugo, o apontar do dedo, e o falar iniquamente; 10 e se abrires a tua vida ao faminto, e fartares o aflito; então a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio-dia.

 

A palavra hebraica “עִנִּיתֶ֖” que deriva da palavra עֳנִי `oniy, tem uma conotação de afligir o espírito, deprimir a alma (vida), passagens de referência: Lv 16:31, Lv 23:27, Lv 23:32, Nm 29:7, Dt 21.14 (עִנִּי), Sl 90.15 (עִנִּי) Sl 119.75 (עִנִּי). Em todas essas passagens a palavra, `oniy não significar jejuar, mas o jejum pode ser aplicado como forma física e simbólica de tristeza, aflição ou deprimir, mas o real sentido está baseado em Isaías 58 que nos remonta a aflição espiritual para o arrependimento sincero.

[1] Lv 23:35 – 166 º Mandamento positivo: Descansar no 1º dia da festividade de sucôt (cabanas) – ‘…no 1º dia…’

[1] Lv 23:36 – 167 º Mandamento positivo: Descansar no 8º dia desta festividade – ‘…o 8º dia, será…

[1] Lv 23:40 – 169 º Mandamento positivo: Levantar (nesta festividade) por suas mãos as quatro espécies (‘netilat lulav’ ), que são: folhas de tamareira, folhas de salgueiro, folhas de mirta e uma cidra (o fruto).

[1] Lv 23:42 – 168 º Mandamento positivo: Habitar na ‘sucá'(cabana) por sete dias.

[1] Lv 25:8 – 140 º Mandamento positivo: Contar os anos de ‘iovel’ (quinquagésimo ano) e ‘shemitá’ (sétimo ano) – ‘…contarás para ti sete…’

[1] Lv 25:9 – 137 º Mandamento positivo: Fazer soar o toque do shofar ao quinquagésimo ano – ‘…fareis passar shofar…’

[1] Lv 25:10 – 136 º Mandamento positivo: Santificar o quinquagésimo ano com descanso, como o 7º – ‘…santificareis o ano quinquagésimo…’

[1] Lv 25:24 – 138 º Mandamento positivo: Redimir a terra no ano quinquagésimo – ‘… em toda a terra…’

[1] Lv 25:29 – 139 º Mandamento positivo: Ser o redimir das casas construídas em cidades muradas até um ano – ‘E, o homem que vender sua casa…’

[1] Lv 25:46 – 235 º Mandamento positivo: Escravizar o escravo cananeu para sempre – ‘…para sempre os dominareis para escravidão…’.

[1] Lv 26:1 – 260 º Mandamento negativo: Não preparar uma pedra para colocar sobre ela a cabeça quando orar (êven maskit’) – ‘ ‘Even-maskit’ não colocareis em vossa Terra…’.

[1] Lv 27:2 – 114 º Mandamento positivo: (Promessa ao Templo) Dar o que valorizou certa pessoa sobre outra ou sobre si mesma, o preço que valha a pessoa de acordo com o que está na Torá – ‘O homem que jurar…’

[1] Lv 27:11 – 115 º Mandamento positivo: (Promessa ao Templo) Dar o que valorizou determinado animal impuro, seu valor, de acordo com o preço estabelecido na Torá – ‘…apresentará o animal…’

[1] Lv 27:14 – 116 º Mandamento positivo: (Promessa ao Templo) Dar sobre a própria casa o que avaliou o cohen – ‘…estabelecerá o cohen seu valor…’

[1] Lv 27:16 – 117 º Mandamento positivo: (Promessa ao Templo) Aquele que ofereceu seu campo para o Santuário, que dá seu valor de acordo com o estabelecido na Torá – ‘…será seu valor de acordo com sua sembra…’

[1] Lv 27:30 – 127 º Mandamento positivo: Separar a dízima de cada fruto da colheita (‘ma’asser levi’) para o levita – ‘…toda a dízima da terra…’

[1] Lv 27:32 – 78 º Mandamento positivo: Dizimar os animais – ‘Toda dízima de bois e rebanhos…’

[1] Lv 27:33 – 87 º Mandamento positivo: Ser sagrado o substituto do sacrifício – ‘…será que ele e seu substituto serão sagrados…’

[1] Nm 5:3 – 324 º Mandamento negativo: Que não entre um sacerdote impuro ao átrio – ‘…e não profanarão seu acampamento…’.

[1] Nm 5:6 – 73 º Mandamento positivo: Confessar perante Elohim por toda transgressão que haja realizado, tanto no momento do sacrifício como não no momento do sacrifício – ‘E confessarão sua transgressão…’

[1] Nm 5:30 – 223 º Mandamento positivo: Fazer com a ‘sotá’ (mulher sobre a qual recai suspeita de adultério) conforme o escrito na Torá – ‘…fará a ela o cohen…’

[1] Nm 6:5 – 92 º Mandamento positivo: O ‘nazir’, que deixe crescer seu cabelo – ‘…deixará crescer o cabelo de sua cabeça…’

[1] Nm 6:9 – 93 º Mandamento positivo: Raspar o ‘nazir’ sua cabeça ao trazer seu sacrifício, completando seus dias de ‘nazir’, ou dentro deles, caso haja-se impurificado – ‘…caso morra sobre ele alguém de sua família…’

[1] Nm 6:23 – 26º Mandamento positivo: Um dos auges da oração em público é a Bênção dos Cohanim, quando estes sobem a frente da Arca Sagrada e abençoam o público. Devemos ressaltar que quem está dando a bênção é Elohim, e os Cohanim são os mensageiros. A bênção é: “ Elohim te abençoe e te proteja. Elohim faça Sua face brilhar sobre ti e seja gracioso para contigo. Elohim levante Sua face para ti e te dê paz.” – ‘Fala a Aarão e a seus filhos, dizendo: Assim abençoareis aos filhos de Yisrael;’

[1] Nm 7:9 – 34º Mandamento positivo: Transportar a arca sobre o ombro, quando necessitar ser transportada – ‘Sobre o ombro o levarão …’

[1] Nm 9:11 – 57 º Mandamento positivo: Fazer o segundo Pêssach – ‘No 2º mês, no dia catorze…’

Nm 9:11 – 58 º Mandamento positivo: Comer o segundo Pêssach com ‘matzá’ (pão ázimo) e ‘maror’ (erva amarga) – ‘Com ‘matzôt’ e com ‘merorim’ comé-lo-ão…’

[1] Nm 10:10 – 59 º Mandamento positivo: Fazer soar as Trombetas a cada sacrifício e nos períodos de angústia – ‘…e tocareis as trombetas…’

[1] Nm 11.28 – “um dos seus jovens escolhidos”: Moshe tinha outros discípulos uma seleção das doze tribos de Israel.

[1] Nm 13: 33 – “nefilins”: Gn 6: 4, havia após o dilúvio homens gigantes na terra.

[1] Nm 15:20 – 133 º Mandamento positivo: Separar a ‘halá’ – parte da massa dos cereais – para o cohen – ‘Da primícia de vossa farinha…’

[1] Nm 15:39 – 296 º Mandamento negativo: Não seguir o sentir do coração, ou após o que os olhos vêem – ‘…não seguireis após vossos corações e após vossos olhos…’.

[1] Nm 16: 28 – “ não as tenho feito de mim mesmo”: Moshe com sua humildade e santidade reconhece que era impotente para realizar qualquer milagre e que todas as maravilhas e a escrita da toráh, eram feitas por vontade do Soberano. Tudo o que, o sagrado profeta Moshe fez foi Elohim (Louvado seja) agindo nele.

 

[1] Nm 18:2 – 22º Mandamento positivo: Vigiar o Templo sempre — ‘…Tu, e contigo, teus filhos, diante da Tenda do Testemunho…’

[1] Nm 18:4 – 322 º Mandamento negativo: Que não trabalhe um estranho no Templo – ‘…e estranho não aproximar-se-á de vós…’.

[1] Nm 18:5 – 315 º Mandamento negativo: Não deixar sem guarda o Templo – ‘guardareis a vigília sagrada…’.

[1] Nm 18:15 – 80 º Mandamento positivo: Redimir todo primogênito humano – ‘…redimirás todo primogênito…’

[1] Nm 18:23 – 23º Mandamento positivo: Trabalhar o levita no Templo – ‘Trabalhará o levita…’

[1] Nm 18:27 – 129 º Mandamento positivo: Estarem os levitas separando a dízima do que foi recebido por eles dos demais israelitas, entregando-a ao cohen – ‘…quanto aos levitas, dirás…’

[1] Nm 19: 02 – “israelitas”: Filhos de Israel ou Israelitas

[1] Nm 19:9 – 113 º Mandamento positivo: Fazer com que esteja pronta para o uso a cinza da vaca vermelha – ‘Será para a congregação dos filhos de Israel…’

[1] Nm 20: 11 – “e feriu a rocha duas vezes com a sua vara, e saiu água copiosamente”: Moshe faz dois furos na grande rocha e de cada furo seis córregos de água, no total foram doze córregos. Naquele dia mais de 2 milhões de hebreus saciaram a sede.

 

[1] Nm 22: 04 – “Midyam”: Midiã, os midianitas são descendentes diretos de Avraham com Qentura.

[1] Nm 24:1 – 222 º Mandamento positivo: Divorciar por documento – ‘…escreverá para ela…’

[1] Nm 25: 4 – “roshim”: Cabeças.

[1] Nm 25: 4 – “enforca-os”: O Eterno executou sua ira. Ele pediu para o profeta Moshe enforcar os líderes das tribos, porque eles foram os responsáveis por permitir que o povo adorasse outros elohim. É proibido para um servo do Elohim participar de liturgias idolatras ou mesmo entrar num templo idolatra.

[1] Nm 25: 05 – “Baal-Peor”: O senhor de Peor, um deus do sexo. Israel adorou o deus dos moabitas através do sexo ilícito, homens com homens, mulheres com mulheres, homens casados em adultério, mulheres casadas em adultério e homens com animais. Para adorar o deus Quemós o sexo era necessário. Núm 25: 1-18; De 4: 3; Sal 106: 28; Os 9: 10; Re 2: 14, I Reis 11: 07

[1] Nm 27:11 – 248 º Mandamento positivo: Julgar os casos de herança da Terra: ‘Quando morrer um homem, e não tiver filho…’.

[1] Nm 28:3 – 39 º Mandamento positivo: Sacrificar todos os dias os sacrifícios chamados ‘tamid’ – (isto é, sacrifícios obrigatórios cotidianos – um pelo amanhecer, outro pelo entardecer -) ‘…Dois por dia, imolação perpétuo…’

[1] Nm 28:9 – 41 º Mandamento positivo: Acrescentar um sacrifício a cada Shabát – ‘…no dia de Shabát, dois carneiros …

[1] Nm 28:11 – 42 º Mandamento positivo: Acrescentar um sacrifício a cada ‘rôsh chôdesh’ – ‘e no dia 1º de teus meses…’

[1] Nm 28:26 – 45 º Mandamento positivo: Aumentar um sacrifício no dia de ‘atzêret – ‘E no dia das primícias…’

[1] Nm 29:1 – 47 º Mandamento positivo: Aumentar um sacrifício em Rosh ha-Shaná – ‘No 7º mês, no dia primeiro…’
Nm 29:1 – 170 º Mandamento positivo: Ouvir o toque do shofar em rosh ha-Shaná – ‘…dia de sonido de shofar será para vós…’

[1]Nm 29:7, 8 – 48 º Mandamento positivo: Aumentar um sacrifício no dia do jejum, i.e., no dia de kipur (expiação) – ‘No 10º dia do 7º mês…’

[1] Nm 29:13 – 50 º Mandamento positivo: Aumentar um sacrifício na festividade de Sucôt – ‘Apresentareis um sacrifício ‘olá…’

[1] Nm 29:35 – 51 º Mandamento positivo: Acrescentar um sacrifício no dia de Shemini ‘Atzêret, por ser uma festa à parte – ‘No dia 8º…’

[1] Nm 35:2 – 183 º Mandamento positivo: Dar aos levitas cidades para que nelas habitem, sendo também elas refúgio – ‘…darão aos levitas cidades…’

[1] Nm 35:25 – 225 º Mandamento positivo: Enviar para o exílio numa das cidades de refúgio o assassino não intencional, morando lá até o falecimento do Cohen Gadol – ‘…viverá nela até morrer o Cohen…’

[1] MP1. O 1º preceito dentre os preceitos positivos: saber que existe a Divindade, conforme está escrito: ‘Eu sou Eterno, teu Elohim …’ – Ex 20: 2; Dt 5: 6.

[1] Dt 5: 11 – “em falsidade”: Outras bíblias traduziram por “em vão”.

[1] Dt 5: 17 – “não assassinarás”: outras bíblias trazem “não matarás”, no hebraico “תִּרְצָח – Tiretsach” que significa claramente: “assassinar” e não “matar”.

[1] Dt 6:4 – 2º Mandamento positivo: Proclamar Sua unidade – O ‘Eterno é nosso Elohim, O Eterno é um’.

[1] – Dt 6: 4 – “um”: Em outras bíblias a palavra usada para traduzir “echad” do hebraico é “único”. Portanto essa tradução é errada. No hebraico a palavra original é “echad” que significa “um” de forma quantitativa e não qualitativa. “Yachid” que significa “único” é uma conotação de qualidade e não quantidade. Portanto a melhor tradução da palavra hebraica “echad” é “um”.

[1] Dt 6:5 – 3º Mandamento positivo: Amá-Lo – ‘Amarás Elohim teu Elohim …’

[1] Dt 6:7 – 10º Mandamento positivo: Recitar o ‘Shemah Israel’ duas vezes a cada dia – ‘…falarás nelas, ao te deitares e ao te levantares.’

[1] Dt 6:7 – 11º Mandamento positivo: Estudar a Torá, e ensiná-la – ‘As ensinareis a teus filhos…’

[1] Dt 6:8 – 12º Mandamento positivo: Prender as instruções na fronte – ‘…e serão por filactérios entre os teus olhos’

[1] Dt 6:8 – 13º Mandamento positivo: Prender as instruções pela força – ‘E as atarás como sinal na tua mão…’

[1] Dt 6:9 – 15º Mandamento positivo: Colocar mezuzá (pergaminho contendo as duas primeiras partes do ‘Shemah Israel’) nos umbrais das portas.

[1] Dt 6:13 – 4º Mandamento positivo: Temê-Lo – ‘AELOHIM teu Elohim, temerás…’

[1] Dt 6:16 – 312 º Mandamento negativo: Não por a prova a palavra de Elohim – ‘Não provareis ao Elohim vosso Elohim …’.

[1] Dt 7:2 – 297 º Mandamento negativo: Não fazer pacto com nenhum dos sete povos que habitavam outrora a Terra de Israel – ‘…Não fareis pacto com eles…’.
Dt 7:2 – 299 º Mandamento negativo: Não ter piedade dos idólatras – ‘…Não tereis piedade deles…’.

[1] Dt 7:3 – 300 º Mandamento negativo: Não casar-se com os idólatras – ‘…Não vos casareis com eles…’.

[1] Dt 7:21 – 306 º Mandamento negativo: Não temerem os homens de guerra quando houver, não ter medo de algum de seus inimigos.

[1] Dt 7:25 – 271 º Mandamento negativo: Não tirar proveito do que pertence ou pertenceu à idolatria – ‘…não desejarás nem o ouro nem a prata que esteja sobre eles…’.

[1] Dt 7:26 – 274 º Mandamento negativo: Não tirar proveito de nenhuma idolatria, nem de seus utensílios, nem do que apresentam diante dela (velas, vinho, hóstias, incenso etc.), nem do vinho despejado em seu altar – ‘…abominação não trareis para tua casa…’.

[1] Dt 8:10 – 18º Mandamento positivo: Escrever o rei um segundo Sêfer Torá para si mesmo, um a mais do que todas as pessoas, para que tenha dois rolos da Torá – ‘…escreverá para si cópia desta Torá…’

[1] Dt 8:10 – 19º Mandamento positivo: Bendizer após o alimento – ‘…comerás, te fartarás, e bendirás…:

[1] Dt 10:20 – 6º Mandamento positivo: Ligar-se; Aproximar-se a Ele – ‘Dele te aproximarás…’

[1] Dt 10:19 – 207 º Mandamento positivo: Amar ao convertido ao pacto – ‘Amarás ao peregrino…’

[1] Dt 10:20 – 7º Mandamento positivo: Jurar em Seu Nome – ‘Em seu nome, jurarás…’

 

[1] Dt 11:18 – “como um sinal em suas mãos”: Significa fazer o maior esforço para obedecer. Assim como diz o mandamento “Com toda a sua força”.

[1] Dt 11:18 – “como uma memória entre os olhos”: Tradução baseada na toráh samaritana. “memorial entre os olhos” significa que os mandamentos no coração é como um memorial entre os olhos, ou seja, nunca poderá ser esquecido.

[1] Dt 12:2 – 185 º Mandamento positivo: Destruir a idolatria e tudo e todo o que lhe for servidor – ‘…destruirás…’

[1] Dt 12:3,4 – 313 º Mandamento negativo: Não destruir o Templo, sinagogas ou casas de estudo de Torá. Similarmente, não apagar os nomes santificados de Elohim, idem escritos sagrados – ‘…destruí-los-á; não fareis assim a Ad’ vosso Elohim !’.

[1] Dt 12:5,6 – 83 º Mandamento positivo: Trazer todos os sacrifícios sobre os quais se obrigara, ou se comprometera no 1º dos três festivais anuais com o qual se deparar – ‘Ali virás, e ali trarás…’

[1] Dt 12: 14 – 84 º Mandamento positivo: Sacrificar todos os sacrifícios unicamente no Templo – ‘Ali farás …’

[1] Dt 12:15 – 86 º Mandamento positivo: Redimir os animais designados a serem sacrificados que tenham algum defeito, para que sejam permitidos para alimentação geral – ‘…conforme todo desejo de tua alma comerás… o puro e o impuro, dela comerá, como se come veado e o cervo’

[1] Dt 12:21 – 146 º Mandamento positivo: Degolar o animal e a ave, para que estejam apropriados para a alimentação – ‘…degolarás de teu gado bovino e ovino…’

[1] Dt 12:26 – 85 º Mandamento positivo: Cuidar do transporte dos sacrifícios do exterior da Terra de Israel, para o Templo – ‘Tão somente tuas cousas santificadas que tiveres, e tuas promessas tomarás, e virás…’

[1] Dt 13: 4 – 277 º Mandamento negativo: Não ouvir o profeta que fala em nome de idolatrias – ‘…não escutarás as palavras daquele profeta…’.

[1] Dt 13:9 – 265 º Mandamento negativo: Não amar o desviador (‘messit’) – ‘…não o quererás…’.
Dt 13:9 – 266 º Mandamento negativo: Não deixar de odiar ao ‘messit’ – ‘…não o ouvireis…’.
Dt 13:9 – 268 º Mandamento negativo: Não livrar o ‘messit’ da morte de forma alguma, mas deixá-lo morrer apesar da possibilidade que possa ter de salvá-lo – ‘…não terás dele piedade…’.
Dt 13:9 – 269 º Mandamento negativo: Não buscar méritos para o ‘messit’, quem foi por ele contatado para servir idolatrias – ‘…Não terás misericórdia dele…’.

[1] Dt 13:12 – 264 º Mandamento negativo: Não desviar nem sequer um filho de Israel após idolatrias (‘messit’).

[1] Dt 13:15 – 179 º Mandamento positivo: Inquirir muitíssimo as testemunhas – ‘Averiguarás e inquirirás, e perguntarás bem…’

[1] Dt: 13:17 – 186 º Mandamento positivo: Matar os habitantes da cidade desviada (‘ir nidáhat) e queimá-la – ‘…e queimarás a cidade por fogo, com tudo o que nela há…’
Dt 13:17 – 189 º Mandamento positivo: Lembrar o que nos fez ‘Amaleq, sempre – ‘Lembra do que te fez ‘Amaleq…
Dt 13:17 – 272
º Mandamento negativo: Não reconstruir qualquer ”ir nidáchat’ (‘cidade desviada para a idolatria’) para que seja como antes – ‘…não será reconstruída…’.

[1] Dt 14:1 – 294 º Mandamento negativo: Não fazer arranhamentos no corpo, por ser costume dos idólatras.

[1] Dt 14:11 – 150 º Mandamento positivo: Verificar sinais das aves, discernindo entre a pura e a impura – ‘Todo pássaro…’

[1] Dt 13:18 – 273 º Mandamento negativo: Não tirar proveito do dinheiro da ‘cidade desviada’ – ‘…não se prenderá à sua mão nada…’.

[1] Dt 18:4 – 126 º Mandamento positivo: Separar ‘terumá guedolá’ – a oferta aos cohanim – de cada fruto da colheita – ‘…o princípio de tua colheita dar-lhe-ás…’

[1] Dt 14:28 – 130 º Mandamento positivo: Separar a dízima de cada fruto da colheita para o pobre nos anos terceiro e sexto (‘ma’asser ‘ani’) em lugar da dízima do levita (‘ma’asser levi’) – ‘…ao fim de cada três anos, tirarás toda dízima de tua colheita…’

[1] Dt 15:2 – 141 º Mandamento positivo: Desfazer-se das dívidas contraídas para consigo no ano 7º – ‘…todo o que emprestou…’

[1] Dt 15:8 – 195 º Mandamento positivo: Dar esmola – ‘Abrirás tua mão…’

[1] “yvri”: hebreu

[1] Dt 15:14 – 196 º Mandamento positivo: Dar presente ao escravo hebreu – bem como à escrava hebréia.

[1] Dt 15:19 – 79 º Mandamento positivo: Separar e sacrificar todo primogênito de animais puros – ‘Todo primogênito…’

[1] Dt 16:14 – 54 º Mandamento positivo: Alegrar-se nos ‘Regalim’ – ‘Alegrar-te-ás em tuas festas…’

[1] Dt 16:16 – 53 º Mandamento positivo: Comparecer nos ‘Regalim’ no Templo – ‘Três vezes ao ano ver-se-á cada um…’

[1] Dt 16:21 – 261 º Mandamento negativo: Não plantar árvores no Templo. Era de costume pagão plantar árvores especialmente para serem adoradas, ou para servir de local de ajuntamento popular idólatra. Tal árvore tem o nome de “asherá” na Torá. – ‘Não plantarás para ti ‘asherá’…’.

[1] Dt 16:22 – 259 º Mandamento negativo: Não levantar lápide própria para idolatria – ‘Não erguereis ‘matzevá’ …’.

[1] Dt 17:9 – 270 º Mandamento negativo: Não calar-se aquele que foi contatado pelo ‘messit’ no que concerne em achar motivos para que seja morto – ‘…não o defendas…’.

[1] Dt 17:11 – 174 º Mandamento positivo: Ouvir tudo o que disser o Bet Din ha-Gadol (Sanedrin) – ‘…de acordo com o juízo que eles te disserem, farás…’

[1] Dt 18:15 – 172 º Mandamento positivo: Escutar tudo o que disser um profeta em qualquer geração, desde que não aumente nem diminua o que está na Torá – ‘…a ele ouvireis…’

[1] Dt 17:16 – 295 º Mandamento negativo: Não habitar na Terra do Egito – ‘…não voltareis mais por este caminho..’.

[1] Dt 17:18 – 176 º Mandamento positivo: Nomear juízes e policiais para toda comunidade israelita – ‘Juízes e policiais…’

[1] Dt 15:2 – 141 º Mandamento positivo: Desfazer-se das dívidas contraídas para consigo no ano 7º – ‘…todo o que emprestou…’

[1] Dt 18:4 – 126 º Mandamento positivo: Separar ‘terumá guedolá’ – a oferta aos cohanim – de cada fruto da colheita – ‘…o princípio de tua colheita dar-lhe-ás…’
Dt 18:4 – 144 º Mandamento positivo: Dar ao cohen a primícia da tosquia – ‘… o princípio de tua tosquia, dar-lhe-ás…’

[1] Dt 18:6-8 – 36º Mandamento positivo: Estar os cohanim (lit kohanim – desc. da casta aarônica) trabalhando no Templo por vigílias, e nos festivais, todos juntos – ‘Quando vier o levita…além das vendas de seu patrimônio.’

[1] Dt 18:11 – 284 º Mandamento negativo: Não fazer ‘hôver’ – e, que é ‘hôver’? -por exemplo, alguém diz: ‘Se você proferir certas palavras assim e assim, a cobra não te fará mal algum!’ – ou que diz palavras inintelegíveis, pensando que aquelas pronunciações servem para algo, tudo isso é ‘hôver’.
Dt 18:11 – 286
º Mandamento negativo: Não consultar ‘ide’oni’ – e, que é ‘ide’oni’? – Alguém coloca na boca um osso de certa ave, acende incenso e faz mais alguns feitios estranhos, até cair como que desmaiado, balbuciando certas palavras.
Dt 18:11 – 287 º Mandamento negativo: Não consultar os mortos através de sonho.

[1] Dt 18:15 – 172 º Mandamento positivo: Escutar tudo o que disser um profeta em qualquer geração, desde que não aumente nem diminua o que está na Torá – ‘…a ele ouvireis…’

[1] Dt 18:20 – 275 º Mandamento negativo: Não profetizar em seu nome – ‘…aquele que falar em nome de outros elohim…’.
Dt 18:20 – 276 º Mandamento negativo: Não profetizar falsamente – ‘…que falar intencionalmente em Meu Nome o que não ordenei…’.

[1] Dt 18:22 – 278 º Mandamento negativo: Não deixar de matar o profeta falso, e não temê-lo – ‘…não o temerás.

[1] Dt 19:3 – 182 º Mandamento positivo: Preparar seis cidades de refúgio para que nelas se refugie o homicida inconsciente – ‘…prepara teu caminho…’

[1] Dt 18:10 – 280 º Mandamento negativo: Não fazer encantos (não fazer truques imaginários, nos quais a pessoa pensa estar vendo algo extraordinário, que na realidade, não ocorreu) – ‘…não se achará em ti…’.
Dt 18:10 – 283 º Mandamento negativo: Não fazer nenhum tipo de feitiço ou magia (branca ou negra) – ‘Não se achará em teu meio… feiticeiro…’.

[1] Dt 19:19 – 180 º Mandamento positivo: Fazer com as falsas testemunhas o que buscaram causar a sua vítima no julgamento – ‘…fareis a ele o que intentou fazer…’

[1] Dt 20:2 – 191 º Mandamento positivo: Ungir um cohen para a guerra – ‘E será, quando te aproximares da guerra, aproximar-se-á o cohen…’

[1] Dt 20:10 – 190 º Mandamento positivo: Fazer a guerra permissiva de acordo com o escrito na Torá – ‘Quando te aproximares de alguma cidade…’

[1] Dt 20:16 – 298 º Mandamento negativo: Não deixar em vida nenhum dos sete povos (os cananeus) que povoaram a Terra de Israel – ‘…Não deixareis viva nehuma alma…’.

[1] Dt 13:17 – 189 º Mandamento positivo: Lembrar o que nos fez ‘Amaleq, sempre – ‘Lembra do que te fez ‘Amaleq…

[1] Dt 20: 19 – 305 º Mandamento negativo: Não destruir árvores frutíferas – ‘…Não destruireis suas árvores…’.

[1] Dt 20:23 – 279 º Mandamento negativo: Não andar de acordo com a forma de andar dos idólatras (costumes, vestimentas etc.), nem segundo suas leis – ‘…não andareis segundo as leis das nações…’.

[1] Dt 21:4 – 181 º Mandamento positivo: Decapitar a novilha conforme seu preceito – ‘…decapitarão a égua junto ao ribeiro…’

[1] Dt 21:11 – 221 º Mandamento positivo: Fazer com a mulher conquistada durante a guerra conforme o que está escrito na Torá – ‘…verás no meio dos presos de guerra uma mulher bonita…’

[1] Dt 21.15 – “esposas”: Tradução literal, esposas – נָשִׁים

[1] Dt 21:23 – 314 º Mandamento negativo: Que não pernoite o crucificado sobre o madeiro – ‘…não pernoitará seu cadáver sobre o madeiro…’.

[1] Dt 22:1 – 204 º Mandamento positivo: Devolver um objeto perdido – ‘devolvê-lo-ás a teu irmão.’

[1] Dt 22: 4 – 203 º Mandamento positivo: Erguer a carga de outro israelita, colocando-a sobre ele, auxiliando-o, bem como sobre seu animal.

[1] Dt 22:5 – 288 º Mandamento negativo: Não vestir a mulher indumentárias próprias para homens, ou enfeites maculinos – ‘Não estará utensílio masculino sobre a mulher…’.
Dt 22:5 – 289
º Mandamento negativo: Não vestir o homem indumentárias próprias para mulheres, ou enfeites femininos – ‘Não estará sobre o homem utensílio feminino…’.

[1] Dt 22:7 – 148 º Mandamento positivo: Enviar do ninho o pássaro-mãe – ‘…enviarás a mãe…’

[1] Dt 22:8 – 184 º Mandamento positivo: Construir um pretil – ‘…construirás um pretil para teu teto…’

[1] Dt 22:11 – 291 º Mandamento negativo: Não vestir ‘sha’átnez’ – vestes compostas de lã e linho, que era o costume dos kohanim das idolatrias da antiguidade – ‘Não vestirás ‘sha’átnez’…’.

[1] Dt 22:12; Nm 15:37-38 – 14º Mandamento positivo: Fazer tzitzit (franjas) – “E falou Elohim a Moshê dizendo: ‘Fala aos filhos de Yisrael e dize-lhes que façam para eles Tzitzit (franjas) sobre as bordas de suas vestes..’”

[1] Dt 22:14 – 229 º Mandamento positivo: Matar o Sanedrin por apedrejamento – ‘…apedrejá-lo-eis…’.

[1] Dt 22:19 – 219 º Mandamento positivo: Ficar o que inventou falsidades sobre sua esposa com ela para sempre, sem direito a divórcio – ‘…não poderá enviá-la por todos seus dias.’

[1] Dt 21:22 – 230 º Mandamento positivo: Pendurar o cadáver daquele que, pela Torah, incorre nesta pena – ‘…pendurá-lo-ás num madeiro…’.

[1] Dt 21:23 – 231 º Mandamento positivo: Enterrar o condenado no mesmo dia – ‘…sepultá-lo-ás naquele mesmo dia…’.

[1] Dt 22:29 – 218 º Mandamento positivo: Quem forçou uma moça a ter relações consigo, tomá-la por esposa – ‘…para ele será por mulher…’

[1] Dt 23:4 – 94 º Mandamento positivo: Cumprir toda pessoa tudo o que houverem pronunciado seus lábios, seja em concernência aos sacrifícios, esmola, e assim por diante – ‘O que saíra de teus lábios, guardarás; e cumprirás’
Dt 23:4 – 301 º Mandamento negativo: Não se case um amonita ou moabita com uma filha de Israel para sempre – ‘…Não virá amonita ou moabita a pertencer ao povo de Elohim …’.

[1] Dt 23:7 – 304 º Mandamento negativo: Não intimar para paz o povo de amon e o povo de moab no momento de guerra, como se faz com as demais nações – ‘…Não buscareis sua paz e seu bem…’.

[1] Dt 23:8 – 302 º Mandamento negativo: Não distanciar os descendentes de Essav (Esaú) da possibilidade de pertencer ao povo judeu a não ser por apenas três gerações – ‘…Não abominareis o idumeu…’.
Dt 23:8 – 303 º Mandamento negativo: Não distanciar os egípcios da possibilidade de pertencer ao povo judeu a não ser por apenas três gerações – ‘…Não abominareis o egípcio…’.

[1] Dt 23:11 – 325 º Mandamento negativo: Que não entre nenhum impuro ao acampamento dos levitas, que é o Monte Moriá após sua escolha por Elohim por todas as gerações – ‘…não virá dentro do acampamento.’.

[1] Dt 23:13 – 192 º Mandamento positivo: Preparar um local no acampamento para necessidades fisiológicas – ‘…um local terás fora do campamento…’

[1] Dt 23:14 – 193 º Mandamento positivo: Preparar um instrumento pequeno para cavar – ‘Uma cunha terás…’

[1] Dt 23: 20 – “alimento (okel)”: Essa palavra foi suprimida em várias bíblias.

[1] Dt 23:21 – 198 º Mandamento positivo: Emprestar para o estrangeiro por juros.

[1] Dt 23:25-26 – 201 º Mandamento positivo: Que possa o assalariado comer durante o tempo em que está empregado – ‘…quando venhas ao parral de teu irmão…’

[1] Dt 24:1 – 213 º Mandamento positivo: Ter relações somente através de ‘qidushin’ – ‘Quando tomar um homem mulher…’

[1] Dt 24.1 – “tomar uma mulher”: Para casamento.

[1]  Dt 24.1 – “imoralidade sexual”: Pecado relacionado a nudez. Em Lv 18:7-21 a palavra ervat aparece relacionada a nudez, para intenção ou desonra sexual. Leia gênesis 9.22-23, 42.9 e 12.

Portanto ao marido era permitido dar a carta de divórcio e repudiar sua esposa. Nessa passagem específica, não há menção a outro motivo para o divórcio.

 

עֶרוָה `ervah (er-vah ‘)

  1. nudez.
  2. A pudenda, desonra relacionada as partes intimas, genitália.
  3. desgraça, mancha.

 

Strong: 06172 ערוה̀ ervah

procedente de 6168; DITAT – 1692b; n. f.

1) nudez, vergonhas, partes pudendas

1a) partes pudendas (com sentido implícito de exposição vergonhosa)

1b) nudez de algo, indecência, conduta imprópria

1c) exposto, desprotegido (fig.)

 

06173  ערוה̀ arvah (aramaico)

corresponde a 6172; DITAT – 2929; n. f.

1) desonra, nudez

1a) desonra (metáfora de nudez)

 

Traduções similares: Torah Viva,

 

[1]  Dt 24.1 – “carta de divórcio”: Um certificado de separação, uma forma de justiça para a mulher comprovando que ela não é impura ou que tenha cometido adultério. Na época muitas mulheres eram repudiadas sem a garantia de poder casar-se novamente.

[1] Dt 24.1 – “dará na mão dela”: Ato formal, provavelmente na frente das testemunhas para provar a intenção de a repudiar.

[1] Dt 24.1 – “retirará de sua casa”: Ato público para que todos possam testemunhar o divórcio.

[1] Dt 24:5 – 214 º Mandamento positivo: Alegrar o noivo sua (nova) esposa por um ano.
Dt 24:5 – 216
º Mandamento positivo: Tomar a esposa do irmão que falecera sem filhos (‘ibum’)

[1] Dt 24:13 – 199 º Mandamento positivo: Devolver o objeto dado como garantia para seu respectivo dono – ‘…devolver-lhe-ás…’

 

 

[1] Dt 25:2 – 224 º Mandamento positivo: Castigar os iníquos com açoites – ‘…derrubá-lo-á o juiz, e o golpeará…’

[1] Dt 25:9 – 217 º Mandamento positivo: Descalçar a mulher do irmão falecido o sapato do que deve tomá-la para si perante um tribunal, caso não aceite tomá-la, deixando-a livre para casar-se com quem quer que seja. – ‘…tirará seu sapato de seu pé…’

[1] Dt 25:12 – 247 º Mandamento positivo: Livrar o indivíduo perseguido de seu perseguidor, mesmo à custa da vida do perseguidor.

[1] Dt 25:19 – 307 º Mandamento negativo: Não deixar passar de nosso coração o mau feitio de ‘Amaleq, conforme nos fez – ‘Não esquecereis…’.

[1] Dt 26:5 – 132 º Mandamento positivo: Recitar sobre as primícias – ‘…responderás, e dirás diante de Ado’nai teu Elohim:…’

[1] Dt 26:13 – 131 º Mandamento positivo: Confessar o ‘vidúi ma’asser’ – ‘…direis perante Ado’nai teu Elohim: ‘-Tirei todo o santificado de casa…’

[1] Dt 27:04 – “monte Gerizim”:

E não Ebal, houve um erro do copista. Fizemos essa restauração do verso baseada no DSS (Pergaminhos do Mar Morto) e na Vulgata Latina. Não faz sentido citar as maldições no monte Eival (Ebal) e depois usá-lo como o monte das brachot. Dt 27:13, Fonte: Karen Winslow, Ph.D., Professor e cadeira, estudos bíblicos e teológicos no Seminário Azusa Pacific

 

[1] Dt 27:12 – “Gerizim”: O monte Gerizim é uma das mais altas montanhas da Cisjordânia, elevando-se a 881 metros acima do nível do mar. Situa-se na parte norte da Cisjordânia, ao sul do monte Eival, do qual é separado por um vale estreito. Na saída ocidental deste vale, está a cidade bíblica de Siquém, atualmente Nablus. O monte Eival chama-se atualmente Yebel et-Tor e é uma montanha parcialmente estéril.

[1] Dt 27:15 – 200 º Mandamento positivo: Pagar o salário do trabalhador a seu tempo – ‘…em seu dia, darás seu pagamento.’

[1] Dt 28:9 – 8º Mandamento positivo: Parecer-se com Ele em suas boas e retas ações – ‘Andareis por seus caminhos…’

 

[1] Dt 31:12 – 16º Mandamento positivo: Reunir o povo para audiência da Torá. Este ritual era cumprido na época do Templo Sagrado no ano seguinte ao ano sabático, no 2º dia da festa de Sucot (Tabernáculos), era trazido um altar de madeira sobre o qual o rei subia para a leitura da Torá. – ‘…Congrega o povo…’

[1] Dt 31:19 – 17º Mandamento positivo: Escrever para si cada pessoa um ‘Sêfer Torá’ – ‘Escrevei para vós mesmos este cântico…’

[1] Juízes 16:28 – “Dê a mim sua atenção especial”: Em outras bíblia: lembrar de mim.

[1] “Aborreço-me”: em outras versões: “arrependo-me”. O Eterno não se arrepende.

[1] 1ª Reis 8.1 – “Shelomoh”: Em outras bíblias foi omitido a repetição do nome de Salomão.

[1] I Reis 13:32 – “Shomron”: Samaria é uma região montanhosa do Oriente Médio, formada pelo Israel bíblico, situado em torno de sua antiga capital, Samaria, e rival do vizinho reino do sul, o reino de Judá. Atualmente situa-se entre os territórios da Cisjordânia e de Israel.

[1] 1ª Reis 17:4 – “comerciantes”: Outras bíblias traduziram por “corvos”. Será que realmente o profeta Eliyahu teria se alimentado dos alimentos transportados por animais impuros? Quem de fato alimentou Elias, os corvos ou os comerciantes? Vamos analisar essa passagem intrigante e importantíssima.

 

É importante destacar que Elias era um profeta e como tal deveria seguir estritamente as regras da toráh (Lv 11.15; Dt 14.14). Por ser um profeta reconhecido por todos, ele estava enquadrado nas regras para ser um profeta (Dt. 18.15-19; 34.10). Ele deveria seguir as leis da toráh, porque se desviasse dela se constituiria um impostor.

 

Analisando 1ª Reais 17:4.

Em 1ª Reais 17:4 encontramos a respectiva palavra hebraica para “corvos”, a palavra: עֹרְבִים / Orevym.

A mesma palavra aparece em Provérbios 22:26, mas não se trata de corvos, mas, comerciantes fiadores, veja o texto: “Não estejas entre os que se comprometem, e entre os que ficam por fiadores (עֹרְבִים / Orevym) de dívidas,”. Também em Neemias 5:3, e novamente não foi traduzido para a palavra “corvos”, leia o texto: “Penhoramos aos fiadores (עֹרְבִים / Orevym) nossas terras, nossas vinhas e nossas casas para conseguir trigo para matar a fome”.
Em outras versões e a opção por tradução;
1ª Reis 17:4 (עֹרְבִים / Orevym): Traduziram por corvos.

Provérbios 22:26 (עֹרְבִים / Orevym):Traduziram por fiadores.

Neemias 5:3 (עֹרְבִים / Orevym): Traduziram por fiadores.

Observe que a mesma palavra teve uma tradução diferente apenas em 1ª Reis 17. Qual teria sido o erro que ocasionou o erro de tradução? Lembramos a todos que na época do profeta Eliyahu a escrita hebraica não possuía os pontos vocálicos, que são os sinais abaixo e acima dos caracteres hebraicos, exemplo: “עֹרְבֵי”.

 

O hebraico clássico.

 

No hebraico clássico não existe os pontos vocálicos (vogais) que foram adicionados pelos massoretas no século nove da era comum. Assim era a escrita: ערבים essa mesma palavra pode ser lida das seguintes maneiras: Orevim, aravim. Orevim significa: comerciantes, fiadores, Aravim significa: Árabes

 

Versos onde a palavra “עֹרְבֵי / Orevey” aparece como “corvos”

 

“Os olhos que zombam do pai, ou desprezam a obediência à mãe, corvos (עֹרְבֵי) do ribeiro os arrancarão e os filhotes da águia os comerão.” Provérbios 30:17

 

Texto onde a palavra arave aparece.

“Deus o ajudou contra os filisteus, contra os árabes (עַרְבִים / Arevim) que viviam em Gur-Baal e contra os meunitas.” 2 Crônicas 26:7

 

[1] 1ª Reis 22:8 – “declara boas palavras”: Em outras versões está: profetiza. A palavra profetizar vem do hebraico “nava” que pode ser traduzido por: anunciar, borbulhar, extravasar palavras ou chamar. Deriva da palavra “navi” a qual é traduzida por, profeta.

[1] “Beit-EL”: Casa de D’us

[1] “Yehudah”: Reino do Sul, com formação de duas tribos; Judá e Bejamim.

[1] “mãe”: Mãe

[1] preceitos”: Mandamentos

[1] “elohim”: Deus, elohim, poderosos ou poderoso.

[1] “Emet”: Verdade

[1] Is 7: 14 – A palavra “Almah” significa “jovem” e não pode ser traduzida por “virgem”. A palavra em hebraico para virgem é “Betulah”. Encontramos a mesma ocorrência na Bíblia de Jerusalém. Gênesis 24: 43 “Ficarei perto da fonte; a jovem [Almah] que vier buscar água, e a quem eu disser: Deixa-me, por favor, beber um pouco da água de teu cântaro, ” BC (Bíblia Católica).

Ocorrência da palavra betulah(בְּתוּלָה)/virgem no tanak (A.T):  Gn 24:16, Ex 22:15, Ex 22:16, Ex 35:35, Ex 38:23, Lv 21:3, Lv 21:13, Lv 21:14, Dt 22:14, Dt 22:15, Dt 22:17, Dt 22:19, Dt 22:20, Dt 22:23, Dt 22:28, Dt 32:25, Js 19:4, Jz 11:37, Jz 11:38, Jz 19:24, Jz 21:12, 2Sm 13:22, Sm 13:18, 1Rs 1:2, 2Rs 19:21, 1Cr 4:29, 2Cr 36:17, Et 2:2, Et 2:3, Et 2:17, Et 2:19, Jó 31:1, Sl 45:15, Sl 78:63, Sl 148:12, Is 23:4, Is 23:12, Is 37:22, Is 47:1, Is 62:5, Jr 2:32, Jr 14:17, Jr 18:13, Jr 31:4, Jr 31:13, Jr 31:21, Jr 46:11, Jr 51:22, Lm 1:4, Lm 1:15, Lm 1:18, Lm 2:10, Lm 2:13, Lm 2:21, Ez 9:6, Ez 23:3, Ez 23:8, Ez 44:22, Jl 1:8, Am 5:2, Am 8:13.

Em Isaias 7.14 a palavra é ‘almah que significa literalmente: jovem.

Ocorrência da palavra ‘almah (עַלְמָה)/jovem no tanak (A.T):  : Gn 24:43, Ex 2:8, Jó 28:11, Jó 28:21, ׃Pv 30:19, Is 7:14

As bíblias que traduziram a palavra ‘almah corretamente: Bíblia de Jerusalém, Biblia TEB, Bíblia do Peregrino, Bíblia Novo Mundo, Bíblia Hebraica, DIDAT (Dicionário Internacional do Antigo Testamento) Bíblia Linguagem de hoje, Bíblia NVT pg 578 comentário “b”.

[1] Is 9: 6 – “seu nome significa”: O rei não tinha um nome próprio com esses significados, mas receberia um nome no ato da coroação. O mesmo ocorreu nas seguintes passagens: 2Sm 7, 9; 1Rs 1, 47; 2Rs 11, 12 e possíveis nomes de coroação em 2Rm 12, 24-25 e 2Rs 15, 27.

[1] Is 9: 6 – “Chefe para sempre”: A palavra אֲבִי / ‘Abiy  no contexto faz alusão a um chefe, comandante e não um pai biológico ou criador. Ver a bíblia do peregrino página 1457.

[1] Is 9: 10 – “sicômoros”: Uma arvore grande que pode alcançar de 10 a 15 metros de altura e pode viver mais de 600 anos, conhecida por: sicômoro-figueira.

[1] Is 13:12 – “estrela da manhã”: O nome “Lúcifer” não existe nas cópias originais. O nome encontrado é “estrela da manhã”. Outras versões traduziram da mesma forma, entre elas: Nova Versão Internacional, Bíblia Hebraica e outras.

 

[1] Isaias 40: 7: Algumas Bíblias traduziram a palavra “ruach” por: vento ou hálito. Mas afinal qual é a melhor tradução? Antes de opinar qual seria a melhor tradução, vamos analisar as que existem.

NVI: “quando o vento do Senhor sopra sobre eles… ” Observe que nessa tradução eles verteram a palavra “ruach” por “vento”. Vamos analisar. Será que uma erva pode secar ao passar um vento? É obvio que não. Fica claro que essa opção não é tão harmoniosa ao texto de Yeshayahu (Isaías) 40: 7. Um vento pode fazer cair uma flor, mas nunca fazer murchar uma planta.

ARIB: “soprando nelas o hálito do Senhor” Observe que essa versão escolheu a palavra “hálito”., seria essa tradução a melhor? Vamos então fazer uma análise.

A palavra “ruach” pode ser traduzida por: Vento, espírito, hálito, estado mental e ação de poder. Mas cada uma dessas opções deve ser escolhida conforme o contexto. Na versão ARIB (Almeida Revisada Imprensa Bíblica) o autor dessa bíblia fez o uso equivocado dessas opções. O Eterno não tem pulmões para que possa exalar seu hálito, por mais que a profecia seja simbólica não podemos usar essas expressões humanas para Elohim. Se a mesma palavra fosse usada para um humano, a melhor tradução seria “hálito”, mas para Elohim, não. Outra opção seria traduzir por: Espírito ou ação de poder. Se a opção for “Espírito” será uma boa escolha, porque podemos entender que a ação poderosa de Elohim está sobre toda a carne (baseando na narrativa do capítulo quarenta de Isaias). Na versão BI (Bíblia Restaurada Israelita) decidimos por deixar como está no original, assim o leitor pode associar a melhor opção segundo o contexto.

 

[1] Is 49.7 – “prostrarão”: Em outras bíblias “adorarão”.

[1] Isaías 53: 01 – “braço”, Elohim não tem braços físicos, a palavra “Zeroa” pode ser traduzida por “força”. Por isso colocamos aspas duplas na palavra “braço” Poderia ser traduzido por “ação forte”.

[1] Isaías 53: 02 – “broto”: ou pode ser traduzido por “rebento”.

[1] Isaías 53: 3 – “conhecido em enfermidades” “חֹלִי (Choly)”Tradução: doença, enfermidade, sofrimento. Passagens onde aparecem a palavra “choly” e sua variante “choleh e chaly” que tem a tradução por “enfermidade” Genesis 48: 1, Dt 7: 15, Ml 1: 13, Is 33: 24

[1] Isaías 53: 04 – “sobre si”: frase não encontrada no hebraico, mas é um acréscimo em outras bíblias.

[1] Isaias 53: 08 – “para eles”: Na maioria das bíblias a expressão é “ele”, mas a palavra hebraica “לָמוֹ – lamô” pode ser usado como plural, veja algumas das sessenta e seis (66) ocorrências onde essa palavra é mencionada: Jó 24: 17, Sal 88: 8, Dt 32: 32, 32: 35, 33: 02, Is 16: 04.

[1] Isaías 53: 10 – “esmagá-lo”: O Eterno desejou assim para fazê-lo reconhecer o erro.

[1] Isaías 53: 10“חֹלִי (Choly)” – A mesma palavra aparece em Isaías 53: 3, “choly” é utilizada para atestar uma enfermidade ou doença, até mesmo um sofrimento derivado de uma enfermidade.

[1] Isaías 53: 10 – “descendência”: em hebraico “זֶרַע – Zera” que significa: descendência, ligado ao fruto do homem. Essa palavra também tem o significado de “esperma” semente do homem que gera a descendência.

[1] Isaías 53: 11 – “sobre si”: Em algumas bíblias aparece essa expressão, porém ela não é encontrada no original hebraico.

[1] Isaías 53: 12 – “despojo”: Recompensas por uma batalha vencida ou sobras de guerra ou bens de conquista adquiridos após o guerreiro ter vencidos a guerra e tomado de seu adversário, que na maioria das vezes está morto ou feito prisioneiro

[1] Isaías 63.11 – “Aquele que pôs neles seu espírito de santidade”: Leia: Nm 11.16-17

[1] Isaías 63.11 – “santidade”: קָדַשׁ qadash (Kadash), sacralidade ou santidade.

[1] Ez 6:2 – “anuncie a palavra”: Literalmente, profetizar.

[1] Ez 21:8 – “anuncie a palavra”: Em outras versões “profetize”, do hebraico “nava”.

[1] “Társis”: Para os hebreus “Társis” representava os confins da terra, como alcance dos olhos. Uma expressão de linguagem para dizer que uma pessoa navegaria até o fim do mundo. Társis não era um lugar específico, mas uma figura de linguagem.

[1] “reconsidere”: outras versões: arrependa.

[1] “reconsidera”: outras versões traduziram por “arrepende”. O Eterno D-us não se arrepende.

[1] Mq 5: 2 – “dias mais longinquos”: Erradamente outras bíblias traduziram por “dias da eternidade”.

[1]  Ag 2.7 – “coisas preciosas”:  Chemdat / חֶמְדַּת, do feminino. Essa palavra aparece 4 vezes na bíblia, e em todas as passagens foi usado para dar o entendimento de preciosidade. Ref. 1ª Samuel 9.20, Ageu 2.7, Daniel 11.38, 2ª Crônicas 36.10.
A palavra hebraica Chemdat / חֶמְדַּת, não faz referência a uma pessoa, mas as riquezas que as nações darão para construir a Casa do Eterno.
Virão ou virá? Conta no hebraico o termo “virão” que está na terceira pessoa no plural. O substantivo traduzido como “coisas preciosas” (Chemdat) está no singular feminino. Portanto a tradução “e o desejado […] virá” está equivocada.

Para ficar claro que o Eterno estava falando de coisas preciosas e não de uma pessoa leia o verso 8 de Ageu capítulo 2; “Minha é a prata, e meu é o ouro, diz  hwhy dos exércitos.”
Traduções similares: Bíblia de Jerusalém, NVI, NVT, bíblia TEB, bíblia do Peregrino, bíblia católica, bíblia hebraica, bíblia judaica,  e bíblia TNM.

[1] Zc 11: 13: “יּוֹצֵר, (Yotser)”: Oleiro, tesoureiro ou forjador.

[1] Ml 3.10 – “bracha”: Pronúncia “brarrá”. Literalmente significa benção.

[1] Sl 1: 2 – “recitar em voz baixa”: Ou medita. A tradição concernente a leitura é que ela deveria ser feita em voz baixa para meditação.

[1] Salmos 13:1 – “atenção”: Em outras bíblias “esquecerás”.

[1] Salmos 23.16 – “cães me rodeiam”: Texto traduzido direto do stuttgartensia hebraico.

 

[1] Salmos 23.1 – “não”: Em outras bíblias, “nada”. É nítido no texto que Davi não estava se referindo a falta de bens materiais, mas a falta de sentir a presença de Elohim. Para compreender leia o versículo quatro. “…não temerei mal algum, porque tu estás comigo…” (lo echsar).

[1] Salmos 30:02 – “estava eu semimorto e minha vida ergueste”: Em outras bíblias “fizeste subir a minha alma do inferno”.

[1] Salmos 82:1 – ver comentário de salmos 82:6.

[1] Salmos 82:6 – “poderosos”: Do hebraico, Elohim.

[1] Salmos 110.4 – “rei da justiça”: Em hebraico arcaico, Melk tsedeq, nós apenas traduzimos a frase e o resultado foi: rei justo.

[1] “Do fruto das tuas entranhas”: Profecia messiânica. O Mashiach vem da descendência de David. O Eterno prometeu que da semente (zerah) de David sairia o rei messiânico.

[1] – Provérbios 8.22″… me criou… “: Do hebraico qanah. Embora o texto inicie falando sobre a sabedoria de Elohim, porém entende-se que o restante do texto se refere ao Messias vindouro.

קָנָה qanah (kaw-naw ‘) , 1. para erguer, ou seja, criar.
2. (por extensão) para adquirir.

 

[1] “reverenciou”: Nessa passagem, o rei Nvukadenetzar faz uma reverência a Daniel. Mas, muitas bíblias trazem a expressão “Adorou”. Essa palavra não está totalmente errada, se você levar em consideração que, em nosso idioma, essa mesma palavra, pode ser compreendida de forma não cultual. Por exemplo: Alguém diz “adoro sorvete de morango”, será que o morango é um elohim? É lógico que a pessoa não está adorando de forma cultual o sorvete. Mesmo assim, essa palavra “adorar” é tendenciosa à forma cultual. Algumas bíblias resolveram usar outras palavras, por exemplo: reverenciar, honrar ou em sinal de respeito. É claro como a luz do dia que, Daniel já mais aceitaria uma adoração de forma cultual. Daniel era um fiel servo de Adonai e não permitiria ser adorado como um elohim. Daniel entendia que, Nvukadenetzar estava o reverenciando como alguém que tinha a Luz do Verdadeiro Elohim.

Na LXX (Septuaginta) a palavra encontrada nessa passagem é “proskuneu”, que denota um ato de beijar a mão, ou mesmo honrar alguém, reconhecer que o outro é superior.

Na bíblia de Jerusalém, a passagem se encontra dessa forma: “.. prostrou-se com rosto em terra e inclinou-se perante Daniel…”.

Em outras Bíblias, é comumente usada a mesma palavra (proskuneo) que foi traduzida por “adorar”, e dessa forma, poderá levar o leitor a entender algo, que a Bíblia não intenciona.

 

[1] “antigo de dias “: Nessa tradução usamos o termo em aramaico “at tíq yoh mín” que podemos traduzir obviamente por “antigo de dias”. A frase não está se referindo a ideia de um homem de muita idade, mas a alguém que é antigo em dias, ou seja, muitos dias. É notável que Daniel se refere uma eternidade de tempo.

Cremos que devido a outras características simbólicas dada nesse texto é possível que a tradução em outras bíblias se dá pelo fato de haver adjetivos como; cabelo branco, e outras características que levaram a traduzir como “ancião”.

Na visão de Daniel ele vê simbologias, alguns objetos são literais e outros simbólicos.

 

[1] Daniel 9: 24 “períodos”: Algumas bíblias traduziram por “semanas”, mas essa tradução é incorreta a palavra aqui traduzida por “semana” é Shavuiym שָׁבֻעִים. O significado literal é “períodos” e não semanas, já que a palavra “shavuot” significa “semanas”.

[1] Daniel 9:25 – “líder ungido”: Faz referência a um líder ungido para liderar o povo. Aqui faz referência a Oniyah 2ª Macabeus 3:1, 4:23-28 – Onyah III, filho de Simão II, era grande kohem durante o período do judaísmo do Segundo Templo. Ele é descrito nas escrituras como um homem piedoso que se opunha à helenização da Judéia. Ele foi sucedido por seu irmão Jason em 175 a.e.C

[1] Ne 8: 10 – “comei fartamente”: Algumas bíblias traduziram por “comei gordura”, a tradução errada levará o texto a contradição. Em toda a toráh o uso de gordura (chalev) é proibido para o povo de Elohim. A melhor tradução é “comei fartamente”. Outra bíblia que traduziu corretamente foi a Bíblia do Peregrino, ver pg. 724

[1] 1ª Crônicas 2:55 – “escribas”: São escritores. No passado antes do exílio em Babilônia empregava-se esta palavra para significar a pessoa que tinha certos cargos no exército (Jz 5. 14 – 2 Rs 25. 19 – is 33. 18 – Jr 52. 25) – e se chamava escriba o secretário do rei, constituindo este emprego, junto das pessoas reais, uma alta posição (2 Sm 20. 25 – 1 Rs 4. 3 – 2 Rs 12. 10). Na história judaica dos tempos mais modernos os escribas são os intérpretes ou copistas da toráh.

[1] I Crônica 21:1 – “opositor”: Em hebraico a palavra é “satan” que significa: opositor, adversário ou contrário. Em II Samuel 24, é o Eterno  quem se opõem contra Yisrael. Nesse versículo fizemos uma tradução coerente com II Samuel 24. Leia também Naum 1:2.

[1] 2ª Crônicas 18:7 – “porque nunca anunciou uma boa palavra”: Melhor clareza e concisão da palavra “nava”.

[1] Mateus 1 – “As correções”: As correções do rolo de Mateus foram baseadas no Manuscrito de Mateus Shem Tov Ben Isaac Shaprut

[1] Mateus 1.16 – “comprometido”: A Peshitta traz aqui a palavra “gabra”, que pode ser traduzida como “homem”, “parente” ou até “guardião”. Nas antigas versões siríacas, o termo é damkhira, que quer dizer “que é prometido” ou “noivo”: a versão sinaítica (S) diz: “Yaakov gerou Yawsef. Yawsef, que era comprometido com Maryam, este gerou Yeshua’, que é chamado ‘o ungido’. A versão curetoniana (C) diz: “Yaakov gerou Yawsef, que era comprometido com Maryam, a donzela, a qual gerou Yeshua o Ungido. ”

As versões foram combinadas para obter-se o sentido correto de gabra.

Quando um homem se casa com uma mulher ele se torna o guardião dela, ela deixa a casa de seu pai e se une ao seu guardião.

Mas nunca a palavra “gabra” pode ser traduzida por “pai” no sentido biológico. Mas como alguém que está comprometido, ou mesmo um parente. Um homem destinado, a guardar e proteger. Essa função cabe ao marido ao casar-se com uma mulher. O homem assume o papel de comprometimento. Também essa palavra “gabra” pode ser aplicada a um parente próximo que assume essa função.

A Palavra “pai” no aramaico siríaco é “Pai” ou “Abb”. Dicionário bíblico Strong.

[1] Mateus 1:23 – “Jovem”: Como o copista usou o texto de Isaias, então nós restauramos o versículo usando as copias DSS. O original em hebraico nos dá mais luz sobre o texto. Sobre Isaias 7:14: A palavra hebraica “Almah” significa “jovem” e não pode ser traduzida por “virgem”. A palavra em hebraico para virgem é “Betulah”. Encontramos a mesma ocorrência na Bíblia de Jerusalém. Gênesis 24: 43 “Ficarei perto da fonte; a jovem Almah que vier buscar água, e a quem eu disser: Deixa-me, por favor, beber um pouco da água de teu cântaro, ” BC (Bíblia Católica).

Outras fontes: Bíblia de Jerusalém, Biblia TEB, Bíblia do Peregrino, Bíblia Novo Mundo, Bíblia Hebraica, DIDAT (Dicionário Internacional do Antigo Testamento) Bíblia Linguagem de hoje, Bíblia NVT pg 578 comentário “b”.

[1] Mateus 2.1 – “sábios”: Em outras bíblias “magos”.

[1] Mateus 2.2 – “reverenciá-lo”: A palavra grega “Proskuneo” não pode ser traduzida como adoração cultual, portanto a palavra “adoração” é inadequada. Algumas bíblias cristãs, verteram a palavra grega para: “homenagem, reverência ou em sinal de respeito” Bíblia Teb, Bíblia de Jerusalém, bíblia do peregrino e Tradução do Novo Mundo.

 

προσκυνέω proskuneo (pros-kï-ne’-ō) v.

  1. agachar-se ou bajular, enquanto expressa homenagem (ou seja, com um beijo servil ou demonstração de humildade).
  2. prostrar-se (de bruços) em reverência ou homenagem.
  3. (na velhice) inclinar-se prostrado (de bruços) com a ajuda da equipe.
  4. (Nota) um ato físico de abaixar-se em humilde submissão com uma atitude de máxima de respeito.

 

[1] Mateus 2.8 – “reverencie”: O rei Hordos não queria de fato reverenciar Yeshua, ele usou essa fala para enganar os sábios.

[1] Mateus 2.9 – “estrela”: provavelmente não se tratava de uma estrela (astro celeste), devido ela se mover de lugar. Nós sabemos que uma estrela é um astro celeste que está a quilômetros de distância da terra. Não sabemos ao certo o que era esse objeto descrito pelo autor do livro de Mateus.

[1] “Do Mitzraim chamei o meu Filho”: Essa passagem está localizada no rolo de Oséias 11: 1, que diz assim: “Quando Israel era menino, eu o amei; e do Egito chamei a meu filho” O texto se refere a Israel e não a Yeshua, cremos que isso foi uma má interpretação do copista. Pedimos ao leitor que leia todo o capítulo 11 de Oséias, para melhor conclusão.

[1] Mateus 2.17 – “[Altíssimo por meio do]”: Essa correção foi necessária para fazer coerência ao que está escrito em Jeremias 31.15 “Assim diz  hwhy… ” e não “…dito pelo profeta Jeremias…”. Faz mais sentido assim: o que fora dito pelo [Altíssimo por meio do] navi Yirmiyahu.

[1] “Arquelau”: Hordos teve três filhos com Malthace, uma samaritana: Hordos Antipas, Arquelau e Olímpia, que se casou com um primo, filho de José, irmão de Hordos. Hordos teve, no total, nove esposas, e teve filhos com sete delas.

Quando Hordos morreu, de acordo com o Testamento de Hordos, Filipe recebeu a Traconítida e regiões vizinhas, Hordos Antipas seria tetrarca da Galileia e Arquelau se tornaria rei.

Fonte: Flávio Josefo – A guerra dos Judeus

[1] Mateus 2: 23 – “Navim” plural em hebraico para “profetas”.

[1] Mateus 3: 4 acridas “ – A alfarrobeira é extensamente cultivada em terras litorâneas do Mar Vermelho e é comum na Palestina, ao norte de Hebrom.

As bolotas com as quais o “Filho Pródigo” alimentavam os porcos eram as alfarrobas, conforme Lucas 15: 16.

Há algumas evidências que favorecem a ideia de que os gafanhotos usados por João eram vegetais. É bom ainda saber de evidências seguras indicando que o inseto “gafanhoto” é muito pobre como alimento, portanto incapaz de sustentar uma vida humana.

Entre os primeiros a contestarem a ideia de que a dieta de João Batista incluía gafanhotos (insetos) estiveram os ebionitas, um grupo de judeus nazarenos da Síria, que, como os essênios, eram um tanto ascéticos e advogavam uma dieta vegetariana. Creem alguns estudiosos que os ebionitas substituíram em seus manuscritos acrides (gafanhotos) por ecrides (bolos). Esta substituição teria sido feita em harmonia com seus princípios dietéticos.

Os pais do cristianismo de origem grega, que tinham melhor conhecimento do uso do grego bíblico, não concordavam que acris em Mateus e Marcos indicasse o inseto.

Muitos consideravam os acrides dos Evangelhos equivalentes a akrodua (frutos ou pontas dos ramos de árvores ou ervas).

Em um sermão do ano 400 a. D., atribuído erroneamente a Crisóstomo, há a afirmação que João comia frutos da alfarrobeira – acridas botanôn. A expressão” acridas botanôn” é traduzida para o latim como “herbarum summitates“, significando as pontas ou brotos das plantas.

Os escritores gregos e seus tradutores latinos entenderam que o termo “gafanhoto”, usado como alimento por Yohanam o imersor, se referia a um regime vegetariano.

[1] Mateus 3: 13“ser imergido por ele”: O ato da imersão (batismo)

[1] Mateus 3.16-17 – “Textos inexistentes”: Os versículos faltantes não foram encontrados nos melhores e mais antigos manuscritos, portanto os veículos faltantes são uma criação posterior.

[1] Mateus 4: 08Temerás”: Texto corrigido conforme o rolo de Devarim 6: 13 (DT).

Yeshua estava citando um conhecido versículo da unicidade de Elohim.

[1] Mateus 4: 23“casas de orações”: Sinagoga ou esnoga (do grego antigo συναγωγή, transl. synagoguē: ‘assembleia’, ‘reunião’). O termo “sinagoga” tem origem na palavra grega συναγωγή, composta de σύν sýn, “com, junto”, e ἄγω ‘ago, “conduta, educação”, cujo significado seria “assembleia”.

[1] Mateus 5:14 – “luz do mundo” – Vinde, ó casa de Jacó, e andemos na luz de  hwhy. Isaías 2:5

[1] Mateus 5: 17“pleno [conhecimento]”: É comum sempre ouvirmos que uma letra muda todo o sentido. Imaginemos agora quando um vocábulo foi mal traduzido. Várias heresias acabam sendo pregadas quando temos uma tradução errônea e deturpada. Vamos à um exemplo:

Na tradução comum temos:

Não cuideis que vim destruir a toráh ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir. (ACF Mateus 5: 17)

No grego iremos achar um vocábulo que muda o sentido deste versículo

“plerosai” tem na sua raiz etimológica a forma pleroo’

Sendo o seu significado: pleroo

1) tornar cheio, completar, i. e., preencher até o máximo

1a) fazer abundar, fornecer ou suprir liberalmente

1b) Tenho em abundância, estou plenamente abastecido

2) tornar pleno, i. e., completar

[1] Mateus 5:18 – “uma só letra”: I ou um til . Nessa passagem nos referimos a toráh de Moshe em português. Portanto se fosse em hebraico não seria “i ou um til” mas “Yud”, por ser a menor letra do alfabeto hebraico. Não faria sentido usar as letras hebraicas já que essa biblia usa o português como língua base.

[1] Mateus 5:20 – “se a sua justiça não exceder a dos mestres da Torah e parushim”: A nossa justiça está em obedecer às vontades do Elohim. “E será justiça para nós, se tivermos cuidado de cumprir todos estes preceitos perante  hwhy nosso Criador, como ele nos ordenou. Dt 6:25”

[1] Mateus 5:21 – “ouvistes o que foi dito”: A LEI era passada de forma oral já que a maioria das pessoas eram analfabetas. Por isso a necessidades dos mestres da LEI. Yeshua completa a toráh (lei) tornando-a mais rígida, ele disse “todo aquele que, sem motivo, se irar contra seu irmão, será levado a juízo” Observe que nosso mestre deixou a Lei mais completa. Uma pessoa não apenas mata fisicamente, mas pode matar com palavras e ações subsequentes.

[1] Mateus 5:23 – “a tua oferenda no altar”: Aqui Yeshua não se refere ao altar de uma igreja, porque naquela época não existia igrejas, mas faz referência ao altar do templo onde eram realizadas os sacrifícios. Salmos 96:8

[1] Mateus 5.31 – “rejeitar”: O Altíssimo permitiu o divórcio para preservar a vida da mulher. Assim como hoje no passado existia homens maus, que por qualquer motivo rejeitavam suas esposas, levando-as ao sofrimento. Antigamente as mulheres não podiam trabalhar, ou até mesmo sair sozinhas para fora de casa. A mulher era totalmente dependente de um homem. Era imprescindível que essas mulheres rejeitadas pudessem obter a carta de divórcio, por esse motivo Elohim permitiu a carta de divórcio. “Se um homem se casar com uma mulher e depois não a quiser mais por encontrar nela algo que ele reprova, dará certidão de divórcio à mulher e a mandará embora. Dt 24.1”

[1] Mateus 5.33 – “Não jurarás falsamente,”: Não é pecado jurar em nome do Altíssimo, mas é pecado jurar falsamente “Não jurareis falsamente pelo meu Nome, pois profanarias o Nome do Altíssimo. Eu Sou  hwhy.” Lv 19.12

Jeremias 7:9

[1] Mateus 5.43 – “odiarás ao teu inimigo”: Em nossas pesquisas na toráh do profeta Moises, não encontramos o verso referido, mas encontramos o seguinte texto: “Não te vingarás e não guardarás rancor contra os filhos do teu povo. Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu Sou  hwhy. Lv 19.18”

[1] Isaías 53: 04 – “sobre si”: frase não encontrada no hebraico.

[1] Mateus 8: 20 – “Filho do homem”: Quando Yeshua usava essa expressão, a quem ele se referia? Elohim não é homem, então por que ele usava essa expressão? Profetas e homens de Elohim usavam essa frase para mostrar humildade e submissão a Elohim reconhecendo que Elohim é maior. Yeshua usava essa expressão para reconhecer que  hwhy é maior do que ele. Vários profetas também usavam a mesma frase e queriam mostrar a inteira submissão ao Criador. Os seguintes textos comprovam: Is 55: 2, Ez 2: 06, 3: 25, 11: 04, Sl 8: 04, Jó 16: 21, Dn 8: 17, Mat 8: 20. Yeshua era filho do homem e reconhecia que Eláh ( Elohim ) era maior do que ele. “o Pai é maior do que Eu” (João 14: 28) Por oitenta e oito vezes Yeshua declarou reconhecer sua descendência do homem, com suas limitações, ele disse: “Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma” João 5: 30. Muitos de sua época também reconheceram dizendo “Se este não fosse de Deus, nada poderia fazer. ” João 9: 33

 

[1] Mateus 9.2 – “teus erros te foram perdoados”: Observe que Yeshua não está perdoando os pecados do homem, mas afirma que os pecados dele foram perdoados. Os mestres da Torah não entendendo acusaram Yeshua.

[1] Mateus 11:10 – O texto mais próximo ao referido em Mateus 11:10 é  Êxodo 23:20, há outros parecidos, porém, a construção textual mais similar é o apresentado acima de Mt 11:10 é Ex 23:20.

[1] Mateus 11.22 – “dia do juízo”: Referência ao dia em que todos devem ser julgados pelos seus feitos, justos e injustos serão julgados. Passagens de referência: 2 Pedro 2:9, 1 João 4:17, Ezequiel 30:3, Joel 1:15, Amós 5:18, Isaías 13:6.

[1] Mateus 12.9 – “casa de oração deles” ou “sinagoga deles”: Em muitas passagens do NT encontramos essa expressão, isso deixa claro que o autor não era o próprio Mateus, mas, um copista desconhecido que teria vivido entre o primeiro e o segundo século depois de Yeshua.

[1]  Mateus 12.24 – “Baal-zebud”: Um deus da mitologia filisteia, protetor da cidade de Ecron e padroeiro do panteão, significa o senhor das moscas. 2 Rs. 1.2

Baal significa senhor, Zebud significa mosca.

As moscas eram um grande mal para os filisteus, existia a crença que um deus das moscas era quem as enviava para atormentar, por elas diversas doenças acometia o povo, por isso a frase: Baal-zebud, o príncipe dos males.

 

A crença era que uma pessoa doente estava com um espírito mal, estava possuída pelo demônio. Eles alegavam que, se um espírito mal de Baal-Zebud estava sendo expulso, então quem estava exorcizando era enviado desse deus.

[1] Mateus 12.32 – “Ruach do Santo” ou “Espírito de Deus”: Sabemos que em grego a palavra é pneuma, que significa, vento, hálito, sopro ou estado mental. Usamos a palavra Ruach do hebraico que tem a mesma conotação. Leia: Gn 1:2, Nm 24:2, 1Sm 10:10, 1Sm 11:6, 1Sm 19:20, 1Sm 19:23, 2Cr 15:1, 2Cr 24:20, Jó 33:4, Ez 11:24, Mt 12:28, Rm 8:9, Rm 8:14, 1Co 2:11, 1Co 2:14, 1Co 3:16, 1Co 7:40, 1Co 12:3, 1Pe 4:14, 1Jo 4:2

[1]  Mateus 13.17 – “desejaram ver o que vedes”: Refere-se desejaram ver o Messias, aquele que iria restaurar Israel e trazer paz ao mundo. Muitos profetas e justos de Israel desejaram por esse dia.

[1] Mateus 17: 21 – “Correção”: Uma avaliação mais cuidadosa revela que nem o Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1] Mateus 18: 11 – “Correção”: Uma avaliação mais cuidadosa revela que nem o Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1] Gênesis 2.24 – “uma só carne eles serão: De forma física eles tornaram se uma só carne no nascimento do 1º filho. O corpo humano tem mais de um trilhão de células, e cada uma é formada por um núcleo e um citoplasma, cada núcleo tem quarenta e seis cromossomos, vinte e três do pai e vinte e três da mãe, o casal em 1º plano torna-se uma só carne no nascimento do filho. Em segundo plano o casal torna-se uma só carne com a troca de fluidos durante o ato sexual, isso tende a colabora para que o casal tenha o DNA parecido ao longo dos anos. Segundo a Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS) dos EUA, casais se parecem biologicamente ao viverem juntos e trocarem fluidos.

Os pesquisadores da Universidade Colorado-Boulder, nos Estados Unidos, usaram informações genéticas de 825 casais americanos e descobriram que casais são geneticamente parecidos. No experimento, o genoma de cada participante foi comparado ao do seu parceiro e, depois, ao de dois outros indivíduos aleatórios. Ao todo, o estudo analisou cerca de 1,7 milhão de polimorfismos de nucleotídeo único, que são blocos de DNA conhecidos por diferenciar os seres humanos. Os cientistas analisaram os resultados de DNA, eles notaram que a similaridade genética era um terço mais forte do que a educacional.

 

[1] Mateus 19.7 – “carta de divórcio”: Leia Dt 24.1

 

[1] Mateus 19.9 “imoralidade sexual”: Tradução da palavra grega porneia/ πορνείᾳ. Encontramos algo similar no livro de Devarim/Deuteronômio 24.1 nessa passagem a palavra hebraica é “ervat” que literalmente significa nudez, mas que aplicado ao contexto é traduzido por “imoralidade sexual”, portanto não há uma contradição de Mateus 19.9 com Dt 24.1. Yeshua estava reafirmando o mandamento sobre a carta de divórcio, o que ele estava repreendendo foi a fala de quem pergunta: “É permitido ao homem rejeitar sua mulher por qualquer motivo?”  Yeshua ensinou que não era permitido, dessa forma elucidando o ensino de Moises. A carta de divórcio nessa questão só é permitida por imoralidade sexual, do grego porneia, do hebraico ervat. Leia o comentário de Deuteronômio 24.1 comentário “Pg 203“

Outras Bíblias, Mateus 19.9, King James: “causa de fornicação”, Bíblia TNM: “imoralidade sexual”, Bíblia NVI: “imoralidade sexual”, Novo Testamento interlinear Analítico 2ª edição: “imoralidade sexual”, Bíblia NVT: “imoralidade”.

 

Não existia carta de divórcio para o adultério, porque esse ato era penalizado com o apedrejamento, logo o traído tornava-se viúvo e não divorciado.

 

Nessa passagem de Mateus 19.9 não aparece a palavra grega moicheia / μοιχεία que significa literalmente, adultério.

 

 

[1] Mateus 19.24 – “corda grossa”: Em grego a palavra traduzida por “camelo” é κάμηλος (kamelos), numa leitura variante de manuscritos gregos encontramos κάμιλος que significa “corda grossa”. Teria havido, no texto grego, uma troca entre kamelos (“camelo”) e kamilos (“corda grossa”, “calabre”). A própria palavra do aramaico utilizada por Yeshua carregaria ambiguidade — gamla (“camelo”) e gamala (“corda grossa”).

Para justificar o erro de tradução, para a conhecida palavra “camelo” os teólogos afirmam que a “agulha” referida no texto, faz menção a uma fenda na rocha por onde os camelos faziam força para entrar. Observação: Até hoje nunca foi encontrada alguma referência plausível, que tais fendas “agulhas” existiam para a passagens de animais, que transportassem alimentos ou mercadorias. Também não existe nenhuma outra referência nos textos gregos, onde a palavra “agulha” tenha sido utilizada para referir-se a uma fenda na rocha. Mas o problema dessa afirmação é que a palavra grega para “agulha / ραφίς” é derivada de ράπτω e ραφή com significados respectivos de “costurar” e “costura”, desse modo, o buraco em questão é mesmo de uma agulha de costura, e não de alguma fenda rochosa. Portanto faz muito sentido, Yeshua ter falado “corda grossa”. Usamos uma corda fina (linha) para passar pelo buraco de uma agulha, portanto usar uma corda grossa seria impossível, dessa forma caracterizamos que Yeshua usou uma hipérbole harmônica. Ele hiperbolizou em sua ilustração, portanto não faria nenhum sentido usar o camelo, já que animais não passam pela agulha de costurar (ράπτω). No português usamos algumas hipérboles, exemplo: “estou morto de fome”, mesmo se tratando de um exagero, é fato que muitas pessoas morrem de fome. Chamamos esse tipo de exagero, hipérbole harmônico.

O homônimo.

Em aramaico a palavra usada em tais versões (gam·lá’) é um homônimo e pode significar “camelo”. Dependendo do contexto, porém, ela pode também ser traduzida por “corda grossa e viga”. Parece que a tradução para o grego tenha sido do aramaico e possivelmente o tradutor não era familiarizado com a língua semítica, e acabou se confundido com tais palavras: gamla (“camelo”) e gamala (“corda grossa”). Percebeu a similaridade entre elas? Gamla e Gamala, vale destacar que no aramaico não existe vogais, ficando apenas as consoantes “Gml”, ficando muito mais fácil a confusão por um tradutor.

Exemplo de um homônimo no português, é a palavra “canto” que pode significar, ângulo, esquina ou alguém que canta. Elaboramos duas frases para que você entenda, são elas:

1ª, “O canto do passarinho” e a 2ª, “O canto da casa”. Percebe se que usamos nas duas frases uma palavra idêntica, mas com significados diferentes. Como podemos entender o significado da frase? Podemos entender usando o sujeito da oração, aqui destaco “casa ou passarinho”. Se uso canto para o passarinho é notório que faz menção a música cantada pelo pássaro, já que ele não possui cantos similares a casa. Se uso canto para uma casa, é notório que uma casa não canta.

Na frase: “…É mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha…” ou “…É mais fácil uma corda grossa passar pelo fundo de uma agulha…” o entendimento será possível por meio de dois elementos; 1º, a finalidade do sujeito (a agulha). 2º. A compreensão ampla do contexto. A finalidade do sujeito “agulha” é a de costurar (ραφίς), e para costurar usamos corda fina (linha). Fica muito claro que, Yeshua se referia a corda grossa e não um camelo.

Outro ponto a ser comentado é o fato de Yeshua ter falado em aramaico, reforçando a ideia que os primeiros escritos relatando as conversas do mestre terem sido escritas nessa língua.

 

[1] Mateus 22.36 – “instrução”: Ver comentário de João 14.21 acerca da palavra ἐντολή/entole.

[1] Mateus 23: 14 – “correção”: Essa passagem não existe no Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1] Mateus 23.25 – “Yehoiada”: Em outras bíblias Zacarias é filho de Baraquias, mas na realidade Zacarias era filho de Yehoiada (2 Crônicas 24: 20-22)

 

[1] Mateus 24.8 – “princípio das dores”: Uma profecia sobre a perseguição aos eleitos. Antes da vinda do Messias haverá uma grande perseguição como nunca em toda a terra. Essa perseguição se dará pelo motivo de seguir os ensinos de Yeshua. Ao falar “por causa do meu nome” significa que os seguidores de Yeshua obedecerão a seus ensinos e por isso serão perseguidos.

A NOM (nova ordem mundial) o grande Satan, perseguirá todos que guardam os mandamentos de Deus e tem o testemunho de Yeshua.

[1] Mateus 24.12 – “abstinência da toráh”: iniquidade do grego “anomia” (Substantivo feminino). De anomos  a -como uma partícula negativa- “sem”, e nomos “toráh” = “sem toráh”). Negação da toráh. Ilegalidade, falta de conformidade com a toráh, violação da toráh, desacato à toráh, iniquidade, impiedade ou abstinência da toráh.

[1] Mateus 25:46 – “cortados”: No grego “kolasis”

Kolasis significa “tormento eterno”? “castigo eterno”? A versão The Emphatic Diaglott reza “decepamento” em vez de “castigo”. Uma nota ao pé da página declara: “Kolasin       … deriva-se de kolazoo, que significa, 1. Decepar; como no truncamento de ramos de árvores, podar. 2. Restringir, reprimir…. 3. Castigar, punir. Extirpar alguém da vida, ou da sociedade, ou mesmo restringir, é tido como castigo.

Kolazo

O Léxico Grego do Novo Testamento NAS dá uma definição e observe qual a primeira acepção:

  1. Cortar galhos ou podar, como árvores e asas
  2. frear, verificar, coibir
  3. castigar, punir, corrigir
  4. fazer com que sejam punidos

 

Note que a definição castigar só vem em terceiro

A obra intitulada “A Critical Lexicon and Concordance to the English and Greek New Testament” produzida por E.W. Bullinger define Kolasin por: “restringir, cortar curto, podar, mas usualmente como em Lat. castigore, manter dentro de limites, interromper, castigar;.. … punir, geralmente.. o castigo futuro pelo pecado é claramente definido como morte e destruição.”

Desta forma, “κόλασιν αἰώνιον” pode ser traduzido mais coerentemente destas formas:

*truncamento eterno*

*Poda eterna*

*Decepamento eterno*

*Cortados da vida eternamente*

 

Dicionário Vine, define “kolazo (2849) como denotando 1. primariamente “ “aparar, podar, cortar curto “

Dicionário Thayer, define como “1. Cortar galhos, podar, como árvores, asas.”

 

[1] Mateus 26.2 – “é a pessach”: A páscoa era realizada dia 14 do primeiro mês, no dia 15 era o inicio da festa dos pães sem fermento (matzah)

[1]  Mateus 26.17 – “no 1º dia da Festa do matzah”: Referencias Lv 23:6 Dt 16:8

[1] Mt 26.28 – “pacto renovado”: Em muitas bíblias a tradução é “novo”, porém a palavra grega é “Kainós/ καινὴν”. No grego existem duas palavras para “novo”.

A primeira é neós, significa um novo que nunca existiu antes, algo realmente novo, inexistente antes do surgimento.

 

A segunda é kainós, significa um novo que já existia, algo que foi renovado, já existia e foi revelado, já existia e foi restaurado. A palavra kainós aparece nos seguintes versos: Mt 26.28, Mc 14.24, Jo 13.34, 2ª Cor 3.6, Hb 8.8 e 13, 9.15, 2ª Pedro 3.13, 1ª Jo 2.7-8, Ap 3.12, 5.9, 14.3, 21.1-2

[1] Mateus 27.9 – “Zekaryah”: Temos o seguinte versículo abaixo:

“Então se realizou o que vaticinara o navi (profeta) Yirmiyahu/Jeremias: Tomaram as trinta moedas de prata, preço do que foi avaliado, que certos filhos de Israel avaliaram”, (ACF)

Devemos notar nesta narrativa, qual escreveram uma fala do profeta Yirmiyahu/Jeremias, “Então se realizou o que vaticinara o profeta Yirmiyahu/Jeremias”, porém, em nenhum lugar das Escrituras encontraremos Yirmiyahu/Jeremias vaticinando a ministração no dito acima. Até nos escritos antigos em gregos encontramos o mesmo acréscimo atribuído ao profeta Podemos notar obviamente o “Jeremias”, que até nos textos gregos encontramos o mesmo termo de atribuição ao profeta Jeremias.

Pergunto em que lugar da Bíblia encontramos Jeremias profetizando o dito de Mt 27: 9?

O único lugar que temos essa menção é em Zc 11: 13.

Zekaryah/Zacarias para Yirmiyahu/Jeremias é uma diferença muito grande, já que temos que interpretar à luz das Escrituras, que nesse caso torna-se impossível, quando acrescentam a pessoa errada na narrativa.

[1] Mateus 28: 19 – Texto oriundo do manuscrito de Shen Tov, a correção desse verso foi baseada também na própria bíblia é a melhor fonte para as correções, estão nos seguintes rolos: Atos 2: 38, Colossenses 3: 17, Atos 8: 12, 16, Atos 10. 44-48, Atos 22: 12-16, Atos 19: 3-5, 1 João 2: 12.

Livro A história da Igreja cristã W.walker de 1981 página 129 diz: “Entre os primeiros discípulos o batismo era, em geral feito ‘em nome de Jesus Cristo’. Não há menção na bíblia do batismo atualmente conhecido, ver foto na página no final ”

[1] Marcos 1:2 – O texto mais próximo ao referido em Mateus 11:10 é o de Êxodo 23:20, há outros parecidos porém a construção textual mais similar de Mt 11:10 é Ex 23:20.

[1] Marcos 1:3 – Este versículo foi restaurado usando a própria fonte citada pelo copista, aqui me refiro a Isaías 40:3. Por isso não precisamos de fontes gregas quando os copistas usam como referência os profetas.

[1] Marcos 1.6 – “alfarroba”: Em outras versões encontramos por “gafanhoto”. A palavra grega traduzida como “gafanhotos” pode se referir ao fruto da alfarroba, ao invés do inseto gafanhoto. Isto é sugerido porque os termos hebraicos para “gafanhotos” (hagavim) e “alfarrobeiras” (haruvim) são muito similares, um tradutor iniciante pode ter cometido um erro de tradução. A alfarroba é extensamente cultivada em terras litorâneas do Mar Vermelho e é comum na Palestina, ao norte de Hebrom.

As bolotas com as quais o “Filho Pródigo” alimentavam os porcos eram as alfarrobas, conforme Lucas 15: 16.

Há algumas evidências que favorecem a ideia de que os gafanhotos usados por João eram vegetais. É bom ainda saber de evidências seguras indicando que o inseto “gafanhoto” é muito pobre como alimento, portanto incapaz de sustentar uma vida humana.

Entre os primeiros a contestarem a ideia de que a dieta de João Batista incluía gafanhotos (insetos) estiveram os ebionitas, um grupo de judeus nazarenos da Síria, que, como os essênios, eram um tanto ascéticos e advogavam uma dieta vegetariana. Creem alguns estudiosos que os ebionitas substituíram em seus manuscritos acrides (gafanhotos) por ecrides (bolos). Esta substituição teria sido feita em harmonia com seus princípios dietéticos.

[1] Mc 2.28 – “filho do homem”: Do grego, ἄνθρωπος anthropos. Literalmente, ser humano ou filho do homem. O Adão. O texto não se refere apenas a Yeshua, mas também a toda humanidade. Assim como o sábado foi criado para servir o homem, o homem é senhor sobre o sábado, porque o sábado foi criado para benefício do homem.

 

 

 

 

[1] Marcos 6: 3 – “filho do carpinteiro”: Na maioria das bíblias a frase é “carpinteiro” omitindo a afirmativa que Yeshua é filho de José, porém no mais antigo manuscrito chamado de Pergaminho nº45 datado entre 200 a 250 da era comum atesta que Yeshua era filho do carpinteiro. O papiro 45 (em latim: Papyrus 45;\mathfrak{P}45 ou P. Chester Beatty I) é um antigo manuscrito do Novo Testamento e também uma parte do Papiro Bíblico Chester Beatty. Foi provavelmente criado por volta de 250 no Egito. Contém os textos de Mateus 20-21 e 25-26; Marcos 4-9 e 11-12; Lucas 6-7 e 9-14; João 4-5 e 10-11; e Atos 4-17. O manuscrito está atualmente guardado na Biblioteca Chester Beatty, Dublin, Irlanda, à exceção de uma folha contendo Mat. 25:41-26:39 que está na Biblioteca Nacional Austríaca, Viena (Pap. Vindob. G. 31974).

[1] Marcos 6: 8 – “nem bordão (cajado)”: Corrigimos a contradição, o texto antigo dizia “senão apenas um”. Tanto Mateus 10: 10 como em Lucas 9: 3, trazem “nem bordão”, nossa correção foi baseada nos dois rolos citados.

Mt 10: 10 “… nem de bordão… ” Lc 9: 3 “… nem bordão… ” Mc 6: 8 é uma clara contradição.

 

[1] Mateus 7:6-8 – Texto original: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas tem afastado para longe de mim o seu lev, e o seu temor para comigo consiste em preceitos de homens, aprendidos de cor.

 

[1] Marcos 7: 16 – “acréscimo”: Essa passagem não existe no Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

 

[1] Marcos 9: 44 – “acréscimo”: Essa passagem não existe no Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1]

[1] Marcos 9: 46 – “acréscimo”: Essa passagem não existe no Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1] Marcos 10.25 – Leia o comentário de Mateus 19.24.

[1] Marcos 11: 26 – “acréscimo”: Essa passagem não existe no Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1] Marcos 14.3 – “Beitanyah”: Casa das tâmaras.

[1] Marcos 14.24 – “pacto renovado”: Ver comentário de Mateus 26.28.

[1] Marcos 14:27 – Versículo completo Zacarias 13:7: “Ó espada, ergue-te contra o meu apascentador, e contra o varão que é o meu companheiro, diz  hwhy dos exércitos; fere ao apascentador, e espalhar-se-ão as ovelhas; mas volverei a minha mão para os pequenos.”

[1] Marcos 15: 19 – “homenageava”: Outras bíblias traduzem por “adorar”, a palavra em grego é “proskneo” que significa, homenagear, reverência, beijar a mão.

[1] Marcos 16: 08 – “acréscimos”: Os versículos faltantes não foram encontrados nos mais antigos e confiáveis manuscritos gregos.

[1] Lucas 2:23 – O 1º filho era dedicado ao Eterno para o trabalho eclesiástico (levítico), mas nunca para o sacrifício humano.

[1] Lucas 4:8 – Texto original: “Ao  hwhy teu Elohim ( Elohim ) temerás; a ele servirás, e a ele te apegarás, e pelo seu nome; jurarás.” Dt 10:20

[1] “Galil”: algumas bíblias descrevem “Judá”, nossa correção foi baseada em Mt. 4: 23 e Mc. 1: 39

[1] Lucas 14.26 – “sem aborrecer”: Yeshua estava mostrando aos que queriam segui-lo, que, para os que desejam se colocar nessa jornada deveriam abandonar, seus familiares. Deveriam ter mais amor em seguir o mestre do que estar com a família.

Ele estava alertando aos seus seguidores contemporâneos que cruz era pesada.

[1] Lucas 16: 16 “Duraram ou vigoraram”: Essa expressão não existe nos manuscritos gregos, a tradução direta é: “A Lei e os profetas até Yohanam”. Outras bíblias traduziram em coerência, são elas: Bíblia de Jerusalém, Bíblia NVI.

[1] Lucas 16: 19-31 – “Acréscimo”: Do 19 ao 31 é acréscimo, não consta na maioria dos manuscritos gregos.

[1] Lucas 17: 36 – “acréscimo”: Essa passagem não existe no Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1] Lucas 18.25 – Leia o comentário de Mateus 19.24

[1] Lucas 23: 34 – “Yeshua, dizia: Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem”: Essa oração de Yeshua não é encontrada em nenhum manuscrito antigo. O pergaminho mais antigo conhecido por P75 datado no ano 200 d. e. C, também não consta essa oração. Possivelmente Yeshua nunca teria dito essa frase.

[1] Lucas 23.43 – “hoje te digo”: A versão siríaca de Lucas, conhecida como “texto siríaco curetoniano” (do século 5 d.C.), traduz assim este versículo: “Amém, eu digo a ti hoje que comigo tu estarás no Jardim do Éden.” (The Curetonian Version of the Four Gospels, de Francis C. Burkitt, volume 1, Cambridge, 1904) veja Bíblia TEB pg 2036.

[1] João 1.1 – “a palavra”: G3056 λόγος logos (lo’-ğos) n.

  1. uma palavra, algo dito (incluindo o pensamento).
  2. (por implicação) um ditado ou expressão.
  3. (por extensão) um discurso (sobre um tópico).
  4. (informalmente) uma conversa (sobre um tópico).
  5. (assim) um assunto.
  6. (também) um raciocínio (da faculdade mental).
  7. (portanto) uma razão (ou seja, um motivo).
  8. (negativamente) uma racionalização (ou seja, aplicação de raciocínio plausível em uma premissa falha).

 

 

[1] João 1.1 – “a palavra era divina”: ou “a palavra de Elohim”. Aqui o texto se refere a palavra criadora de Elohim.

Em João 1, seguramente o foco recai sobre o verso 1: “Ἐν ἀρχῇ ἦν ὁ λόγος καὶ ὁ λόγος ἦν πρὸς τὸν θεόν καὶ θεὸς ἦν ὁ λόγος.” (en arche[i] ên ho logos kai ho logos ên pros ton theon kai theos ên ro logos). É interessante perceber algumas construções gregas que em nossa língua não se permite. “πρός” (pros) é uma preposição que indica direção mas não a fusão, diferentemente de “εἷς” (heis) que indica na direção e para dentro, isso pode não parecer nada, mas significa que o logos estava junto, à direção de Elohim, de forma íntima, face-a-face, mas não “se fundia” com Ele, ou seja, não é algo que indique uma única divindade absoluta com o Pai, daí decorre a segunda parte “καὶ θεὸς ἦν ὁ λόγος” (kai Theos em ho logos).

No grego existe a função atributiva e a função predicativa. Esta última parte do verso é uma construção predicativa, e é importante, pois “pros ton Theon kai Theos…”, ao se referir “com Elohim ”, João usa “τὸν θεόν” (O Elohim ), e ao falar do λόγος (logos) usa a palavra θεὸς (Theos) na forma predicativa, permitindo concluirmos a origem divina do Logos, mas não como sendo O Elohim ; de modo que o texto seria melhor entendido como: “O a palavra era divina” (porque procede de D-us), e é exatamente dessa forma que o trinitariano Rev. Dr. Waldyr Carvalho Luz entende Jo. 1.1 e este comenta esse texto nos seguintes termos:

“Da própria fraseologia se verá que o substantivo anartro não tem acepção quantitativa, a individualizar, mas, ao contrário, qualitativa, a qualificar, exatamente o oposto do termo articulado. Logo, θεός é o predicativo, ὁλόγος o sujeito; – Destarte, o predicativo θεός não está a destacar a pessoa do λόγος mas a expressar-lhe a natureza. Em outras palavras, θεός não está individualizando ὁλόγος, dizendo-o UM DEUS, mas indicando á palavra a essência divinal, qualificando-a como DIVINA; – Nesta modalidade, o elemento anartro é o predicativo, o articulado o sujeito, aquele a especificar a natureza deste.” Fonte: www.unitarismobiblico.com

[1] João 3: 13 – “Desceu do céu”: outras bíblias o versículo termina em “que está no céu”. Alguns copistas e tradutores acrescentaram as frases “que está no céu”. Essas palavras acrescentadas sugerem que Yeshua estava no céu e na Terra ao mesmo tempo — uma concepção que apoia o ensino contrário a verdade. – Códice Vaticano

 

[1] João 3.16 – “nele crê”: “Crede em Yhwv vosso Elohim, e estareis seguros; crede nos seus profetas, e sereis bem-sucedidos.” Êxodo 4:8, Êxodo 4:1, Nm 14.11, Ex 19.9, 2ª Crônica 20.20

[1] João 5: 04 – “acréscimo”: Essa passagem não existe no Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1] João 5.17 – “agindo”: Do grego ἐργάζομαι ergazomai (er-ğa’-zo-mai) v.

  1. trabalhar (como tarefa, ocupação, etc.).
  2. (por implicação) para efetivar, agir, participar ou participar, etc. A tradução melhor para esse texto é “agir” porque o Eterno não trabalha com esforço físico, ou como os seres humanos trabalham. Portanto não se trata da quebra do 4º mandamento, mas, sim de não parar de agir. O mandamento do shabat é para o homem descansar de seu labor, mas o Criador não trabalha como os humanos, o agir do Eterno é de um mantenedor do universo.

Yeshua não se referia ao “agir/trabalhar” como uma quebra dos mandamentos, porque curar e restaurar vidas não se constitui a violação mencionada em Ex 20.8-11. Ao dizer “meu Pai está agindo… e eu também ajo”, ele reforçou a ideia de que o Pai agiu por meio dele, ao curar e fazer milagres. O Criador não deixa de cuidar dos seres vivos no shabat, o Eterno não deixa de manter o universo, portanto o mandamento do shabat não se aplica ao Criador nem ao ato de cura realizados por meio dos seus mensageiros.
Outra tradução semelhante: Bíblia Católica AM.

[1] “em mim”: é inexistente nos mais antigos e melhores manuscritos.

[1] “acredita”: em outras bíblias “crer”

[1] “Beit Lehem”: Transliterado por “Beit Lehem” que significa casa do pão. Beit Lehem foi identificada com a antiga Efrata (Gn 35, 19-20; 48, 7; Rt 4, 11), e é chamada de Beit Lehem Efrata (Mq 5, 1). Localizada na zona montanhosa de Judá, a cidade era designada como Beit Lehem de Judá (Jz 17, 7-9; Mt 2, 5s; Sm 17, 12), possivelmente para distingui-la de Beit Lehem de Zebulon (Js 19, 15), e a “cidade de Davi” (Lc 2, 4).

A cidade é mencionada pela primeira vez no Tanach como a cidade mais próxima ao local onde a matriarca Abraâmica Raquel teria morrido, sendo então enterrada “no caminho de Efrata, que é Beit Lehem” (Gn 48, 7). O túmulo de Raquel, segundo a tradição, encontra-se na entrada da cidade, sendo respeitado por judeus. É em Beit Lehem que a história de Rute e Noemi se desenrola (Rt 1, 19. 22). De acordo com o rolo de Rute, o vale a leste da cidade é onde Rute de Moav respigou os campos e retornou à cidade com Noemi.

[1] Do versículo um até o doze, identificamos como um acréscimo posterior.

[1] A frase foi retirada porque é contraditória. O restante do texto diz: “porque sei de onde vim, e para onde vou; mas vocês não sabem de onde venho, nem para onde vou. ” No capítulo 7: 28 do mesmo rolo ele diz: “… Sim, vocês me conhecem, e sabeis de onde sou… ” Por essa contradição o verso foi retirado.

[1] João 8: 58 – “eu existo”: Na cópia manuscrita grega a palavra é “ego eimi”, que significa: Sou eu. O contexto do verso mostra que ele estava fazendo referência a sua existência, mesmo antes de Avraham. Existir antes de Avraham não torna uma pessoa um deus. Os anjos existem muito antes de Adão e de Avraham e mesmo assim não são deuses.

A BRI não foi a 1º a traduzir dessa forma, João 8: 58. Confira a Bíblia do Peregrino na página 2213 (versão cristã), Bíblia TNM, Bíblia Peshitta da editora BV books e bíblia viva.

[1] João 9:35 – “Filho de Elohim ”: A palavra “filho de ELohim” aparece em 48 versículos da bíblia. Significa: nascido espiritualmente de Elohim, é encontrada nas seguintes passagens: Mt 4:3, Mt 4:6, Mt 8:29, Mt 14:33, Mt 16:16, Mt 26:63, Mt 27:40, Mt 27:43, Mt 27:54, Mc 1:1, Mc 3:11, Mc 5:7, Mc 15:39, Lc 1:35, Lc 3:38, Lc 4:3, Lc 4:9, Lc 4:41, Lc 8:28, Lc 22:70, Jo 1:34, Jo 1:49, Jo 3:18, Jo 5:25, Jo 6:69, Jo 9:35, Jo 10:36, Jo 11:4, Jo 11:27, Jo 19:7, At 8:37, At 9:20, Rm 1:4, 2Cor 1:19, Gl 2:20, Ef 4:13, Hb 4:14, Hb 6:6, Hb 7:3, Hb 10:29, 1Jo 3:8, 1Jo 4:15, 1Jo 5:5, 1Jo 5:10, 1Jo 5:12, 1Jo 5:13, 1Jo 5:20, Ap 2:18.

[1] João 10.34 – “elohim”: Do hebraico, significa poderosos. Yeshua se colocava como um poderoso e não ocupando o lugar de YHWH. Os anjos foram chamados de elohim(deuses), mas não usurparam ser o Soberano Criador.

[1] Isaías 53.1 – “Quem acreditou na notícia que ouvimos?”: Leia, Is 48.14, 20 / 40.9 / 44.7 / 48.3-5

Quem é o servo? Leia, Isaías 49.1-5 / 52.7

Qual a função do servo? Leia Isaías 49.5

O servo seria luz para as nações e para Israel. Leia, Isaías 49.6

Para quem foi revelado o “braço” forte de Elohim ? Leia, Isaías 51.9 / 52.10

[1] Isaías 53: 01 – “braço”, Elohim não tem braços físicos, a palavra “Zeroa” pode ser traduzida por “força”. Por isso colocamos aspas duplas na palavra “braço” Poderia ser traduzido por “ação forte”.

[1] João 13.34 – “renovado”: Ver comentário de Mateus 26.28.

[1] João 14.5 – “Mestre”: Do grego κύριος kurios

  1. (também, por implicação) senhor ou mestre (como um título que mostra respeito pelos outros).
  2. Senhor ou autoridade, aquele que está no controle.

 

[1] João 14: 06 – “Eu sou o caminho verdadeiro”: Cada mashiach é um caminho verdadeiro para os que desejam conhecer o verdadeiro Elohim. Cada Mashiach abre uma porta de redenção para quem ouve seus ensinos.

[1] João 14.6 – “vai ao Pai”: Outras bíblias traduziram a palavra grega “ερχεται/erchomai” para vem, porém, a tradução correta é “vai”. Bíblias cristãs que também traduziu por “vai” Bíblia TEB, Bíblia do Peregrino e O Livro, várias outras bíblias traduziram da mesma forma. Na peshitta em aramaico diz assim: “vem ao meu Pai”

[1] João 14.9 – “Quem me ver, ver o Pai”: Yeshua não estava se igualando ao Pai como se ele fosse o próprio Pai, mas mostrando que ele era a imagem e semelhança do Pai. A imagem e semelhança espiritual.

 

As obras do Pai eram feitas por meio de Yeshua e quando um doente era curado, o Pai era visto por meio das obras. Veja o que disse Paulo (Shaul) sobre Yeshua: “O qual é imagem de Elohim invisível, o primogênito de toda a criação;” Colossenses 1:15
“Que, sendo a imagem de Elohim, não teve por usurpação ser igual a Elohim,”

Filipenses 2:6
Adão foi feito a imagem e semelhança de Elohim, mas não usurpou ser igual a Ele. Sobre Yeshua e Adão ser a imagem e semelhança de Deus, disse então Paulo (Shaul): “Assim está também escrito: O 1º homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão em espírito vivificante. 1 Coríntios 15:45” Leia também: Hb 1.3

[1] João 14.16 – “outro do mesmo”: A palavra em grego é “ἄλλον – allos”. No grego existe duas palavras para o correspondente em português para “outro”. São elas, allos e éteros. Éteros significa: outro diferente e allos significa: Outro igual. Aqui Yeshua se refere ao Pai (), como o consolador em Espírito.  é quem nos consola, e ELE faz isso em Espírito. Veja: Salmos 71:21, Jó 15:11, Isaías 52:9, Isaías 57:18, Isaías 51:3, Jeremias 31:13 e Zacarias 1:17. Yeshua não falou de outro ser, mas do próprio Pai.

 

Consolador-paraklêtos/ παράκλητον: Consolador, confortador, exortador ou aquele que fica do lado. Yeshua disse “Ele dará a vocês” manifestando o texto de Joel 2.28 que diz: “derramarei o meu Espírito sobre toda a carne”.

Quando Yeshua disse “eu suplicarei ao Pai, e Ele dará a vocês outro consolador” não se referia a outro ser, mas ao próprio Pai que daria o Espírito dEle para estar conosco. Veja o que Yeshua disse sobre o Pai: “Deus é Espírito…”João 4:24

[1] João 14.21 – “ensinos”: Do gego: ἐντολή entole. Significado: Mandamento, ordem, regra, preceito ou ensino. Ver NDITNT – Novo dicionário internacional de teologia do novo testamento na página 206, comentário 1953.

[1] João 14.21 – “revelarei claramente”: Do grego “ἐμφανίζω/efanizo” que significa: Aparecer, declarar claramente, informar, (irá) manifestar ou mostrar.

[1] “carregando seu próprio madeiro”. Essa passagem não significa que o mestre não tinha recebido alguma ajuda, é possível que durante o caminho ele foi auxiliado para carregar o madeiro.

[1] Atos 3.22 – “Moshe disse”: Moshe disse o que o Soberano disse para ele.

[1] Atos 7.14 – “setenta almas.”: Esse texto foi corrigido baseado nas seguintes passagens; Êxodo 1:5, Gênesis 46:27, Deuteronômio 10:22.

[1] Atos 8: 37 – “acréscimo”: Essa passagem não existe no Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1] Atos 15.1 – costume da lei “: Na peshitta aramaica não encontramos o nome de Moshe. Podemos também entender que ao falar “costume da lei” eles não se referiam a torah escrita por Moshe mas a lei oral.

Enquanto a toráh escrita fala simplesmente que a circuncisão deve ser praticada, o talmud traz os detalhes de como esse procedimento deveria ser realizado, por esse motivo os judeus da época citaram “costume da lei”, mesmo que na época o talmude ainda não existia de forma escrita, existia de forma oral, portanto “costume da lei”.

A circuncisão é um mandamento perpétuo e é aplicado somente aos filhos de Avraham, tanto na fé quanto na genética. Uma pessoa que não é descendente nem pela genética nem pela fé, não pode ser obrigada a realizar a circuncisão. Algumas pessoas alegam que: Só podem fazer a circuncisão quem for da descendência genética do pai Avraham, mas tal informação é contraria a própria bíblia veja:

“Naquele mesmo dia foram circuncidados Avraham e Ismael seu filho, E todos os homens da sua casa, os nascidos em casa, e os comprados por dinheiro ao estrangeiro, foram circuncidados com ele. ” Gênesis 17: 26, 27.

Fica evidente que não eram apenas os descendentes físicos de Avraham, mas também os da casa. Ter a mesma crença do patriarca obrigava a todos homens mesmo não sendo filhos genéticos à prática exigida por Elohim.

[1] Atos 15: 34 – “acréscimo”: Essa passagem não existe no Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1] Atos 21: 26 – “respectiva oferenda”: Nós sabemos que Paulo não foi ao templo para ofertar dinheiro, mas para fazer as oferendas descritas na toráh. Mesmo após a morte de Yeshua as oferendas continuaram. Podemos ver claramente que Paulo (Shaul) era um fiel cumpridor da toráh. Por que, Paulo ofereceu sacrifício mesmo após a morte de Yeshua?

[1] Atos 24: 07 – “acréscimo”: Essa passagem não existe no Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1] Romanos 1: 1 – “mensageiros” Em outras bíblias: Apostolo, emissário ou mensageiro,

[1] Romanos 1: 2 – “Sagradas Escrituras”: Referência ao Tanach

[1] Romanos 1: 4 – “declarado filho de Elohim ”: Yeshua recebe o título de “Filho de Elohim ”. Elohim não gera ou procria para ter um filho “biológico” mesmo sabendo que nosso Elohim não é biológico. Yeshua é filho porque o seu espírito nasceu de Elohim.

[1] Romanos 1: 5 “seu nome”: Referência aos créditos de Yeshua.

[1] Romanos 1: 5 – “obediência da emunah”: Seguir pela fé os passos de Yeshua, ter a mesma fé. Significa andar como ele andou.

[1] Romanos 1: 10 – “tefilot”: Orações.

[1] Romanos 1: 13 – “goym”: Gentio ou não israelita. “Goym” é o plural hebraico de “goy”

[1] Romanos 1: 19 – “o Elohim se pode conhecer”: Devemos conhecer Elohim, ao contrário como muitos ensinam Elohim não é um ministério que não podemos compreender. Façamos forças para conhece-Lo. Oséias 4: 1

[1] Romanos 1.23 – “mudaram a grandeza de Elohim incorruptível em semelhança da imagem de homem”: Shaul fala aos homens religiosos que rebaixaram a grandeza de Deus. Limitando o Eterno à imagem humana, adorando um homem no lugar do próprio Elohim.

[1] Romanos 1: 26 – “sexo natural por um que é contrário à natureza”: Nessa passagem Shaul menciona o ato sexual contrário à natureza. Sexo contrário para natureza são: Oral, anal e outros contrários ao natural da reprodução humana.

Os Romanos eram conhecidos pela liberdade da homossexualidade.

[1] Romanos 2: 7 – “incorruptibilidade”: A pessoa que não corrompe sua alma na transgressão da toráh (Lei).

[1] Romanos 2.8 – “que não obedecem à verdade”: Vale aqui destacar dois versículos sobre o que de fato é a verdade dita por Shaul nesse texto.

1º Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade. João 17:17

2º A tua justiça é uma justiça eterna, e a tua torah (lei) é a verdade. Salmos 119:142 Leia Dt 6.25

 

 

 

[1] Romanos 2: 13 – “mas os que praticam a toráh serão justificados”: Para ser declarado justo é necessário a obediência. Todo homem que deseja viver no mundo vindouro deve guardar os mandamentos. “mas se queres entrar na vida, guarda os preceitos” Mt 19: 17

[1] Romanos 2.14 – “fazem por natureza as coisas da toráh”: Praticar os mandamentos sem saber de sua existência, ser justo na luz que recebeu.

[1] Romanos 3: 20 – “Esforço”: Do grego “εργον ergon”. Outros significados para essa palavra: 1) negócio, serviço, aquilo com o que alguém está ocupado.
1a) aquilo que alguém se compromete de fazer, empreendimento, tarefa

2) qualquer produto, qualquer coisa efetuada pela mão, arte, indústria ou mente.

Shaul usou a palavra “ergon” para dizer que ninguém pode ser declarado justo por suas próprias forças, mas é Elohim que nos torna justos, mediante a prática sincera e justa da toráh. A obediência por amor é diferente daquela em que o homem emprega o legalismo. Veja nesse mesmo livro o que diz Shaul: “mas os que praticam a toráh serão justificados” Rm 2: 13. Parece uma contradição, mas não é.

Shaul contesta a ideia do homem achar que dependerá apenas do seu esforço. Devemos praticar a Torah(Lei), mas sempre com integridade, retidão, justiça e amor. É Elohim quem nos justifica mediante a nossa obediência da Lei.

 

[1] Romanos 3: 21 – “testemunhada pela toráh e pelos navim”: “A toráh e ao Testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque neles não há luz” Leia Isaías 8: 20, para uma melhor compreensão.

[1] Romanos 3: 22 – “emunah de Yeshua o Ungido”: Ninguém pode usar os méritos de Yeshua para negligenciar a obediência para com a Lei divina. O rabino Shaul está ensinado que é preciso ter a mesma fé que tinha Yeshua. Quando uma pessoa crer da mesma forma como Yeshua, ela será justificada.

[1] Romanos 3: 24 – “libertação que há no Ungido Yeshua”: Do que Yeshua libertou e liberta quem segue seus ensinos? Liberta da apostasia, da desobediência e principalmente do pecado acariciado. Não é Yeshua que te liberta, é Elohim mediante os ensinos do mestre.

Quando o povo foi salvo do Egito, eles precisaram crer em Moshe, em Shomron precisaram crer na mensagem de Elias e nos últimos dias os gentios precisam crer na mensagem de Yeshua. Elohim atou por meio desses homens para libertar o povo da desobediência contra a Lei.

 

[1] Rm 8: 02 – “regra do erro”: Em outras bíblias: toráh (lei) do pecado.

[1] Romanos 10.4 – “finalidade”: Em grego “τέλος – té·los” Na Concordância de Strong, significa: Finalidade,

“(a) um fim,
(b) evento ou questão,
(c) o principal fim] objetivo, propósito,

Télos, significa que algo chegou ao seu estado completo (finalização), mas não foi excluída, abolida ou destruída. É como uma casa que para ser finalizada precisa do telhado, o fim da casa é o telhado, assim o que Paulo está afirmando, é que Yeshua é o telhado da torah. Mas, isso não significa que a LEI (toráh) foi abolida, mas, nele ela tem um propósito.  Para melhor compreensão leia Rm 6.21-22 nos dois versículos a palavra “télos” aparece não como fim, mas como propósito ou finalidade.

Em Filipenses 3.19 as bíblias: Ave Maria, do Peregrino, a NVT e a Linguagem de hoje , preferiram traduzir sem usar a palavra “fim”, mas por uma linguagem que denota a conclusão, a finalidade de algo.

Não é errado traduzir a palavra grega télos, para “fim”. Mas a tradução deve respeitar o contexto, assim como na língua portuguesa a palavra “fim” tem sentidos diferentes dependendo da frase, exemplo: “para qual fim, você lê a bíblia?”  ou “Qual é o fim dos que não leem a biblia?”

 

Teleõ, significa levar ao fim, acabar ou o fim definitivo de algo. É encontrado 28 vezes no A.T em grego e tem o significado de acabar ou finalizar. Rute 2.21 Esdras 9.1

Tradução similar: Bíblia de Jerusalém.

[1] Romanos 10.5 – “Moshe descreve”: Na realidade não são as palavras de Moises, mas as palavras do próprio : “Os meus preceitos observareis, e os meus regulamentos guardareis, para você andar neles. Eu sou  seu Elohim. Guardareis, os meus regulamentos e as minhas ordenanças, pelas quais o homem, observando-as, viverá.” Lv 18.4-5

[1] Romanos 10.9 – “confessares a Yeshua como Mestre”: Isso significa que não é apenas falar “Yeshua é o senhor ou o mestre”, mas seguir os ensinos dele. Veja o que ele mesmo disse: “Quem ouve minhas palavras e as pratica é tão sábio como a pessoa que constrói sua casa sobre uma rocha firme.” Mateus 7:24

Agora veja o que ele disse sobre as palavras dele: “As palavras que eu digo não são minhas, mas de meu Pai, que permanece em mim e realiza suas obras por meu intermédio.” João 14:10

 

Que confessa Yeshua como seu mestre, deve seguir o que ele ensinou.

[1] Romanos 10.9 – “Mestre”: Em outras bíblias, Senhor.
κύριος kurios (kï ‘-riy-os).

  1. Por implicação, senhor, mestre, autoridade
  2. Proprietário.

[1] Romanos 14.21 – “melhor é não comer carne”: Aqui parece que Shaul não está advertindo contra o uso de carnes, mas o uso de carnes impuras (oferecidas aos ídolos). Impuras não são as carnes proibidas em levíticos onze, mas as carnes que foram oferecidas em sacrifícios aos ídolos pagãos.

[1] Romanos 16: 24 – “acréscimo”: Essa passagem não existe no Manuscrito Sinaitico, nem o Vaticano, nem o Efraimi Rescriptus, nem o Alexandrino que são os mais antigos Manuscritos em Grego do N. T, sequer contém tal passagem.

[1] “fornicação”: texto comum nas bíblias: “e fornicação tal, que nem ainda entre os estrangeiros se nomeia: haver quem se atreva a possuir a mulher de seu próprio pai”

Texto retirado da NTJ por possuir um teor de infâmia. Todos os seres humanos estão sujeitos aos mesmos tipos de pecados. Mas o texto de 1ª Cor 5: 1 dá a entender que só o povo israelita comete esse tipo de erro.

 

[1] ICo 10: 08 – “Vinte e quatro mil”: Números 25: 9 e 1 Coríntios 10: 8, correção feita baseada na toráh. Outras bíblias trazem – vinte e três mil.

[1] 1ª Coríntios 11: 01“Sejam meus”: “meus” essa palavra aparece em quase todas as bíblias. Não sabemos ao certo se Shaul pede para imita-lo ou imitar Yeshua da mesma forma como ele é um imitador.

[1] 1ª Cor 11.20 – “ceia de ”: Em outras bíblias “ceia do Senhor” aqui Paulo se referia a ceia pascal.

Leia sobre a Páscoa do SENHOR.
Ex 12:11 Ex 12:27 Lv 23:5 Nm 28:16 Dt 16:1

[1] 1ªCOR 14-2: “Idioma”: Em grego “glossa” que é um idioma humano, uma língua nativa de uma nação.

γλῶσσα glossa (glōs’-sa)

[1]  1ª Cor 14.2 – “misteriosas”: Do grego “μυστήριον / musterion”, aqui é definido como mistério porque se trata de um dom que vem de Deus

[1]  1ª Cor 14.2 – “mensageiro da palavra”: Um profeta (navi) aquele que é porta voz do Criador

[1] 1ªCOR 14-14: “diomas”: Shaul (Paulo), esclarece a congregação que se um homem orar em outro idioma incompreensível para sim, de nada terá proveito.

[1] 1ª Cor 15:17 – “aquEle”: Shaul fala de Elohim.

[1] “Corinto”: A cidade 3. 500 antes da era comum, existem árias versões sobre a fundação da cidade. Os coríntios da época de Pausânias (geógrafo) diziam que a cidade havia sido fundada por Corintos, filho de Zeus, e que Éfira, filha de Oceano, foi a primeira moradora da região (que se chamava Efireia).

Corinto foi uma das mais florescentes cidades gregas da Antiguidade Clássica, tendo sido autônoma e soberana durante o Período Arcaico da história da Grécia.

[1] 2ª Cor 3.6 – “renovada”: Ver comentário de Mateus 26.28.

[1] Gálatas 1: 2 – “Congregações”: Carta destinada as congregações formadas por gentios e israelitas dispersos.

[1] Gálatas 1: 3 – ” Elohim “: O D’us de Yeshua, que também é nosso D’us. Ver João 20.17

[1] Gálatas 1: 6 – “daquele que vos chamou”: Quem faz o chamado para o ministério é D’us, é sobre o Soberano e Elohim de Yeshua que Shaul está fazendo referência.

[1] Gálatas 1: 12 – “revelação de Yeshua”: Leia também, Apocalipse 1: 1-3, você entenderá de onde vem as revelações do Mestre Yeshua, saberá qual é a fonte.

[1] Gálatas 1: 13 – “Judaísmo”: Existia naquela época diversos tipos de segmentos judaicos. Não podemos generalizar e afirmar que todos judeus tivessem a mesma mentalidade religiosa que Paulo para matar e perseguir os talmidim. É possível que apenas uma pequena parcela de judeus perseguia os seguidores do rav Yeshua.

[1] Gálatas 2: 4 – “subordinar”: Alguns queriam que os gentios fossem obrigados a fazer a circuncisão contra a própria vontade, toda a toráh deve ser obedecida por amor e não por aparência ou violência.

[1] Gálatas 2: 6 – “aparência do homem”: Mais uma vez o rabino Shaul fala contra a obediência por “aparência do homem”. Muitas pessoas guardam a toráh apenas para ser visto pelos homens.

[1] Gálatas 2: 7 – “mensagem da incircuncisão”: Significa pregar aos gentios incircuncisos, por isso ele chama “mensagem da incircuncisão”.

[1] Gálatas 2: 8 – “missão da circuncisão”: Significa pregar aos israelitas circuncisos, essa era a missão dada para Kefa(Pedro).

[1] Gálatas 2: 16 – “obras legalistas da toráh”: É quando uma pessoa obedece falsamente a toráh, apenas para mostrar ao próximo. O legalista não obedece por amor, apenas por aparência, sua vida é baseada apenas na letra e a obra sem fé é morta.

[1] Gálatas 2: 16 – “emunah do Ungido”: Devemos seguir a fé do Ungido de Elohim, não é acreditar nele que nos torna justos, mas obedecer da mesma forma como ele obedeceu, seguir os passos dele, Yeshua é um exemplo a ser seguido. Nos passos dele chegaremos a verdadeira obediência.

[1] Gálatas 3: 6 – “Creu”: Crer não é apenas um sentimento, é preciso ação. O pai da fé obedeceu e cumpriu todos os mandamentos de Elohim. Em gênesis encontramos a seguinte referência sobre Avraham: ” uma vez que Avraham obedeceu à minha voz, e guardou o meu mandado (mandamento), os meus preceitos, os meus regulamentos e as minhas Instruções (תּוֹ). (leis)” Gn 26: 5. Fé sem toráh é morta. Uma mulher que crer em seu marido, mas o trai não guarda os mandamentos, logo sua fé é morta pela desobediência.

[1] Gálatas 4: 6 – “Seu Espírito”: Na maioria das bíblias o texto é “Espírito de seu Filho”. Nós nos baseamos na versão do pastor protestante John Wycliffe de 1382. Os textos bíblicos Wycliffe são a literatura manuscrita mais comum em inglês médio. Mais de 250 manuscritos da Bíblia Wycliffe sobrevivem até os dias de hoje.

[1] Gálatas 4: 8 – “não são elohim”: A maioria dos gálatas eram idolatras, adoravam elohim criados por homens. Na realidade são elohim fictícios.

[1] Gálatas 4: 10 – “Guardais dias, e meses, e tempos”: Shaul luta contra o calendário pagão.

[1] Gálatas 5: 1 – “jugo de escravidão”: O pecado nos torna escravos e por meio da obediência alcançamos a liberdade. Yeshua nos ensinou a sermos livres.

[1] Gálatas 5: 2 – “circuncidar”: Em 1º lugar é importante lembra-los que a mensagem de Shaul é para os não hebreus, portanto uma pessoa que não é filho de Avraham, não tem obrigação de cumprir esse preceito. Mas Shaul possivelmente estava repreendendo uma prática pagã de cortar o corpo em oferenda aos deuses. Shaul não estava falando contra um mandamento, mas ao ato de idolatria aos elohim ao fazerem o corte na carne.

Muitos se convertiam, mas continuavam na prática do corte na carne. Alguns povos realizam o corte na carne como autoflagelação.

Se uma pessoa aceitasse os ensinos de Yeshua e continuasse nessa prática idolatra, de nada adiantaria e nenhum proveito teria nos ensinos de Yeshua. Shaul não estava se referindo ao mandamento dado aos filhos de Avraham. Veja o que Paulo ensinou sobre a circuncisão: “Porque a circuncisão é, na verdade, proveitosa, se tu guardares a toráh; mas, se tu és transgressor da toráh, a tua circuncisão se torna em incircuncisão. Romanos 2: 25”. Não fazia sentido um não hebreu fazer circuncisão e não guardar a toráh.

Por meio do Ungido o gentio era conquistado e ensinado para a obediência.

[1] Gálatas 6: 1 – “transgressão (paraptoma)”: É o ato de cometer pecados (erros) deslizes.

[1] Hb 1: 1 – “Navim”: Profetas

[1] Hb 1.2 – “por meio de um filho”: O Eterno escolheu Yeshua para ser seu mensageiro, seu porta voz (profeta), e assim nos deu a mensagem de redenção para afirmar a renovação da aliança.

[1] Hb 1.3 – “a semelhança e imagem do seu Ser”: Leia Gn 1.26, Adão foi criado a imagem e semelhança do Ser Eterno. Assim como declara Shaul (Paulo) em Colossenses 1:15

[1] Hb 1: 6 – “reverencie”: Em grego “proskneo” a tradução mais coerente é: reverencie ou prostrem-se. A bíblia TEB cristã também traduziu seguindo os mesmos critérios.

[1] Hb 1.9 – “É por isso que Elohim, o teu Elohim ”: Esse versículo não chama Yeshua de Deus, mas enaltece o Deus de Yeshua, observe nos seguintes versículos o que Yeshua fala sobre o assunto. Leia João 20.17 e Ap 3.12

[1] Hb 1.9 – “mais do que a teus companheiros”: Uma possível referência a outros anjos(mensageiros).

[1] Hebreus 8.8 – “renovação”: Do hebraico chadashah (חֲדָשָׁה) Ver comentário de Mateus 26.28.

[1] Hebreus 9.14 – “Versículos ausentes”: No Códice Vaticanus, não consta os versículos restantes.

O Codex Vaticanus (Vaticano, Bibl. Vat., Vat. gr. 1209; no. B ou 03 Gregory-Aland, d 1 von Soden), é um dos mais antigos manuscritos existentes da Bíblia grega (Antigo e Novo Testamento) e um dos quatro grandes códices unciais. O nome “vaticanus” deve-se ao fato de estar guardado na Biblioteca do Vaticano, pelo menos desde o século XV. Escrito em 759 folhas de velino em letras unciais, foi datado palaeograficamente como sendo do século IV.

[1] Tiago 2.8 – “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”: Aqui Tiago faz referência da lei do amor ao próximo e não a todas as leis.

[1] Tiago 2.10 – “toda a torah”: Tiago não se refere a todos os mandamentos dos escritos de Moises, mas claramente refere se a lei(torah) do amor ao próximo. Existe vários tipos de leis, exemplo: Lei da expiação Lv 7.1, lei da lepra Lv 14.17,  a lei do sacrifício pacífico Lv 7.11, Esta é a lei dos ciúmes, quando a mulher, em poder de seu marido Nm 5.29. Portanto os escritos de Moises são um aglomerado de leis (toratot). Nessa passagem Tiago cita a lei do amor ao próximo que é cheia de mandamentos. Disse Elohim: “meus mandamentos e as minhas leis(toratot)” Êxodo 16:28 Tiago não usa o plural “leis”, mas faz referência a lei do amor ao próximo Levítico 19:18.

[1] II Pedro 1.1 – “do”: Outras bíblias traduziram corretamente, são elas: Bíblia Católica A.M, Bíblia TNM. A Bíblia de Jerusalém que é uma tradução feita por católicos e protestantes, ainda que vertendo o trecho de forma tradicional, informa como primeira nota de roda pé a II Pe. 1.1 a versão alternativa de tradução: “Ou: ‘de nosso Deus e do Salvador Jesus Cristo‘”. Mostrando ser possível uma outra forma de tradução. Leia, II Ts. 1.12.

Uma comparação desse verso de II Pedro com outro trecho suscitam algumas indagações. Notemos os originais abaixo:

τοῦ θεοῦ ἡμῶν καὶ κυρίου Ἰησοῦ Χριστοῦ. (II Ts. 1.12)
“de nosso Deus e do Senhor Iesu Cristo”

τοῦ θεοῦ ἡμῶν καὶ σωτῆρος Ἰησοῦ Χριστοῦ (II Pe. 1.1)
“do nosso Deus e Salvador Iesu Cristo”

A única diferença entre esses versos, nesses trechos, não é gramatical. Apenas consta “kyrios” (senhor) onde na outra consta, exatamente na mesma posição, “sôtêros” (resgatador).

Mas, o tradutor verteu de forma diferente, dando sentido diferentes aos versos:

“de nosso Deus e do Senhor Iesu Cristo” (II Ts. 1.12) ACF
(aqui se identifica dois personagens e suas respectivas qualidades)

“do nosso Deus e Salvador Iesu Cristo” (II Pe. 1.1) ACF
(Aqui se identifica um personagem com duas qualidades).

[1] 2ª Pedro 3.13 – “renovação”: Ver comentário Mateus 26.28

[1] Ap 1: 1 – “que Elohim lhe deu”: Observe que as revelações foram dadas por meio Yeshua, mas a fonte de toda revelação é Elohim.

[1] Ap 1: 4 – “daquele que é, e que era, e que há de vir”: Por mais que pareça a frase não faz referência a Yeshua. A frase mostra a soberania de Elohim, mostrando que ELE é o ontem, o hoje e o amanhã. Porque não se trata de Yeshua? No verso cinco está escrito: “e da parte de Yeshua o Ungido, a testemunha fiel”.

[1] Ap 1: 6 – “a ele seja kevod”: Ao dizer ele o profeta se refere ao Eterno Elohim de mundos.

[1] Ap 1: 9 – “Patmos”: Em grego, Πάτμος é uma pequena ilha grega do Dodecaneso, no Egeu Meridional, situada a 55 km da costa SO da Turquia, no Mar Egeu.

[1] Ap 1: 10 – “o dia de  hwhy”: Ou “dia do S-NHOR” Esse dia é o shabat e não é o domingo ou o dia do juízo final descrito pelo profeta Yoel. Quando Yohanan faz menção ao dia, ele se localiza no tempo presente e não no futuro. Lv 26: 02

[1] Ap 2: 1 – “Éfeso”: Éfeso (em grego clássico: Ἔφεσος; em latim: Ephesus; em turco: Efes) foi uma cidade grega antiga na costa de Jônia, três quilômetros a sudoeste de Selçuk, província de Esmirna, Turquia.

[1] Ap 2: 8 – “Esmirna”: Em turco: İzmir; em grego: Σμύρνη; transl.: Smýrni; também conhecida noutras línguas como Smyrna e Smirne é uma cidade do sudoeste da Turquia situada na Região do Egeu.

[1] Ap 2: 12 – “Pérgamo”: Em grego: Πέργαμος; transl.: Pérgamos, foi uma antiga cidade grega rica e poderosa em Eólia. Ela está localizada a 26 quilômetros da costa moderna do Mar Egeu, em um promontório no lado norte do Rio Caicos (atual Bakırçay) e a noroeste da moderna cidade de Bergama (hoje território da Turquia).

[1] Ap 2: 18 – “Tiatira”: Em grego: Θυάτειρα; transl.: Tiáteira, foi uma antiga cidade localizada na Lídia, sobre a qual está edificada a atual cidade turca de Akhisar.

[1] Ap 3: 1 – “Sardes”: Sárdis ou Sardes (em grego Σάρδεις), foi uma antiga cidade localizada na Lídia, sobre a qual está edificada o atual vilarejo turco de Sart.

[1] Ap 3: 7 – “Filadélfia”: Do grego Φιλαδέλφεια, ou seja, “amor fraternal”. Foi fundada pelo rei de Pérgamo, Atalo, cerca de 140 a. e. C

[1] Ap 3: 14 – “Laodiceia”: Em grego: Λαοδίκεια πρός τοῦ Λύκου; transl.: Laodikeia pros tou Lykou; em latim: Laodicea ad Lycum, lit. “Laodiceia do Lico” ou “Laodiceia-sobre-o-Lico”; em turco: Laodikya, foi uma cidade na região da Frígia e Lídia, localizada a cerca de 60 km a leste de Éfeso

[1] Ap 3: 19 – “Disciplino”: Erradamente algumas bíblias traduziram por “castigo”.

[1] Ap 4: 2 – “levado em ruach”: Possivelmente o discípulo Yohanan foi levado em espírito, uma espécie de transe da psique onde mente da pessoa é transportada para um determinado lugar, veja 2ª Reis 5: 26

[1] Ap 5: 1 – “assentado sobre o trono”: O Eterno Elohim não possui membros para sentar-se numa cadeira ou em um trono. Essa passagem usa uma linguagem simbólica, já que naquela época o “trono” era símbolo de poder. Quem assenta-se no trono é o Soberano.

[1] Ap 5: 2 – “mensageiro forte”: Representa um mensageiro que por trazer uma mensagem poderosa ele se torna forte mediante o conteúdo da mensagem, a palavra “mensageiro” está no singular, mas ela representa um povo que viverá nos últimos dias.

[1] Ap 5: 2 – “rolo”: Livro ou rolo.

[1] Ap 5: 8 – “tefilot dos kadoshim”: Orações dos separados (santos)

[1] Ap 6: 8 – “cavalo verde”: Em outras bíblias a cor é amarelo.

[1] Ap 7: 2 – “mensageiro subir do oriente”: O verso faz menção a um mensageiro poderoso um profeta que virá do oriente, esse mensageiro têm a descendência de Israel. O termo “subir ou surgir” significa que esse mensageiro não virá do céu, mas da terra.

[1] Ap 7: 4 – “cento e quarenta e quatro mil”: Um número simbólico para representar todos os descendentes de Yaacov (Jacó), são descendentes reais, a casa de Judá e a casa de Israel juntas. De cada tribo 12 mil, um número visivelmente simbólico. Mas a descendência israelita é literal.

[1] Ap 7: 09 – “na presença do Cordeiro”: A grande multidão são tribos e nações que foram alcançadas pela mensagem de Yeshua.

[1] Ap 11: 08 – “Seu mestre”: Ou, seu senhor. Algumas bíblias traduziram por erradamente por “nosso senhor”.

[1] Ap 12: 1 – “mulher vestida do sol”: Essa mulher representa Israel o povo escolhido por Elohim, veja a simbologia de uma mulher sendo aplicada a Israel em Is 66: 10; 26: 17; Mq 4: 10.

[1] Ap 12: 1 – “doze estrelas”: Representa as doze tribos de Israel e são também tipificados nos doze discípulos do rav Yeshua.

[1] Ap 12: 2 – “dar à luz”: Literalmente de dentro de Israel nasceria um rebento para todo o mundo, um grande movimento de expansão do conhecimento da verdade (toráh) se espalharia pelo planeta terra.

[1] Ap 12: 3 – “monstro terrível”: O poder romano entre os anos 70 e 400 da era comum. Precisamente nessa passagem, Roma ainda continua nas profecias subsequentes.

[1] Ap 12: 4 – “estrelas dos céus”: Mais uma vez os discípulos de Yeshua e as 12 tribos de Israel são representadas (doze estrelas na coroa), aqui mais uma vez recai sobre os homens e mulheres que brilharam em meio as trevas e uma terça parte foram mortas pelo poder romano após a destruição do templo e nas perseguições posteriores.

[1] Ap 12: 5 – “há de reger todas as nações com vara de ferro”: Aqui claramente mostra que Yeshua governará no futuro e não em sua época, mas retrata um futuro em que ele se encaixará nas profecias messiânicas.

[1] Ap 12: 6 – “mulher fugiu para o deserto”: Retrata o período em que Israel foi expulsa de suas terras no ano 70 da era comum. Israelitas crentes em Yeshua e não crentes, acharam refúgio no deserto. Simbolicamente o deserto representa o exilio a dispensação.

[1] Ap 12: 10 – “o acusador de nossos irmãos”: O poder romano acusava os descendentes de Israel e tais acusações os levavam a morte em coliseus, crucificação, degolamento etc.

[1] Ap 12: 13 – “mulher que dera à luz”: Não se trata literalmente de Maria, porque se considerarmos literal essa passagem, da mesma forma que ela “dera a luz” então devemos considerar que a mesma tinha também duas asas e nós sabemos que um ser humano não têm asas. O texto refere-se claramente a Israel e seus descendentes por meio de Yeshua.

[1] Ap 12: 13 – “o filho varão”: Literalmente refere-se ao justo Yeshua.

[1] Ap 12: 17 – “aos remanescentes de sua descendência”: Mais uma vez o profeta João faz menção aos descendentes de Israel os remanescentes que teriam sua fé baseada nos verdadeiros ensinos de Yeshua.

[1] Ap 12: 17 – “os que guardam os preceitos de Elohim, e têm o testemunho de Yeshua o Ungido”: Os remanescentes seriam identificados como: Os que guardam os mandamentos de  hwhy e têm o testemunho de Yeshua e tais testemunhos são os seus ensinos.

[1] Apocalipse 13: 01 – “monstro terrível: Em outras bíblias o nome é, “ dragão”. O monstro terrível com dez chifres e sete cabeças com nomes de blasfêmias, representa o império Romano. Entre o ano 100 e 300 da era comum, Roma atacou os judeus e os discípulos de Yeshua, tanto quanto gentios convertidos para destrui-los. Após o 5ª século, o império Romano se desfragmentou em vários reinos, foram os hunos, os vândalos, os visigodos, os ostrogodos, os francos, os lombardos e os anglo-saxões. O último imperador ocidental Rômulo Augusto foi destronado em 4 de setembro de 476, e levantou-se posteriormente um poder teocrático-cristão controlado pela igreja Roma.

[1] Apocalipse 13: 02 – “animal poderoso”: Representa o poder político teocrático-cristão do 6ª século que recebe do “monstro terrível (Império Romano)” a herança religiosa e autoridade Romana, para governar os reis do império dividido. Esse “animal poderoso” derrubou a toráh porque usou o próprio livro sagrado para defender suas crenças, oprimiu os israelitas trocando as verdades por mentiras.

[1] Apocalipse 13:15 – “adorassem a imagem”: A imagem foi levantada como um deus para ser adorada.

[1] Apocalipse 14:2 – “como a voz de muitas águas”: Essa é a voz do Messias, porque Elohim fala por meio dele. Todas as vezes que Elohim fala por meio do homem ou por meio de algo sobre natural, a voz é como se fosse de muitas águas, representado o mar, o barulho das ondas que parecem vir de todos os lados. Representa também a grandeza de Elohim. O Messias fala com uma voz de muitas águas, porque toda a autoridade dele vem de Elohim (  hwhy).

[1] Apocalipse 14:4 – “mulheres”: Mulher aqui representa; religião. Exemplo: Mulher pura e mulher prostituta. Os cento e quarenta e quatro mil, os remanescentes de Israel não se contaminarão com religiões que contra as vontades de Elohim.

[1] Apocalipse 14:12 – “emunah de Yeshua”: Ter a mesma fé (emunah) de Yeshua não é o mesmo que ter a fé em Yeshua. Outras bíblias que traduziram de forma correta: Bíblia King James de 1611, Bíblia do peregrino, Bíblia NVT. Ter a fé de Yeshua é o mesmo que se manter fiel aos ensinos dele.

[1] Apocalipse 22: 14 – “guardam os seus mandamentos”: Em outras bíblias “lavam as suas vestes”. A correção foi necessária e baseada no codex Vaticanus um dos mais antigos manuscritos gregos. A frase “guardam os seus mandamentos” está de acordo e coesa com apocalipse 12: 17 e 14: 12 e Mat 19: 17 ambas as passagens falam da observância dos mandamentos de Elohim. Outras bíblias traduziram em comum: King James de 1611, João Ferreira de almeida de 1712.

[1] Salmos 23.1 – “não”: Em outras bíblias, “nada”. É nítido no texto que Davi não estava se referindo a falta de bens materiais, mas a falta de sentir a presença de Elohim. Para compreender leia o versículo quatro. “…não temerei mal algum, porque tu estás comigo…” (lo echsar).

[1] Apocalipse 22: 14 – “guardam os seus mandamentos”: Em outras bíblias “lavam as suas vestes”. A correção foi necessária e baseada no codex Vaticanus um dos mais antigos manuscritos gregos. A frase “guardam os seus mandamentos” está de acordo e coesa com apocalipse 12: 17 e 14: 12 e Mat 19: 17 ambas as passagens falam da observância dos mandamentos de Elohim. Outras bíblias traduziram em comum: King James de 1611, João Ferreira de almeida de 1712.